‘Deu match?’ Use camisinha nesse Carnaval e se previna das ISTs

Este é o lema da campanha de prevenção a infecções sexualmente transmissíveis no Carnaval carioca. 700 mil preservativos são distribuídos

Com o slogan “Deu match? Use camisinha”, a Prefeitura do Rio de Janeiro inicia nesta quarta-feira (20) a campanha de prevenção às infecções sexualmente transmissíveis (ISTs, antes conhecidas como DSTs), durante o Carnaval 2022.  A ação irá distribuir 700 mil preservativos e informativos sobre outros métodos de prevenção, como PrEP (Profilaxia pré-exposição) e PEP (Profilaxia pós-exposição), no Sambódromo, no Terreirão do Samba, na Praça Onze, e em festas privadas em toda a cidade.

Além de conscientizar sobre riscos à saúde oferecidos pelas ISTs, a iniciativa visa a minimizar a resistência à testagem e ao uso dos preservativos e de outros métodos de prevenção, que são disponibilizados gratuitamente nas clínicas da família e centros municipais de saúde ao longo de todo o ano.

Entre eles, está a PEP, combinação de medicamentos que deve ser tomada após episódios de relação sexual desprotegida ou de violência sexual, com o objetivo de impedir a infecção pelo vírus HIV. Para funcionarem, os comprimidos precisam ser tomados em até 72 horas após o ato sexual.

Campanha ‘Deu Match: Use Camisinha’ no Carnaval 2022 distribuirá 700 mil preservativos (Imagem: Divulgação)

Ajuda para derrubar estigmas em torno da saúde sexual

O trabalho nas ruas começa nesta quarta (20), primeiro dia dos desfiles das escolas de samba na Sapucaí, e vai até o sábado (23). No sábado seguinte (30), Desfile das Campeãs, os 16 agentes voltam ao Sambódromo para levar a conscientização sobre as ISTs.

Contratada por meio de um processo seletivo que contou com mais de mil inscritos, a equipe é formada por pessoas de todos os gêneros e orientações sexuais, com a finalidade de quebrar estigmas relacionados à saúde sexual e garantir que o maior número possível de pessoas seja alcançado.

A campanha é comandada pela Secretaria Municipal de Governo e Integridade Pública, por meio da Coordenadoria Executiva da Diversidade Sexual, e pela Superintendência de Promoção da Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Hoje todo mundo é grupo de risco

O coordenador executivo da Diversidade Sexual, Carlos Tufvesson, explica que, durante o Carnaval, é comum que o cidadão se empolgue e deixe a saúde em segundo plano, mas isso não pode acontecer. “Usar camisinha, fazer o teste e se proteger é um ato de amor por si mesmo e pelo próximo. Com essa campanha, o Rio volta a realizar um trabalho de prevenção nas ruas durante a folia”, destaca.

Ele lembrou que a estimativa do Ministério da Saúde em 2019 era de que cerca de 135 mil brasileiros viviam com HIV/Aids sem saber que estavam infectados. “Queremos lembrar à população que não existe grupo de risco, mas sim comportamento de risco, e que toda pessoa sexualmente ativa deve se testar a cada seis meses”, acrescentou.

“As infecções sexualmente transmissíveis são doenças de relevância em saúde pública, que não estão restritas a grupos específicos, mas podem atingir a toda a população, com consequências graves. E a melhor forma de combater as ISTs é orientando as pessoas sobre os métodos de prevenção”, diz o secretário municipal de Saúde, Rodrigo Prado.

Combate à LGBTIfobia: saiba como denunciar

Para Tony Chalita, Secretário de Governo e Integridade Pública, a campanha é uma iniciativa importante para promover a saúde e orientar o cidadão sobre como evitar o contágio de infecções sexualmente transmissíveis durante o Carnaval.

“Além disso, é uma grande oportunidade para reafirmarmos ações e políticas de combate à discriminação e intolerância racial e sexual. Nos dias da campanha, os agentes públicos envolvidos na ação também instruirão os foliões sobre o que fazer caso sejam vítimas de LGBTIfobia ou outro tipo de discriminação”, diz.

Em caso de denúncias, o boletim de ocorrência pode ser feito em qualquer delegacia do município, que conta com uma especializada: a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), situada na Rua do Lavradio, no Centro.

Caso necessite, o folião também pode acionar a Prefeitura por meio da Central de Atendimento 1746 — via aplicativo, WhatsApp (3460-1746), telefone, Facebook/ Messenger (Central 1746) — ou pelo telefone da Coordenadoria Executiva da Diversidade Sexual (21 2976-9138).

Da Ascom da SMS-Rio, com Redação

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais