Cloroquina para tratar covid-19 pode levar a morte súbita

Mayo Clinic, nos EUA, alerta para uso off-label da hidroxicloroquina e outros medicamentos que podem causar arritmia cardíaca

Redação

O SARS-CoV-2, o vírus que causa a covid-19, continua a se espalhar e esforços estão progredindo para desenvolver uma vacina para a doença respiratória, mas é provável que isso ainda leve de 12 a 18 meses. Enquanto isso, a pandemia está levando os pesquisadores a encontrar terapias seguras e eficazes para pacientes com a síndrome respiratória grave causada pelo novo coronavírus.

Um medicamento contra a malária se encontra potencialmente na linha de frente desse esforço. Enquanto drogas novas e reaproveitadas  estão sendo testadas em testes clínicos, algumas dessas drogas promissoras são simultaneamente usadas off-label para uso compassivo no tratamento de pacientes.

Um estudo publicado na Mayo Clinic Proceedings detalha mais informações sobre possíveis perigos e a aplicação do monitoramento Intervalo do QTc para orientar o tratamento ao usar medicamentos que podem causar alterações no ritmo cardíaco.

Identificar corretamente quais pacientes são mais suscetíveis a esse efeito colateral indesejável e trágico e saber como usar com segurança esses medicamentos é importante para neutralizar essa ameaça”, diz Michael J. Ackerman, MD, Ph.D., cardiologista genético e diretor do Programa Compreensivo de Morte súbita cardíaca Windland Smith Rice,  da Mayo Clinic.

Segundo ele, os medicamentos antimaláricos cloroquina e hidroxicloroquina, bem como os medicamentos para HIV lopinavir e ritonavir, todos apresentam um risco conhecido ou possível de arritmias ventriculares induzidas por medicamentos e morte súbita cardíaca. Antes de iniciar o tratamento com esses medicamentos, é importante obter um ECG de linha de base para poder medir as alterações.

Sociedade de Arritmias Cardíacas alerta

Em nota, a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac) informou que a cloroquina é um importante medicamento antimalárico utilizado especialmente para o tratamento de doenças reumatológicas e tem sido divulgada como tratamento promissor da covid-19.

Embora bastante seguro em doses habituais, há risco de efeitos colaterais graves relacionados à retina, alterações neurológicas e arritmias cardíacas potencialmente graves, que pode aumentar o risco de morte. A associação de cloroquina com outros medicamentos pode aumentar ainda mais o risco de efeitos adversos”, diz a nota.

Por isso, o uso de cloroquina deve ser feito apenas com a prescrição médica e o médico prescritor deve fornecer orientações acerca do seu uso seguro e rotinas de acompanhamento.

Mais sobre o estudo da Mayo Clinic

Alguns dos medicamentos usados para tratar a covid-19 causam prolongamento do Intervalo do QTc induzido por drogas em algumas pessoas. “O Intervalo do QTc é um indicador da saúde do sistema de recarga elétrica do coração. Pacientes com um Intervalo do QTc perigosamente prolongado apresentam risco aumentado de anormalidades do ritmo ventricular potencialmente fatais que podem culminar em morte súbita cardíaca”, diz a nota.

A hidroxicloroquina é um medicamento preventivo e vem sendo usado há muito tempo para a malária. Também é usado para gerenciar e minimizar os sintomas de doenças imunológicas inflamatórias, como lúpus e artrite reumatóide. Em testes de laboratório, a hidroxicloroquina pode impedir que os vírus SARS-CoV e SARS-CoV-2 se conectem e entrem nas células. Se essas habilidades antivirais funcionarem da mesma maneira em animais e humanos, o medicamento poderá ser usado para tratar pacientes e limitar o número de mortes por covid-19.

A nível celular, potenciais medicamentos que prolongam o Intervalo do QTc, como a hidroxicloroquina, bloqueiam um dos canais críticos de potássio que controlam o sistema de recarga elétrica do coração. Essa interferência aumenta a possibilidade de que o ritmo cardíaco possa se degenerar em batimentos cardíacos erráticos perigosos, resultando em morte súbita cardíaca.

Consequentemente, os cardiologistas e médicos-cientistas da Mayo Clinic forneceram orientações urgentes sobre como usar um eletrocardiograma (ECG) de 12 derivações, telemetria ou eletrocardiograma móvel habilitado para smartphone para determinar o Intervalo do QTc do paciente como um sinal vital para identificar os pacientes com maior risco e como finalmente minimizar a chance de morte súbita cardíaca induzida por drogas.

No momento, é o Oeste Selvagem lá fora, variando de não fazer nenhuma vigilância do Intervalo do QTc e aceitar esse potencial efeito trágico potencial como parte do ‘fogo amigo’ ou que técnicos de ECG entrem na sala de um paciente com COVID-19 diariamente, expondo-se ao coronavírus e consumindo equipamentos de proteção individual “, diz Ackerman.

Diretrizes para monitoramento do Intervalo do QTc

Essa medição do ponto de partida pode ser de um ECG padrão de 12 derivações, telemetria ou dispositivo móvel de ECG habilitado para smartphone. Na segunda-feira, 20 de março, o ECG móvel Kardia 6L da AliveCor tornou-se o único dispositivo móvel aprovado pela Food and Drug Administration (FDA)  para monitoramento de Intervalo do QTc com covid-19.

A capacidade do dispositivo móvel de fornecer remotamente o ritmo cardíaco do paciente e o valor do Intervalo do QTc não requer que um técnico de ECG extra faça a medição pessoalmente, poupando assim maior exposição ao COVID-19 e a necessidade de mais equipamentos de proteção individual. Usando o algoritmo desenvolvido pelo doutor Ackerman e colegas, o risco potencial de arritmias induzidas por medicamentos pode ser classificado e usado para modificar o tratamento de conforme o caso.

Por exemplo, pacientes com um valor inicial de Intervalo do QTc maior ou igual a 500 milissegundos e aqueles que experimentam uma reação aguda de Intervalo do QTc com um Intervalo do QTc maior ou igual a 60 milissegundos da linha de base após o início do tratamento com um ou mais fármacos que prolongam o Intervalo do QTc, têm maiores risco de arritmias induzidas por medicamentos.

Contramedidas simples de Intervalo do QTc podem ser implementadas para pacientes com um status de alerta do Intervalo do QTc , caso seja tomada a decisão de prosseguir com as terapias pretendidas para tratar o COVID-19.

Informações orientam decisões

Há uma série de considerações sobre o uso de medicamentos off label para tratar o COVID-19. Os medicamentos podem ou não estar disponíveis em quantidade suficiente para tratar uma pandemia mundial, mesmo no estágio atual de uso compassivo dos testes.

Será necessária uma análise cuidadosa das circunstâncias dos pacientes com COVID-19 para que os clínicos e pacientes em tratamento decidam sobre o uso de medicamentos ou combinações de medicamentos que podem tratar sua infecção, mas que potencialmente podem causar efeitos colaterais induzidos por drogas.

Segundo Ackerman, pacientes com menos de 40 anos com sintomas leves e um Intervalo do QTc maior ou igual a 500 milissegundos podem optar por evitar o tratamento por completo, pois o risco de arritmia pode exceder em muito o risco de desenvolver a síndrome do desconforto respiratório agudo relacionado ao COVID-19.

No entanto, em pacientes COVID-19 com um Intervalo do QTc maior ou igual a 500 milissegundos com piora progressiva dos sintomas respiratórios ou com maior risco de complicações respiratórias devido à idade avançada, imunossupressão ou outra condição de alto risco, o benefício potencial de medicamentos que prolongam o Intervalo do QTc podem exceder o risco de arritmia.

Por fim, a ponderação dos riscos para os benefícios depende se a hidroxicloroquina, com ou sem azitromicina, é realmente um tratamento eficaz contra a covid-19.

Se assim for, esperamos que essa estratégia simples de vigilância do Intervalo do QTc, possibilitada pela inovação e pela aprovação de emergência do FDA, ajude a prevenir ou pelo menos minimizar significativamente as arritmias ventriculares induzidas por medicamentos e a morte súbita cardíaca, principalmente se o tratamento for amplamente adotado e usado para tratar o COVID-19 “, diz Ackerman.

Veja o estudo completo