9 entre 10 pacientes de Covid não completaram vacinação

Estudo aponta bons resultados da vacinação, com queda na ocupação de leitos, mas país ainda precisa avançar mais na vacinação, alertam especialistas

A campanha de vacinação contra a Covid-19 no Brasil apresenta resultados inegáveis e o país vive uma situação “confortável” de ocupação de leitos, em comparação com momentos mais graves do surto. Entretanto, cientistas alertam que o cenário ainda inspira cuidados e que o país precisa avançar na imunização.

Até o momento, 47,11% dos brasileiros estão com esquema vacinal completo com duas doses ou dose única, segundo o Ministério da Saúde. Receberam a primeira dose ao menos 75,88% da população, também segundo o ministério. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que esta porcentagem deve ser superior a 80% para considerar o surto sob controle.

Um estudo preliminar divulgado nesta quarta-feira (6) pelo Hospital Emílio Ribas, referência em doenças contagiosas em São Paulo, atesta os bons resultados da vacinação. Os dados dão conta de que quase nove em cada 10 pacientes internados com coronavírus no hospital não estavam com esquema vacinal completo, ou não tinham sido vacinados.

De 1.172 pacientes observados, apenas 138 tinham tomado as duas doses ou vacina de dose única. Entre janeiro e setembro, morreram 274 pessoas no hospital. Destes, 237 não estavam vacinados; 21 tinham recebido a primeira dose e 16, as duas.

Números da covid-19 no Brasil. Fonte: Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass)“Esse número chapado, do jeito que está, já mostra claramente o papel da vacina na contenção da pandemia. E esse recorte é importante porque, na primeira fase, a vacinação abrangeu os sujeitos mais vulneráveis, a população do extremo da faixa etária”, disse o médico infectologista Jamal Suleiman.

Bolsonarismo contra a vida

Estudos chamados “do mundo real” cumprem um papel decisivo, de acordo com os médicos, de conscientizar para a importância da vacinação. Embora conte com boa adesão da sociedade , a imunização contra a covid ainda enfrenta desafios no Brasil.

Além do atraso no início do processo, o presidente Jair Bolsonaro é porta-voz do negacionismo no país. Ele é responsável direto por disseminar mentiras sobre a segurança das vacinas, do uso de máscaras e de estimular e promover aglomerações constantemente.

Um dos resultados dessa investida de grupos negacionistas foi levantada hoje pelo portal Metrópoles. Policiais e bombeiros militares pelo país, grupo com grande presença de bolsonaristas, estão em atraso em relação ao restante da população. São 76,2 mil policiais sem nenhuma dose de vacinas, ou 9,85% de todo o contingente. Como grupo prioritário, os trabalhadores da segurança pública tiveram acesso aos imunizantes facilitado ainda em janeiro.

No topo da lista de faltosos está o Maranhão, com apenas 45% dos membros das forças de segurança e salvamento imunizados. Na sequência vem o Acre, com 51,7%; a Paraíba, com 53,2%; e o Paraná, com 53,1%.

“As informações vindas do governo federal são muito consumidas por esse público. E temos o maior líder político do país com esse discurso. Então para eles não é fake news, é tudo verdade”, disse o doutor em Administração Pública e governo pela FGV e associado ao Fórum Brasileiro de Segurança Pública Alan Fernandes, em entrevista ao Metrópoles.

Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais