Dicas para salvar a pele dos estragos causados pelo cigarro

Dermatologista explica os efeitos da nicotina na pele e mostra que, além de alimentação e filtro solar, há tratamentos que ajudam a recuperar os danos causados pelo tabagismo

Redação
cigarro-envelhece-a-pele Pesquisas indicam que quem fuma tem a pele com aparência envelhecida em pelo menos dois anos e meio (Fofo: Reprodução de internet)

Não bastasse os sérios danos que o cigarro causa à saúde, o prejuízo estético é incalculável. O cigarro já é considerado o principal causador de rugas profundas no rosto, especialmente nas mulheres. Pesquisas recentes mostram que a nicotina aumenta a produção de uma enzima que destrói as fibras as fibras de colágeno, conhecida como metaloproteinase.

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Nagoya (Japão) verificou uma queda de 40% na produção do colágeno quando adicionada fumaça de cigarro a fibroblastos (células da pele que produzem o colágeno). Sem ele, a pele perde a elasticidade, acelerando o processo de envelhecimento precoce.

A nicotina também bloqueia as ligações cruzadas da elastina (proteína fibrosa e elástica presente na pele), reduz à lubrificação cutânea e os níveis de vitamina A (antioxidante que combate os radicais livres). E o que é pior: diminui o calibre dos vasos sanguíneos que irrigam o tecido cutâneo, prejudicando a oxigenação das células.

“Além do envelhecimento da pele, na área dermatológica o tabagismo predispões a uma série de consequencias como má cicatrização de feridas, cancer de pele, acne, psoríase, desidratação (ressecamento), e queda de cabelo”, explica Gabriella Albuquerque, da Sociedade de Dermatologia do Rio de Janeiro.

Dentre os efeitos do tabagismo para o envelhecimento cutâneo está a vasoconstrição, diminuição da umidade do estrato córneo, aumento da produção de metaloproteinases e de radicais livres, e a formação de rugas e linhas proeminentes. “A pele do fumante apresenta-se ainda, precocemente envelhecida, com rugas e linhas proeminentes, flacidez e pigmentações amareladas, avermelhadas ou acinzentadas”, informa a dra. Gabriella.

Alguns estudos mostram que as mulheres apresentam um risco de envelhecimento precoce, pelo cigarro, maior do que os homens porque a nicotina interfere no fluxo de estrógeno (hormônio atuante na síntese do colágeno e da elastina) para a pele.

Segundo a dra. Gabriella, apenas um cigarro, já é capaz de reduzir o nível de oxigênio na pele em cerca de uma hora.  Imagina quem fuma um maço inteiro? . O sol agride, mas os estragos do cigarro ainda são maiores.  Em geral, o tabaco age de forma semelhante aos mecanismos do fotoenvelhecimento.

Não podemos esquecer que o cigarro é constituído por aproximadamente 4.700 substâncias tóxicas diferentes, como monóxido de carbono, amônia, cetonas, formaldeído, acetaldeído, acroleína, nicotina e alcatrão. Sem dúvida informar a população e desenvolver campanhas é o melhor caminho para evitar os efeitos danosos do fumo.

Dicas para minimizar os danos causados pelo cigarro

  1. Neste Dia Nacional de Combate ao Fumo (29/08), ela faz um alerta sobre os danos do fumo na pele e mostra algumas dicas que ajudam a combater o problema.
  2. Alimentação: Os antioxidantes são moléculas de carga positiva que anulam a ação de oxidação dos radicais livres. E eles estão mais ao alcance do que se imagina: nos alimentos. Estudos mostram que uma alimentação rica em frutas, legumes, vegetais, hortaliças e cereais garantem uma boa proteção contra os radicais livres e ainda reduzem consideravelmente o risco de envelhecimento precoce.
  3. Filtro solar: Pessoas que passam a fazer uso de protetor solar diariamente têm, após um período de quatro anos, uma chance 24% menor de apresentar sinais visíveis de envelhecimento da pele causado pelo sol em comparação às que não se protegem adequadamente.
  4. Bioestimuladores de colágeno injetável: São substâncias biocompatíveis e biorreabsorvíveis que quando aplicadas na pele produzem reação inflamatória que estimula o aumento na produção das fibras de colágeno.

O tratamento é injetável e pode ser realizado no abdome, glúteo, braços e pernas com o objetivo de melhorar a flacidez e a firmeza da pele. Os mais eficazes são o ácido polilático, a hidropaxiatia de cálcio, e mais recentemente, a policaprolactona.

  1. Laser Fotona: Trata-se de um grande aliado em procedimentos para rejuvenescimento de diversas áreas do corpo. De forma não invasiva e segura, o laser promove a melhora da textura da pele, estimulando a produção de colágeno, enquanto reverte danos causados pelo sol.
  2. Tratamento anti-idade: Métodos caseiros como o uso de cremes noturnos com fator de crescimento, ou seja, à base de proteína, suplementação de ácido hialurônico ou de colágeno hidrolisado minimizam os efeitos colaterais da liberação de radicais e auxiliam na regeneração da pele.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.