Como ajudar os idosos a manter a mente ocupada na quarentena

Idosos precisam seguir orientações e se manterem em isolamento social. Para psicóloga, é preciso criar rotina para que idoso não fique desmotivado e ocioso

Redação

Com a prorrogação da quarentena em muitos estados, familiares ainda têm dúvidas sobre como minimizar os efeitos do isolamento e manter os idosos em casa, sem risco de contaminação da Covid-19. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), pessoas acima de 60 anos com câncer, diabetes, hipertensão, doenças cardíacas e outras comorbidades são classificadas como grupos de risco devido à pandemia do novo coronavírus.

Para a psicóloga Marcia Pin, do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo (HSPE), que atua há 15 anos diretamente no campo da gerontologia, o idoso precisa ser inserido na tomada de algumas decisões. “Não deixar que a pessoa sinta que está perdendo a autonomia e a independência ajuda durante este período de isolamento”, adverte. “O idoso está privado de ir até mesmo ao mercado. Por isso, perguntar o que ele deseja comer ou se precisa de algum alimento específico são simples atitudes que podem fazer a diferença”, conclui.

É preciso criar uma rotina para que o idoso não fique desmotivado e ocioso. “Uma vez que não devemos sair de casa sem uma real necessidade, é importante estabelecer algumas rotinas, manter o horário de acordar, o autocuidado, a vaidade e aproveitar este momento para novos aprendizados”, argumenta Marcia.

Mauricio Ventura, diretor técnico do Serviço de Geriatria do HPSE, afirma que os idosos precisam seguir as orientações dos órgãos de saúde e se manter em isolamento social. É importante incentivá-los também a manter uma dieta balanceada, com alimentos ricos em vitaminas e proteínas, que ajudam a fortalecer o sistema imunológico, tornando-se uma aliada na prevenção de doenças.

A implementação de atividades diárias vai variar de acordo com cada caso, mas a melhor forma de evitar que o idoso escape para um passeio ao ar livre é conscientizá-lo da gravidade da pandemia da Covid-19. Porém, vale destacar que o idoso não deve ser tratado com uma criança, pois esse sentimento fará com que ele se sinta em desvantagem e não siga as recomendações de ninguém”, destaca o especialista.

Dicas para manter a mente ocupada

Os especialistas do HSPE também listaram várias dicas de atividades que vão quebrar o tédio da quarentena.

– Atividades manuais: a costura mantém o idoso entretido, estimula a criatividade e a coordenação motora. O idoso que souber costurar poderá confeccionar máscaras e presentear familiares e amigos. A família também pode ajudá-lo a adquirir moldes para confecção de roupas para doação ou criar peças em crochê;

– Culinária: testar novas receitas ou fazer aquele prato antigo que traz bonitas memórias da infância ou reuniões de família;

– Games: jogos de raciocínio, como palavras-cruzadas, funcionam como estimulantes para o cérebro. O mesmo vale para jogos eletrônicos que podem ser baixados no smartphone ou tablet;

– Organização: idoso pode aproveitar este período para arrumar aquela gaveta com papéis e documentos antigos ou mesmo apostar na redecoração de alguns ambientes, desde que haja supervisão;

– Incentivo à leitura: adquirir novos títulos ou acessar obras literárias liberadas para download, histórias em quadrinhos, revistas ou jornais;

– Cursos online: há uma infinidade de cursos que incluem desde o cultivo de plantas ornamentais até aqueles de culinária avançada;

– Contação de histórias: criar um canal no YouTube ou IGTV (Instagram) para contar histórias divertidas e inspiradoras para crianças ou incentivar jovens e adultos a realizarem seus sonhos, respeitando os limites da quarentena;

– Exercícios físicos: para aqueles que já possuíam o hábito de caminhar, se exercitar com pesos leves ou exercícios abdominais podem e devem manter a rotina. Porém, se o idoso não praticava nenhum tipo de exercício, neste momento e sem supervisão, não é recomendado começar a realizar atividades físicas, pois pode causar lesões, quedas, fazendo com que necessite ser hospitalizado;

– Criar scrapbook com fotos antigas: dar uma nova roupagem para as fotos antigas é uma maneira de passar o tempo e ainda relembrar bons momentos;

– Programas de TV ou rádio: para evitar esquecimentos, vale também criar uma lista com os programas preferidos, como séries, novelas e filmes de interesse para que ele crie uma rotina e se divirta durante este período de isolamento social;

– Realizar chamadas de vídeo ou telefônicas: conversar com os familiares, incluindo os netos, ajuda a minimizar os efeitos da solidão que a quarentena pode provocar. Um vídeo do neto e dos filhos, um áudio ou até mesmo uma foto fará com que a pessoa em isolamento se sinta amada;

– Escrever: colocar no papel a história de vida pode até chegar a parar nas prateleiras das livrarias. Todo mundo tem boas histórias e os idosos podem compilá-las para contar para os netos ou pessoas próximas;

– Meditar: há diversos vídeos no YouTube que ajudam a entrar em estado meditativo. Incluir na rotina sessões de meditação pode contribuir para a saúde física e mental.

Onde buscar apoio

Veículos de comunicação e entidades devem reforçar as informações de forma precisa e clara a respeito dos riscos dos idosos que burlam a quarentena. O convencimento é um processo de longo prazo e o apoio da família é fundamental neste momento.

Para aquele idoso que tem dificuldade com recursos tecnológicos, uma alternativa é o blog Conviver e Conectar, que oferece diversos tutoriais para que ele possa criar perfis nas redes sociais, realizar download de aplicativos, entre outras ações.