Câncer do colo do útero e o sonho da maternidade

O autocuidado feminino deve ser uma das prioridades no bem estar de todas as mulheres, mesmo em meio a pandemia do coronavírus. Um estudo publicado no site do Instituto Nacional de Câncer (Inca), revela que o câncer do colo do útero tem um desenvolvimento lento, que pode não apresentar sintomas na fase inicial. Ainda de acordo com o instituto, a taxa de mortalidade por este tipo de neoplasia foi de 5.33 a cada 100 mil mulheres no ano de 2019.

De acordo com Polyana Raposo, médica ginecologista e obstetra da Cia. da Consulta, é importante que a mulher esteja sempre atenta com a própria saúde para fazer os devidos cuidados preventivos e observar qualquer anormalidade em seu organismo. A empresa vem promovendo uma campanha de alerta sobre os cuidados que as mulheres devem ter para se protegerem do câncer de colo de útero e também da endometriose.

Geralmente a prevenção do câncer de colo de útero começa aos 21 anos, com a coleta do Papanicolau. Já para a endometriose, é recomendado que o tratamento no endométrio seja com anticoncepcionais, uma vez que eles agem bloqueando o ciclo ovariano da paciente”, explica.

Por meio de exames ginecológicos é possível identificar as células no colo do útero que estão infectadas pelo vírus HPV e que sofreram alguma transformação pré-neoplásica, podendo um dia se tornar células cancerígenas. “Desta forma é necessário iniciar um tratamento preventivo, antes que as células resultem efetivamente em um câncer”, orienta Polyana. “A vacina do HPV também tem um papel importante na prevenção contra a infecção. Normalmente é aplicada em meninas de até 13 anos, mas é possível tomar até os 45 anos de idade”, completa.

No caso da endometriose, o tecido que normalmente reveste o útero pode apresentar anormalidades. E esse pode ser um dos pontos de atenção, visto que alguns dos sinais podem ser confundidos com as dores do período menstrual, atrasando o diagnóstico. “Com o tratamento, os focos de endometriose param de inflamar, o que acarreta na melhora da cólica e na diminuição da progressão das lesões da endometriose. Caso não haja melhora, é indicado o tratamento cirúrgico para retirada dos focos inflamatórios”, conta Raposo.

Além dos cuidados das doenças citadas acima, as mulheres devem ficar atentas com outras enfermidades que atingem o sexo feminino em todas as idades. É essencial que busquem informações em canais oficiais de saúde e conheçam ao máximo o seu próprio organismo. “Nada substitui a ida ao especialista para cuidar da saúde e fazer os exames. A prevenção e diagnóstico precoce são os caminhos para uma saúde mais inteligente”, finaliza Polyana Raposo.

Por Favor, Compartilhe!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais