6 bons motivos para praticar atividades físicas

caminhada

A prática regular de atividades físicas é uma poderosa arma não só para manter a saúde, mas para prevenir doenças. Estudos científicos apontam os exercícios como ferramentas eficazes de prevenção de diferentes tipos de câncer. Por conta disso, a Oncoclínica lançou no sábado, Dia Mundial de Combate ao Câncer, a campanha #MaisSaúdeNumPulo, para incentivar a prática de atividades físicas. Adriana Scheliga, onco-hematologista da Oncoclínica RJ, mostra seis bons motivos para abandonar o sedentarismo e manter uma rotina de exercícios, mesmo para quem está em tratamento de câncer.

1.     O sedentarismo e seus prejuízos à saúde

​Apesar de bem estabelecida a correlação entre atividade física e saúde, a verdade é que a maioria das pessoas não pratica exercícios de forma regular. ​Existem estudos que demonstram uma real redução do risco de morte por câncer em pacientes que mantêm atividade física regular. E as vantagens não estão ligadas apenas ao câncer. Com o controle do peso e atividade física, há um menor risco de desenvolver resistência insulínica, e consequentemente, o diabetes.

A atividade física diminui o risco de casos de demência, de doenças cardiovasculares, de acidentes vasculares cerebrais, reduz perda óssea, atenua as oscilações de humor e, consequentemente, reduz a menor chance de desenvolver sintomas ligados à depressão. Assim, não há uma só contraindicação para a prática de exercícios. Cada individuo deve procurar se manter ativo diariamente, praticando aquilo que lhe proporciona maior prazer dentro de um plano individual e sob supervisão especializada.

2.     Benefícios para pacientes em tratamento de câncer

​Até pouco tempo, um paciente com uma patologia crônica e limitante como o câncer era aconselhado a repousar ​e a interromper quaisquer atividades físicas​. Isso ocorria porque, muitas vezes, os pacientes apresentavam doença em estágio avançado, como a doença óssea metastática, o que poderia causar dor ​ou anemia – ​que, com ​o esforço da atividade física,​ poderia ​causar piora da falta de ar ou aumento da frequência cardíaca. No entanto, pesquisas recentes não só demonstram que é seguro o paciente praticar exercícios, como também a atividade física pode melhorar a performance do paciente e, consequentemente, sua qualidade de vida.

​Repouso em excesso pode levar à piora da função motora, a atrofias musculares e à diminuição da amplitude dos movimentos. Por isso, levando-se em conta que cada caso deve ser avaliado separada e individualmente, hoje, como oncologistas, devemos encorajar os pacientes a manter suas atividades físicas, obviamente, respeitando seus limites pessoais. E não só devemos incentivá-los a manter a atividade durante o tratamento, como, também, após o término do tratamento.

3.     Vantagens da manutenção da atividade física durante o tratamento

São inúmeras, como melhora no equilíbrio, diminuindo o número de quedas e, consequentemente, de fraturas; diminuição do risco de doenças cardiovasculares; redução de doenças, tais como a ansiedade e a depressão; melhora na autoestima; diminuição do enjoo ocasionado pelo tratamento; auxilio no controle do peso; melhora dos sintomas ligados à fadiga e, com isso, melhorando a qualidade de vida.

4.     Exercícios e contraindicações para pacientes

Cada caso deve ser avaliado individualmente. O oncologista deve discutir com seu paciente sobre a prática de exercícios, quando é seguro começar ou até mesmo continuar, expor os riscos e as contraindicações, caso haja (fraturas, eventos cardiológicos, pulmonares, entre outros). Na maioria das vezes, o entendimento sobre os riscos com modificações no plano de exercício é suficiente para manter a segurança do paciente. Uma boa avaliação clínica, juntamente com profissionais, como o fisioterapeuta e um profissional da educação física, é o suficiente para o planejamento adequado à idade, à patologia e ao condicionamento físico do paciente.

Estar fisicamente ativo durante o tratamento para o câncer deve sempre ser uma meta para os pacientes. No entanto, cada paciente deverá ter um programa de exercícios individualizado, baseado no que é seguro e no que funciona melhor para cada um, lembrando que o ideal é que sejam mantidas as atividades que já estavam em curso, principalmente, aquelas atividades que são mais prazerosas para o paciente. Não há uma contraindicação geral para exercícios durante o tratamento oncológico. No entanto, eventualmente, a limitação é temporária e de acordo com o tratamento de cada um. Por exemplo, o paciente em quimioterapia infusional, com bombas de infusão portáteis, não deve fazer práticas aquáticas, assim como o tratamento com determinadas medicações impede que o paciente se exponha ao sol, o que pode limitar pratica de exercícios na piscina ou na praia. O melhor é conversar com o oncologista e decidir, de acordo com as orientações dele, como manter ou iniciar os exercícios durante o tratamento.

5.     Esporte regular como uma ferramenta de prevenção  

​Sem dúvida nenhuma, a prática de exercícios é uma arma de prevenção do câncer. Com exercícios regulares, o individuo se afasta de​ fatores etiológicos conhecidamente ​relacionados ao ​desenvolvimento de ​câncer, como fumo e álcool. A obesidade, que de fato pode ser combatida com a combinação de dieta adequada e pratica de exercícios físicos, é reconhecidamente um fator etiológico de determinadas neoplasias malignas.

6.     Paciente sedentário em tratamento

​Mexa-se! Se você já faz exercícios, mantenha esse hábito. Se não faz e quer começar, converse com seu oncologista, procure se informar de como e quando se exercitar. É provável que uma orientação dietética deve ser incluída nas prescrições.

 Fonte: Oncoclínica

 

Por Favor, Compartilhe!
3 Comments
  1. […] 6 bons motivos para iniciar uma atividade física […]

  2. […] 6 bons motivos para iniciar uma atividade física […]

  3. […] 6 bons motivos para praticar atividades físicas […]

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais