Voluntários levam sorrisos e esperança a hospitais

Carinho e dedicação geram benefícios à saúde e a recuperação de pacientes

Rosayne Macedo
Clinica-da-Alegria-Fatima-amada Fátima Magalhães, a Amada, da Clínica da Alegria, em visita a crianças internadas em hospital: trabalho voluntário há mais de 15 anos (Foto: Divulgação)
Clinica-da-Alegria-Fatima-amada
Fátima Magalhães, a Amada, da Clínica da Alegria, em visita a crianças internadas em hospital: trabalho voluntário há mais de 15 anos (Foto: Divulgação)

“Quando se faz o bem, o bem retorna”. Esta é uma frase comum entre as pessoas que dedicam parte de sua vida ao próximo, por meio de trabalhos voluntários.  Como a auxiliar de enfermagem aposentada Fátima Magalhãs, a Amada, da Clínica da Alegria, que há mais de 15 anos visita vários hospitais do Rio de Janeiro e Niterói, levando brincadeiras e solidariedade. De fato, ajudar o próximo traz uma sensação mais do que agradável a quem promove essas ações. Jorge Moll Neto, diretor-presidente do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), foi o primeiro neurocientista no mundo a concluir que fazer uma boa ação ativa áreas do cérebro relacionadas com o prazer, o bem-estar e o sentimento de pertencimento. Atos altruístas representam um papel relevante tanto para quem os pratica quanto para os que recebem. No fim das contas, todos saem ganhando.

Para especialistas, além dos medicamentos indicados pelos especialistas, a presença do trabalho voluntário para crianças internadas contribui para a humanização do tratamento. A psicóloga do Hospital Caxias D’Or, Teresa Eder destaca a importância do contato do voluntário com a criança. “Sempre que possível, incentivo a realização dessas visitas para esses pacientes. É bom estimular momentos confortantes para eles”, explica a especialista. Neste Dia Internacional do Voluntário (5 de dezembro) destacamos a ação de grupos como os que são recebidos na Rede D’Or São Luiz e o Grupo Oncologia D’Or. Confira algumas dessas iniciativas:

Música – A música, por exemplo, é um importante instrumento para esse trabalho de amor ao próximo. Essa forte influência sobre a emoção das pessoas também é usada para a reabilitação física, mental e social de pacientes em tratamento de variadas patologias. Pensando nisso, o Grupo Oncologia D’Or lançou o projeto Tocado por Você que visa aproximar os pacientes que estão em tratamento oncológico com a sociedade. A campanha incentiva que pessoas com habilidades musicais doem seu tempo para pacientes em tratamento nas clínicas do Grupo levando música, alegria e esperança em um momento tão difícil.

Contação de histórias – As histórias também são grandes aliadas e foram escolhidas pelo Instituto Rio de Histórias, projeto da Associação Viva e Deixe Viver, como forma de levar amor ao próximo. A organização realiza visitas semanais para contação de histórias, nos hospitais Rios D’Or, em Jacarepaguá; Copa D’Or, em Copacabana; Oeste D’Or, em Campo Grande; e o Hospital Estadual da Criança, em Vila Valqueire. Tais atividades lúdicas e recreativas auxiliam a criança no enfrentamento da doença, além de atuar como agente terapêutico, contribuindo para uma melhor qualidade de vida.

Teatro e brincadeiras – A Trupe Miolo Mole, outro parceiro da Rede D’Or São Luiz, visita semanalmente inúmeras crianças na unidade de Jacarepaguá e de Vila Valqueire para apresentações teatrais e brincadeiras. O grupo de palhaços realiza vínculos não só com pacientes, mas também com seus familiares e equipe médica. Assim como a Comunhão da Alegria que marca presença na pediatria do Hospital Quinta D’Or e no Centro de Oncologia D’Or, para apresentações musicais. Para eles, a música não é apenas um entretenimento, mas também uma forma de acalmar e proporcionar bem-estar durante o tratamento.

Para participar do Tocado por Você é preciso gravar um vídeo da apresentação com no máximo três minutos e postar no Youtube com a hashtag TocadoPorVocê no título e na descrição, além de se inscrever no site http://www.oncologiador.com.br/portal/tocado-por-voce/. Os vídeos recebidos serão analisados por uma comissão julgadora.

Fonte: Rede D´Or e, com Redação

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.