Fiocruz vai produzir testes para detectar o Monkeypox

Com aumento de casos suspeitos de Monkeypox, a varíola dos macacos, Fiocruz desenvolve teste molecular e capacita profissionais de 7 países

Diante dos primeiros casos suspeitos do vírus Monkeypox no Brasil, conhecido popularmente como o causador da ‘varíola dos macacos’, a Fiocruz, por meio do Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP), uniu esforços em mais uma iniciativa pioneira e produziu, em apenas uma semana, controles positivos para auxiliar no diagnóstico seguro da doença. Os primeiros reagentes foram entregues à Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), para serem distribuídos em, ao menos, 20 países.

Outra remessa de controles positivos foi distribuída nesta quarta-feira (8/6) aos laboratórios de referência do Brasil, a  pedido da Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública (Secretaria de Vigilância em Saúde/Ministério da Saúde). Elaborado em tempo recorde, esses controles positivos refletem a capacidade nacional de produção de insumos críticos para o diagnóstico.

O controle positivo é um elemento importante que garante a confiabilidade da reação durante a realização do teste molecular (qPCR), impedindo que possíveis erros possam ocorrer e interferir no resultado. O material desenvolvido pelo IBMP é destinado ao uso somente em pesquisa, sob responsabilidade dos laboratórios brasileiros e latino-americanos de referência para controle do vírus Monkeypox.

Material desenvolvido pelo IBMP é destinado ao uso somente em pesquisa, sob responsabilidade dos laboratórios brasileiros e latino-americanos de referência para controle do vírus Monkeypox (foto: Divulgação)
“Utilizamos matéria-prima e nossa expertise no desenvolvimento de kits para diagnóstico, somado ao que está publicado pela literatura científica internacional, para produzir as reações com qualidade e que possibilitem o diagnóstico molecular preciso e seguro do vírus Monkeypox”, explica o gerente de Desenvolvimento Tecnológico do IBMP, Fabricio K. Marchini. 

Primeiros reagentes foram entregues à Opas/OMS para serem distribuídos em, ao menos, 20 países (foto: Divulgação)

Atualmente, são quatro laboratórios no Brasil aptos a realização do diagnóstico da doença: Laboratório de Biologia Molecular de Vírus do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro (LBMV/IBCCF/UFRJ), Laboratório Central de Saúde Pública de Minas Gerais/Fundação Ezequiel Dias (Lacen/Funed-MG), Laboratório Central de Saúde Pública de São Paulo/Instituto Adolfo Lutz (Lacen/IAL-SP) e Laboratório de Referência em Enterovírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

“Essa ação estratégica, iniciada após o aprendizado na cadeia de suprimentos vivenciado na emergência da Covid-19, hoje se materializa no fortalecimento do arranjo produtivo local e amplia a capacidade de resposta nacional frente a emergências de saúde pública. Com isso, damos um importante passo para a autonomia e a independência na produção local de testes de diagnóstico”, destaca a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima.

Fiocruz Rio sedia capacitação internacional da OMS sobre Monkeypox

A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS), o Ministério da Saúde e a Fiocruz promovem, nos dias 9 e 10 de junho, a primeira capacitação para diagnóstico laboratorial do vírus Monkeypox (MPVX) para profissionais de saúde de sete países da América Latina. A iniciativa será ministrada pelo Laboratório de Enterovírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e ocorrerá na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro (Av. Brasil, 4.365 – Manguinhos).

Primeira capacitação para diagnóstico laboratorial do vírus Monkeypox para profissionais de saúde visa contemplar sete países da América Latina (foto: Max Gomes, IOC/Fiocruz)

Com participação de técnicos de institutos nacionais de saúde da Bolívia, Equador, Colômbia, Peru, Paraguai, Uruguai e Venezuela, o treinamento vai discutir os procedimentos de detecção e diagnóstico do patógeno no contexto de preparação e resposta a uma possível emergência sanitária.

Os profissionais participarão de treinamento prático para realização do diagnóstico molecular, baseado na identificação do material genético do vírus, por meio da metodologia de PCR em tempo real (protocolo padrão adotado pela OMS). Os participantes também receberão o material necessário para implementação da metodologia em seus países.

A atividade é promovida tendo em vista o registro de casos de MPVX em diversos países onde a doença não é endêmica, ou seja, onde não havia registro de circulação do vírus. Nesse contexto, a Opas/OMS recomenda que os países assegurem a identificação oportuna dos casos suspeitos, garantindo a coleta de amostras e a implementação de protocolos para detecção molecular em Laboratórios Nacionais de Referência. Todos os casos suspeitos, considerando a avaliação clínica e epidemiológica, devem ser testados.

A abertura do treinamento será realizada na quinta-feira, 9 de junho, às 9h30, no auditório da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. A cerimônia terá participação da presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima; do coordenador de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Fiocruz, Rivaldo Venâncio da Cunha; da diretora do IOC, Tania Araujo-Jorge; do secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Correia; da representante da Opas/OMS no Brasil, Socorro Gross Galiano; e do assessor regional para doenças virais da Opas/OMS, Jairo Mendez.

Na sequência, os objetivos do treinamento, a situação atual da doença e as considerações de biossegurança serão abordados pelo assessor regional para doenças virais da Opas/OMS, Jairo Mendez. A revisão do protocolo e do material para o ensaio de detecção e o diagnóstico da infecção pelo vírus Monkeypox será conduzida pelo virologista Edson Elias da Silva, chefe do Laboratório de Enterovirus do IOC/Fiocruz, que também realizará atividades teóricas e práticas de capacitação.

A atividade é promovida tendo em vista o registro de casos de MPVX em diversos países onde a doença não é endêmica (foto: Max Gomes, IOC/Fiocruz)

Na sexta-feira, 10 de junho, os profissionais realizarão atividades práticas de ensaio laboratorial e discutirão os resultados do treinamento. Esses sete países serão os primeiros da América Latina a serem capacitados no diagnóstico molecular de Monkeypox e, ao final do treinamento, serão capazes não apenas de realizar a detecção em seus países, como identificar as linhagem virais (África Central e Ocidental) – ações fundamentais para subsidiar a resposta local em saúde pública.

Entenda o Monkeypox

O patógeno foi nomeado como Monkeypox em 1958, quando a infecção foi descoberta em macacos exportados da África para a Dinamarca. O nome une os termos ‘monkey’ – macaco em inglês – e ‘pox’ – que indica o pertencimento à família de vírus Poxviridae. Outros Poxvírus são, por exemplo, o vírus da varíola humana, já erradicada graças a um esforço global de vacinação, e o vírus da varíola bovina.

Posteriormente, foi verificado que os primatas não eram os hospedeiros preferenciais do Monkeypox, mas poderiam ser infectados, assim como as pessoas. Atualmente, não se sabe qual animal mantém o vírus na natureza. Acredita-se que roedores tenham um papel na disseminação da doença na África, onde o vírus é endêmico, isto é, com circulação regular.
Os sintomas da doença podem incluir lesões na pele, febre, dor no corpo e dor de cabeça, entre outros. A letalidade é estimada entre 1% e 10%, com quadros mais graves em crianças e pessoas com imunidade reduzida.

A apresentação típica de Monkeypox é bem descrita e consiste, de início, em um curto período febril seguido do desenvolvimento progressivo de erupção cutânea clássica com lesões vesiculares, começando na cabeça ou no rosto e progredindo para os membros e tronco. Todas as lesões progridem no mesmo estágio, de máculas, pápulas, vesículas, pústulas e eventualmente crostas que secam e caem após duas a quatro semanas.

Há muitas vezes exantemas (feridas ou úlceras) na boca e as lesões podem afetar os olhos e/ou área genital. Gânglios linfáticos inchados são típicos. No entanto, as lesões podem ser hemorrágicas ou fundir-se em grandes bolhas. Neste surto multinacional, foi sugerido que a progressão das lesões pode ser atípica.

A transmissão do vírus Monkeypox de animais para pessoas pode ocorrer através da mordida ou arranhadura de um animal infectado, pelo manuseio de caça selvagem ou pelo uso de produtos feitos de animais infectados. A transmissão do vírus entre pessoas ocorre principalmente através do contato direto, seja por meio do beijo ou abraço, o por feridas infecciosas, crostas ou fluidos corporais. Também pode haver transmissão por secreções respiratórias durante o contato pessoal prolongado. Até o momento, não se sabe se o Monkeypox pode ser transmitido através do sêmen ou fluidos vaginais.

A doença é endêmica em países da África Ocidental e Central. No entanto, segundo a OMS, desde do dia 13 de maio, data em foram reportadas as primeiras infecções em países não-endêmicos, 780 casos foram confirmados em 27 países fora da área endêmica. A maioria das pessoas com casos confirmados relatou viagens para países da Europa e América do Norte, em vez da África Ocidental ou Central.

Na região das Américas há casos confirmados no México (1), Argentina (2), Estados Unidos (19) e Canadá (58). Ainda não há casos no Brasil. Atualmente, o risco para a saúde pública em nível global é avaliado pela OMS como moderado, considerando a dispersão dos casos fora dos países endêmicos.

Com Agência Fiocruz

Leia mais

Varíola do macaco: dermatologistas esclarecem a população
Negligenciadas, zoonoses ameaçam a saúde pública em todo o mundo
Depois da Covid-19, pesquisadores alertam para epidemia de zoonoses
2 Comments
  1. […] Fiocruz vai produzir testes para detectar o Monkeypox […]

  2. […] Fiocruz vai produzir testes para detectar o Monkeypox […]

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais