Cirurgias e procedimentos íntimos: conheça as últimas novidades

Rosayne Macedo

cirurgia_intima

Cada vez mais atentas a reconhecer o próprio corpo e sua sexualidade as mulheres estão mais preocupadas não somente com a saúde, mas com a estética da região vaginal. E muitas  buscam nos consultórios médicos as alternativas que melhorem não só a força e o tônus da região íntima, como também sua aparência.

As cirurgias íntimas mais conhecidas são a Ninfoplastia e a Redução do Monte de Vênus. Quando combinados, esses procedimentos podem proporcionar resultados significativos na vida da mulher, inclusive sexualmente, pois ela fica com a autoestima elevada e se sente mais confortável com a nova aparência da sua região íntima.

Também conhecida como Ninfoplastia, o procedimento é indicado para mulheres que não estão satisfeitas com sua região genital. Os motivos mais comuns são tamanho exagerado dos pequenos ou grandes lábios, grandes lábios “murchos” ou região pubiana alta. No caso do púbis, a melhor solução é fazer uma lipoaspiração do local. A correção dos lábios vaginais grandes é feita a partir de uma cirurgia com anestesia local. O excesso de mucosa é retirado e suturado com fio absorvível.

“Quando os grandes lábios estão murchos indica-se enxerto de gordura. Apesar destes problemas serem comuns, a maioria das mulheres não se sente à vontade em falar sobre o assunto ou não sabe a quem recorrer. No entanto, são situações de resolução simples, com grande grau de satisfação e melhora da auto estima”, afirma  Bárbara Machado, membro especialista e titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica  e professora assistente dos cursos de Pós-Graduação Médica pela PUC-Rio.

Em alguns casos, porém, a correção de alguns problemas que abalam a autoestima da mulher pode ser obtida com tratamentos no consultório médico, por meio de tecnologia que utiliza laser. São os casos de atrofia vulvovaginal, ressecamento vaginal e combate à incontinência urinária, incômodos muito comuns na fase pós-menopausa e que atrapalham consideravelmente a vida sexual feminina.

“Procedimentos a laser têm alta taxa de sucesso e satisfação de pacientes, pois são indicados para graus leves a moderados de incontinência urinária e atrofia genital. Utilizando um espéculo especial e duas  ponteiras  adequadas  para a região, o aplicador dispara os feixes do laser em toda a extensão do canal vaginal”, explica a ginecologista Valéria Guerra.

Atrofia vulvovaginal

A atrofia vulvovaginal é a situação cujos tecidos vulvovaginais tornam se finos, delgados e frágeis. Isso causa desconforto, dor na relação sexual, odor vaginal e problemas secundários como infecção urinária. O tratamento da atrofia deve ser individualizado. Por exemplo, é possível recorrer a hormonioterapia e alcançar bons resultados, porém, essa maneira de amenizar o problema já se torna impeditiva em mulheres com risco de neoplasias, especialmente  o câncer de mama. Em casos assim, o laser se destaca como única alternativa aceitável.

Ressecamento vaginal

Já o ressecamento vaginal é outro transtorno muito comum, principalmente quando os hormônios femininos se esgotam definitivamente como na menopausa e nos distúrbios de tireóide ou de forma temporária durante o período pós parto e de lactação. “A terapia a LASER pode então ser indicada isolada ou associada a medicamentos intravaginais como promestriene, estriol, etc. As sessões de LASER vaginal são de duas a três com intervalos de seis semanas e podem ser sugeridas manutenções anuais. As pacientes gostam muito desse efeito em especial as que já haviam tido insucessos terapêuticos em outros tratamentos”, cita a ginecologista.

Incontinência urinária

A incontinência urinária também acomete algumas mulheres e possui múltiplas causas. De acordo com a médica, um estudo detalhado dos motivos que  levam  a perder urina deve  ser  instituído nas pacientes com os sintomas. Se constatado problema neurológico, chamada de bexiga hiperativa, requer tratamento clínico, com medicamentos. Existe ainda a perda de urina por motivos anatômicos como lesão de tecidos de sustentação da bexiga por partos vaginais. Nesse caso o tratamento será cirúrgico. Porém, existe ainda uma terceira possibilidade que estimula o colágeno ao redor da uretra e nos pilares da bexiga. “Nesse último o laser entra como excelente coadjuvante e soma-se às técnicas cirúrgicas consagradas para aumentar sua eficiência. Com disparos efetuados em sequência, a uretra torna-se mais eficiente, sem causar extravasamentos”, explica Valéria.

cirurgia-intima

Tratamentos focados em estética

Clareamento – Além dos tratamentos focados na saúde íntima feminina,  existem os tratamentos focados na parte estética. Em algumas mulheres, a virilha e a região genital apresentam uma coloração escura, depois de partos, após uso de suplementos esportivos ou após depilação com cera. Essa situação pode muitas vezes constranger as mulheres, que sentem vergonha ao frequentar praias e piscinas. O laser genital pode executar o clareamento, especialmente em associação com peelings e luz pulsada. Também pode eliminar lesões indesejáveis verrugas ou pequenos tumores vasculares.

Rejuvenescimento – Também na lista de tratamentos íntimos estéticos a laser está o rejuvenescimento vaginal. Muito valorizado pelas pacientes entre 30 e 40 anos, processo devolve a autoestima.  Outro grupo que procura a médica é  a mulher  portadora de Síndrome  do Alargamento Vaginal. Mesmo sem ter parto vaginal, a flacidez impede o relacionamento sexual prazeroso. Mulheres que se recuperam de cirurgia bariátrica, por exemplo, são muito acometidas. “Elas passam por muita perda de peso e conseqüentemente flacidez. É muito gratificante  trazer a normalidade, elas ficam  muito agradecidas”, diz a Dra.

Saiba mais sobre os métodos a laser

De acordo com a ginecologista Valéria Guerra, a tecnologia Laser Athena é considerada um procedimento minimamente invasivo, que não requer anestesia, é seguro, rápido e fácil. “O calor do laser promove aumento das células e estimula a produção de colágeno. Dependendo do grau da atrofia, estabelecemos o número de sessões. Serão sempre em maior quantidade, quanto mais tempo de instalação da atrofia”, comenta a médica.

“O laser genital é um procedimento de baixa incidências de complicações, indolor para a maioria e realizado em ambiente de consultório, dispensando internação ou anestesia. O que  é  muito relevante  em mulheres  idosas,  portadoras de doenças crônicas com contra-indicações anestésicas ou cirúrgicas”, conta Valéria.

BTL Íntima – Atenta à demanda crescente por rejuvenescimento vaginal, a BTL Brasil acaba de trazer para o Brasil o BTL Intima,  tratamento de modelagem labial não invasivo do mercado e que proporciona resultados clínicos visíveis, com conforto e segurança. O BTL Intima traz a exclusiva tecnologia de radiofrequência que consegue aquecer a região íntima em curtíssimo período de tempo, de forma uniforme e controlada.

A noa técnica age diretamente no tecido externo da vagina, com um aquecimento que não gera faíscas nem picos de energia. Com isso, de acordo com o fabricante, o médico consegue controlar o calor sentido pela paciente e, ao mesmo tempo, entregar a potência máxima do aquecimento, garantindo resultados eficazes e seguros. A paciente já consegue ver os resultados na primeira sessão.

“O BTL Intima é indicado para rejuvenescer e remodelar os grandes lábios, assim como tonificar a musculatura da região vaginal. O tratamento é feito em cerca de quatro sessões, duas vezes por semana. Entre as vantagens do BTL Intima estão a rapidez do tratamento, que dispensa a necessidade de intervenção cirúrgica, e o fato de tratar sem dor e sem cortes. Ao longo das sessões, a paciente pode seguir normalmente suas atividades. O tratamento é indicado para todos os tipos de pele, inclusive peles negras”, informa a empresa.

Laser Athena – A tecnologia Laser Athena, da plataforma brasileira ETHEREA-MX®, realiza o procedimento que restaura a espessura da parede vaginal e da vulva. Athena incorpora um procedimento minimamente invasivo que, aliado a um método de tratamento revolucionário que promove a melhoria da saúde da mulher, atua com precisão, segurança e eficácia.

O equipamento emite laser fracionado Er:YAG 2940 nm, o que permite que a aplicação seja amplamente controlada pelo médico, entregando a energia de forma muito mais precisa na mucosa íntima, pequenos/grandes lábios e região da virilha. Deve ser aguardado um período de 30 dias entre as seções para que o estímulo térmico nos tecidos se manifeste em forma de espessamento da mucosa e produção de colágeno e elastina. Em até 7 dias após a aplicação a paciente já pode voltar a ter relações sexuais.

Monalisa Touch – Um novo tratamento à laser, sem os efeitos colaterais das terapias hormonais, concebido e disponibilizado pelos laboratórios italianos da Dela Lasers e oferecido no Rio pela Renewmed, em Ipanema. Graças à sua segurança, e por ser minimamente invasiva, a interação da luz laser com as paredes vaginais, reativam o metabolismo das células atróficas, estimulando a produção de colágeno, facilitando e reparação da fisiologia genital. MonaLisa Touch não produz efeitos colaterais, é rápido (como a coleta de uma exame de Papanicolau), indolor, sem a necessidade de anestesia.

O tratamento para rejuvenescimento vaginal MonaLisa Touch atua de modo a amenizar os efeitos que a atrofia vaginal causa em algumas mulheres, para tanto, o médico deve ser procurado para que, sem constrangimentos, o caso possa ser relatado e, posteriormente, tratado. Uma pesquisa da Universidade de Pavia, na Itália, aponta que a técnica terapêutica Monalisa Touch ameniza problemas do climatério como falta de elasticidade e umidade, proporcionando uma vida sexual mais ativa.assim como sanar uma série de problemas oriundos da menopausa, como também outros tantos ..na área da saúde intima  feminina

Da Redação, com assessorias