Canabidiol para tratar autismo pode causar vício?

Neste Dia do Orgulho Autista, especialista tira dúvidas sobre o uso do canabidiol para controlar o transtorno

No dia 18 de junho, comemora-se o Dia do Orgulho Autista, que marca a luta por direitos civis dos autistas. Nesta data, Caroline Heinz, vice-presidente da HempMeds® Brasil, que atua no mercado de canabidiol (CBD), responde algumas perguntas sobre o uso do canabidiol para pacientes que vivem esta condição. A empresa é e a primeira a obter o registro pela Anvisa, subsidiária do grupo americano Medical Marijuana. Confira as principais questões:

O que é canabidiol?

O canabidiol ou CBD é um dos mais de 85 canabinoides, compostos encontrados nas sementes, talos e flores da planta de cânhamo, uma planta que pertence à mesma “família” da maconha. O CBD está presente em maior quantidade na composição da planta de cânhamo do que na maconha, e por não ser psicoativo é considerado pela comunidade médica como sendo o canabinoide com maior potencial para a saúde. O canabidiol está disponível no mercado em vários formatos, mas o mais comum é o óleo.

Como o canabidiol pode ajudar pacientes com autismo?

A principal função do canabidiol é equilibrar o organismo de forma a amenizar quaisquer sintomas adversos ao funcionamento considerado normal. Dessa forma, nos pacientes com autismo, o canabidiol pode ajudar a diminuir a agressividade, hiperatividade e dificuldades de interação social, causadas pela falta de concentração.

Quais são os benefícios observados?

Nos pacientes autistas que utilizam o CBD observamos uma melhoria extraordinária principalmente nas crises nervosas. Alguns deles possuem epilepsia associada ao autismo e este sintoma também é amenizado de forma a zerar as crises convulsivas.

Como o medicamento atua no organismo do paciente?

O nosso corpo possui o que chamamos de “sistema endocanabinoide”, que é nada mais do que um sistema, assim como o digestivo, capaz de interagir com os componentes do CBD, promovendo o equilíbrio do organismo.

O canabidiol “dá barato”?

Não. O CBD não é psicoativo, ou seja, não causa o barato associado à cannabis. Já o tetrahidrocanabinol (THC), que é de fato o composto psicoativo da planta, é encontrado numa concentração máxima de 0,03% dos nossos produtos. Para aqueles que buscam evitar até mesmo estes traços de THC existe um produto à base de canabidiol sem THC disponível na HempMeds® Brasil.

Existem efeitos colaterais?

Não. Por ser um composto natural, quando devidamente cultivado sem herbicidas, pesticidas ou fertilizantes o canabidiol não desencadeia efeitos colaterais. É importante ressaltar que o CBD de boa procedência apresenta concentração adequada e segura de THC e ausência de contaminantes como mofo, toxinas e metais pesados, que também poderiam causar efeitos colaterais.

O canabidiol causa vício?

Ao contrário do que se pensa, o canabidiol até auxilia a livrar o vício de outros medicamentos de base química, por exemplo. Pois ele equilibra o organismo fazendo com que se torne desnecessário o uso de outras prescrições.

Existe uma limitação de idade para uso do canabidiol?

Não. Pacientes de qualquer idade podem fazer o uso do canabidiol, desde que prescrita a dosagem adequada para cada uma delas.

Qual o procedimento para conseguir o medicamento?

Desde janeiro de 2015, a Anvisa autoriza a importação de produtos à base de canabidiol que não são encontrados no mercado brasileiro. Pacientes que sofrem com os sintomas do autismo no Brasil, podem solicitar a autorização da Anvisa para importar o óleo de CBD por meio de prescrição e laudo médico.

Fonte: HempMeds® Brasil

Por Favor, Compartilhe!
2 Comments
  1. […] Canabidiol para tratar autismo pode causar vício? […]

  2. […] Canabidiol para tratar autismo pode causar vício? […]

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais