Água segura, limpa e potável: o maior desafio do milênio

Rosayne Macedo
Água segura, limpa e potável: o maior desafio do milênio Pescador no Lago Iranduba, próximo a Manaus (Foto: Banco Mundial/Julio Pantoja)

De toda a água do planeta, apenas 2,5% correspondem à água doce e uma parte ainda menor é limpa, segura e potável. Diante desse desafio global de prover a população de água nas próximas décadas, o Fórum Mundial da Água acontece pela primeira vez no Hemisfério Sul. A expectativa é reunir em Brasília cerca de 40 mil representantes de 170 países para esta oitava edição, do dia 18 a 23 de março.

O evento é um dos maiores do mundo e procura promover a conscientização do uso sustentável da água para o meio ambiente. O tema central dessa edição é “Compartilhando Água”. Um importante canal de debates é por meio da plataforma online “Sua Voz”, que amplia a participação social. Acessando esse canal, é possível que pessoas de todo o mundo colaborem, influenciem e deem sugestões de temas e debates para as discussões no Fórum. ViDA & Ação selecionou algumas ações que vão acontecer durante a programação. Confira!

Ecoinovação: Desafio Água

Ciente de que a escassez hídrica — em termos de quantidade e qualidade — é um dos maiores desafios globais, a ONU Meio Ambiente e o Sebrae estabeleceram parceria para unir a força da ecoinovação e do empreendedorismo e encontrar possíveis soluções para os desafios de gestão da água nas áreas de indústria, cidades e agricultura. Juntos e com o apoio do Green Nation, realizam o ‘Camp de Ecoinovação: Desafio Água’, de 19 a 21 de março, no Espaço Green Nation, na Vila Cidadã,  durante o 8º Fórum Mundial da Água.

As soluções mais criativas e sustentáveis para os problemas da água foram selecionadas por meio de um edital  voltado para startups em estágio de operação ou tração e empreendedores com ideias inovadoras que ainda não tenham sido comercialmente exploradas. Na área de cidades, a ideia é mostrar alternativas à energia hidrelétrica, despoluição dos rios e mares e soluções em saneamento básico, entre outras. Já na indústria, que responde por 22% do consumo total da água no mundo, os desafios incluem a descontaminação da água, o consumo consciente e os processos de reúso. Por fim, na agricultura, que utiliza mais de 70% dos recursos hídricos globais, procuram-se alternativas à irrigação, às fontes de abastecimento, entre outras.

Filme sobre poluição do Rio Pinheiros

Longa que será apresentado no Fórum Mundial da Água mostra poluição do Rio Pinheiro, em São Paulo (foto: Divulgação)
Longa que será apresentado no Fórum Mundial da Água mostra poluição do Rio Pinheiro, em São Paulo (foto: Divulgação)

Os sentimentos têm grande poder sobre nós, mas o que não sabemos é como essas emoções refletem no cuidado da nossa cidade. Para promover essa reflexão popular, é lançado no Dia Mundial da Água (22), o DETOX SP, um longa metragem com um novo olhar a respeito da nossa relação com as águas. Realizado por meio de financiamento coletivo e com apoio da empresa de purificadores de água Europa, o filme sugere uma mudança de pensamento em nós e consequentemente nos nossos rios e onde moramos. Além disso, traz problemas, discussões, soluções e projetos como o Museu da Água.

Para José Bueno, co-criador da Iniciativa Rios e Ruas, os rios são um espelho do ser humano. “Quem está doente não é o rio, somos nós. Eu olho para o Rio Pinheiros, Rio Tietê e não os vejo doentes, vejo a cidade doente, eu vejo pessoas doentes”, argumenta. O projeto conta com a participação de grandes nomes como Sri Prem Baba, líder humanitário e mestre espiritual; Monja Cohen, líder Budista; Stela Goldenstein, diretora da ONG Águas Claras do Rio Pinheiros.

Campanha Somos Mais Saneamento

A campanha Somos Mais Saneamento (#SOMOSMAISSANEAMENTOvai mobilizar dezenas de entidades em favor do saneamento, às vésperas e durante o 8º Fórum Mundial da Água, que acontece de 18 a 23 de março, em Brasília. A ação é uma iniciativa de organizações brasileiras, com o objetivo de fortalecer o debate sobre esse setor. Centrada em oito mensagens-chave, a campanha visa fortalecer o debate sobre o saneamento, incluindo mais vozes na discussão sobre um setor que possui índices muito abaixo do desejável no Brasil.

Pelo site oficial www.somosmaissaneamento.com.br é possível acessar as mensagens-chaves, comentar, curtir ou descurtir cada uma delas. Além disso, haverá entrevistas com importantes personalidades durante o Fórum, e a cobertura total do evento. Ao final da campanha, a ideia é ter criado uma rede de compartilhamento de informações e conteúdos entre as organizações apoiadoras e seus públicos.

Confira as mensagens da campanha Somos Mais Saneamento:

Todos têm direito à água segura e ao esgotamento sanitário adequado, e todos têm o dever de defender e preservar a água para as presentes e futuras gerações.

O Brasil tem o compromisso de cumprir suas metas de universalização dos serviços de água e esgoto.

É preciso repensar os modelos de prestação de serviços de saneamento.

A cooperação entre os setores público e privado é fundamental papa a realização das metas de universalização.

Tarifas realistas e justas devem garantir a sustentabilidade dos serviços de água e esgoto.

Precisamos engajar a sociedade e qualificar o debate sobre os desafios e soluções para o setor de saneamento.

Saneamento básico deve estar integrado com a gestão de recursos hídricos.

A formação e capacitação profissional devem ser prioridades no setor do saneamento.

  • SOS Mata Atlântica –Fundação SOS Mata Atlântica levará para Brasília voluntários que representam os grupos de monitoramento do Observando os Rios. A ação reforça a importância da colaboração de todos no uso responsável da água e na valorização do voluntariado para que iniciativas como essa sejam bem-sucedidas. A Ypê, marca líder no segmento de higiene e limpeza no país, em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, participará de um painel temático com o projeto “Observando os Rios” – projeto que monitora a qualidade da água em cerca de 230 rios localizados em 17 estados da Mata Atlântica. Aberto ao público, o objetivo é a troca de experiências e soluções para a gestão da água. Amostras de água coletadas ficarão expostas no estande para apresentar a proposta de vigilância voluntária da água.
  • Museu do Amanhã – Já o Museu do Amanhã leva para a Vila Cidadã do 8º Fórum Mundial das Águas, de 17 a 23 de março, uma experiência inédita inspirada no percurso narrativo de sua Exposição Principal. Trata-se de uma réplica do Cubo da Matéria, que traz diversas imagens do planeta Terra em fotografias espaciais do Planeta Azul, capturadas pela Nasa, a agência espacial americana. Com dimensões de aproximadamente 7m x 7m x 5m, a atração ficará instalada logo na entrada do pavilhão instalado no Estádio Nacional Mané Garrincha convidando o visitante a saber mais sobre o planeta e a maneira como ele é impactado pela ação do homem. A experiência foi concebida pelo Museu do Amanhã com o patrocínio da Shell.
  • Planeta ODS da ONU – O escritório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento no Brasil (PNUD) montou o “Planeta ODS”, no Planetário de Brasília, um espaço adaptado à temática dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), com base no ODS 6 – Águapotável e saneamento.  No espaço, entre 19 e 23 de março, haverá mesas de debate, exibição de filme no formato fulldome e de curtas metragens, além de fotografias. Representantes do PNUD estarão disponíveis para entrevistas. A programação do “Planeta ODS” será totalmente gratuita e é paralela ao Fórum Mundial da Água.
  • Conselho Nacional do Ministério Público – Nos dias 17 e 18 de março, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o Ministério Público Federal e a Escola Superior do Ministério Público da União, em parceria com entidades da sociedade civil, promovem dois ciclos de debate dentro da programação do Fórum Alternativo Mundial da Água (Fama 2018). As discussões, que abordarão o risco socioambiental da construção de barragens e a água como direito humano, serão abertas ao público, sem necessidade de inscrição, na Universidade de Brasília (UNB).

Mais sobre o evento

O 8º Fórum Mundial da Água é organizado no Brasil pelo Conselho Mundial da Água (WWC), pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), representado pela Agência Nacional de Águas (ANA), e pelo Governo do Distrito Federal, representado pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa). A Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) é integrante do Comitê Organizador Nacional (CON). As sete edições anteriores foram realizadas em Marrakesh (Marrocos, 1997), Haia (Holanda, 2000), Kyoto (Japão, 2003), Cidade do México (México, 2006), Istambul (Turquia, 2009), Marselha (França, 2012) e Gyeongju e Daegu (Coreia do Sul, 2015).

8º Fórum Mundial da Água / 8th World Water Forum

Brasília, 17 a 23 de março de 2018
Debates: Centro de Convenções Ulysses Guimarães
Vila Cidadã: Estádio Nacional Mané Garrincha

Da Redação, com Assessorias

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.