Festas juninas: quando a tradição vira dor de cabeça

Especialistas alertam para o perigo da manipulação dos fogos nesta época do ano. Confira 5 cuidados para evitar acidentes com crianças

‘O balão vai subindo. Vem caindo a garoa. O céu é tão lindo. E a noite é tão boa! São João! São João! Acende a fogueira, no meu coração’. Todo mundo que já foi criança um dia sabe. E muitos viram crianças de novo quando chega junho. Festa junina exerce um fascínio no imaginário popular. Mas é bom ter cuidado: o número de acidentes com fogos de artifício, rojões e bombas triplica nesta fase.

E é justamente as crianças as principais vítimas de acidentes com os artefatos barulhentos que ajudam a animar os festejos, segundo dados da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (Sbot).  De acordo como Núcleo de Trauma do Hospital Samaritano de São Paulo, no período de festas juninas e julinas aumenta em 25% o volume de acidentados que chegam ao pronto-socorro.

“Desses, 70 % são crianças e que, na maioria das vezes, vão ficar com sequelas para o resto da vida”, explica o coordenador Diogo Garcia. Segundo ele, entre os traumas mais comuns estão: amputação de membros, comprometimento da visão e perda parcial dos movimentos (lesão nos tendões).

O manuseio inadequado de inflamáveis pode resultar em queimaduras capazes de se tornar incômodos e dolorosos transtornos para todo o ano. O uso indiscriminado de inflamáveis, fogos de artifícios e bombinhas por adulto e crianças pode provocar queimadura de 1° grau, 2° grau superficial e profunda e 3° grau.

As principais sequelas são cicatrizes, manchas permanentes e até mesmo amputações de membros. No caso das queimaduras mais graves, geralmente causadas pelos fogos de artifícios nestas festas, o ferimento pode ser tão profundo que atinja o músculo, necessitando de enxerto.

Na pele, os fogos de artifícios produzem dois tipos de danos. O primeiro dano é o térmico, expresso pela queimadura, como um resultado da explosão, do calor”, explica Flávio Luz, presidente da Sociedade de Dermatologia do Rio de Janeiro. O segundo dano é a própria implantação acidental dos fogos ou de fuligem dos fogos na pele.

Danos também aos ouvidos

Os artefatos também são um perigo para os ouvidos e podem causar danos irreversíveis à audição. Além dos riscos com a manipulação incorreta dos fogos, o som muito forte produzido por alguns deles pode acarretar uma perda auditiva severa, um trauma acústico com perda de audição uni ou bilateral, temporária ou – nos casos mais graves – irreversível.

“O grande problema é a intensidade do barulho dos fogos, em especial do rojão”, afirma a fonoaudióloga Isabela Carvalho, da Telex Soluções Auditivas. Segundo ela, a perda auditiva acontece porque o estrondo dos fogos, principalmente dos rojões, é inesperado. O forte ruído, que pode chegar a uma intensidade de 140 decibéis, percorre todo o ouvido de forma rápida, atingindo as células da cóclea.

“Para se ter uma ideia do quão forte é esse barulho, um avião durante a decolagem produz um som de 130dB”, compara a especialista em audiologia.

As células do ouvido envelhecem, morrem e não há reposição. Mas, pior do que isso, é a perda de audição que vem ocorrendo, cada vez mais cedo, por causa da exposição contínua a sons elevados, como o dos rojões, por exemplo.

Estima-se que 10% da população mundial têm algum grau de perda auditiva. Geralmente a perda de audição é unilateral (em um único ouvido) e se inicia com o aparecimento imediato de zumbido, problema que afeta cerca de 28 milhões de pessoas em todo o mundo.

ViDA & Ação selecionou algumas dicas destes especialistas para aproveitar as festas com segurança. Pais e responsáveis devem ficar bastante atentos para evitar acidentes com crianças, principalmente queimaduras. Confira também cinco dicas preparadas pela Oscip Criança Segura, dedicada à prevenção de acidentes com crianças e adolescentes de até 14 anos.

 

5 cuidados para evitar acidentes com crianças

1. Soltar balão, além de muito perigo, é crime!
No Brasil, soltar balão é considerado crime ambiental, passível de pena de até três anos de detenção e o pagamento de multa. Isso porque essa prática pode resultar em acidentes graves, como incêndios de grandes proporções em matas e até mesmo bairros ou, ainda, acidentes com aeronaves tribuladas. Por isso, nunca solte balão e, caso presencie outra pessoa exercendo essa prática, denuncie para a polícia pelo telefone 190 ou pelo disque denúncia, 181.
2. Cuidado com as comidas e bebidas quentes
Do momento do preparo até a hora de servir: cuidado com alimentos e bebidas quentes. Não deixe as crianças brincarem na cozinha enquanto prepara as comidas típicas das festas. Lembre-se sempre de deixar o cabo das panelas virado para dentro do fogão e, se possível, não use toalhas compridas nas mesas onde os alimentos ficarão. Crianças são muito curiosas e, ao tentarem ver o que há em uma panela no fogo ou ao se apoiarem nas toalhas de mesa, as comidas e bebidas quentes podem virar em cima delas e causar graves queimaduras.
3. Atenção com as fogueiras
Nesse tempo frio, nada mais gostoso do que uma fogueira para esquentar a festa toda! Mas, preste muita atenção nas crianças. Não as deixe chegar perto da fogueira desacompanhadas. Além disso, deixe materiais inflamáveis, como álcool, fósforo e bombinhas, longe do alcance dos pequenos e do fogo.
4. Nunca deixe as crianças soltarem fogos de artifício
Não permita que as crianças fiquem perto de onde irá ocorrer a queima de fogos de artifício e nunca as deixe soltá-los. Esse tipo de material é muito perigoso e só deve ser manipulado por profissionais.
5. Oriente as crianças a terem cuidado com bombinhas e estalinhos
Ensine as crianças como elas podem brincar de forma segura com bombinhas e estalinhos, evitando estourá-los perto de outras pessoas ou de objetos que podem se quebrar e soltar estilhaços, como garrafas de vidro e latas de refrigerantes. Explique às crianças que elas não devem carregar esse tipo de objeto nos bolsos, pois eles podem acidentalmente explodir e provocar uma queimadura grave. Avise-as, também, para não brincarem com bombinhas e estalinhos perto de fogo ou de objetos inflamáveis.

1o dicas para curtir as festas com segurança

– Jamais deixem crianças e demais pessoas com limitação física e de reflexo próximos a quem está manuseando os artefatos. É questão de segundos para que o acidente aconteça e as consequências podem ser graves.

– A orientação é levar imediatamente a pessoa para o Pronto-Socorro. “Não faça e nem coloque nada no local lesionado. Pasta de dente, borra de café, açúcar, tomate e outras receitas são mitos e pioram o quadro. No máximo deve-se lavar a região com água corrente e procurar atendimento especializado o mais rápido possível

– Em caso de exposição a um impacto sonoro muito forte, o mais indicado é procurar um médico otorrinolaringologista, para avaliar se o dano auditivo causado pelos fogos é temporário ou irreversível

– Para evitar que o ouvido seja afetado, o ideal é manter-se distante do local da queima de fogos. Se for inevitável ficar próximo aos fogos, é aconselhável o uso de protetores de ouvido.

– Se a pessoa estiver nestas áreas, é importante que se afaste o máximo possível ou use protetores de ouvido, conhecidos como atenuadores. Eles reduzem o volume excessivo, mas quem usa não deixa de ouvir o som ambiente

– Na hora de se lançar os fogos de artifícios,  use  proteção nas mãos e que mantenha o rosto sempre virado para o outro lado e protegido. É importante direcionar os fogos sempre pra cima e para um lugar longe de aglomeração

– Em caso de acidentes, é preciso tratar as queimaduras de maneira correta. Procedimentos caseiros populares como passar açúcar, gelo, ovo, manteiga ou pasta de dente no local afetado oferece riscos de agravamento da lesão e/ou de contaminação do ferimento

– O correto é que se lave a queimadura com água corrente e que em seguida se passe um creme cicatrizante especifico ou vaselina

– É fundamental que se procure a ajuda de um profissional da saúde com a aptidão necessária para diagnosticar a gravidade da queimadura e dar início ao tratamento adequado. Evite a exposição dos ferimentos a radiação solar, como forma de coibir a formação de manchas escuras na pele

– No trato da lesão, o próprio curativo cumpre essa função de proteção solar. Outras proteções físicas como o uso de roupa que cubra a lesão também é eficaz. Os usos de pasta d’água ou de protetores de dióxido de titânio são ótimas alternativas.

Da Redação, com Assessorias
1 Comment
  1. […] Festas juninas: quando a tradição vira dor de cabeça […]

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais