Geração selfie mais suscetível aos piolhos

Selfies podem estar relacionadas ao aumento da incidência da pediculose entre crianças e adolescentes em escolas, aponta estudo

Redação
Adolescentes ficam mais sucestíveis a pegar piolho em selfies, diz estudo (Foto: Divulgação)

Volta às aulas e o drama de muitas mães é como controlar a pediculose. A doença causada pelos piolhos que vivem e se reproduzem na superfície da pele e dos pelos, sempre foi um problema comum durante a infância, principalmente nas meninas devido aos longos cabelos. Porém, de um tempo para cá, os médicos perceberam um aumento nos índices de infecção por esses pequenos sugadores de sangue.

De acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Oxford University Hospitals NHS Foundation Trust, está sendo causado principalmente pelas famosas selfies. “Isso por que, na hora de tirar uma foto, é comum que as crianças e adolescentes se reúnam muito próximos uns aos outros e essa proximidade facilita a transmissão do inseto entre as cabeças”, explica a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram os dados comportamentais de mais de 200 jovens, separando-os em dois grupos: aqueles que não usaram tablets ou celulares nos últimos anos, composto de 98 indivíduos, e aqueles que usaram esses dispositivos no passado, com 104 adolescentes e crianças.

Ao analisarem a porcentagem desses jovens que tiveram piolho, os estudiosos observaram que apenas 29,5% do primeiro grupo já tinham sofrido com a doença contra 62,5% do segundo grupo. Logo, os pesquisadores concluíram que crianças e adolescente que possuem smartphones ou tablets têm duas vezes mais chances de sofrerem com piolhos.

Além disso, os resultados do estudo demonstraram um crescimento nos níveis de infestação por piolho, visto que metade das crianças que fizeram parte da pesquisa tinham sofrido com a doença nos últimos cinco anos, número 22 vezes maior em comparação a estimativas anteriores de incidência de piolhos, que ficavam entre 2 a 8% na população com essa idade. “É claro que não se pode dizer que smartphones e selfies são a única causa para o aumento na incidência de piolhos em crianças. Podem sim existir outras razões. Mas também não se pode negar que há uma ligação entre esses dois fatores”, alerta a dermatologista.

Dessa forma, se ocorrer um surto de pediculose na escola de seus filhos considere proibir o uso desses dispositivos pelos pequenos, pois, com eles, as crianças com certeza se reunirão para tirar fotos, permitindo que os piolhos se espalhem mais facilmente.

É muito difícil lidar com piolhos, tanto para os pais quanto para as crianças. Sendo assim, é fundamental entendermos como essas pequenas criaturas se espalham. Afinal, é melhor prevenir do que remediar, principalmente quando os tratamentos mais comuns para os piolhos incluem o famoso e dolorido pente fino e remédios aos quais essas pequenas criaturas estão cada vez mais resistentes”, finaliza a Dra. Paola Pomerantzeff.

Sobre a doença

Conhecida popularmente como piolho, é uma doença parasitária causada por insetos sugadores de sangue que vivem e se reproduzem na superfície da pele e dos pelos. A transmissão da doença ocorre por contato direto e os sintomas são coceiras que podem provocar ferimentos.

Para prevenir, a Sociedade Brasileira de Dermatologia informa que é necessário evitar o compartilhamento de escovas, roupas, bonés, toalhas e contato direto com o cabelo das crianças infestadas. Uma outra dica é não ir de cabelo molhado para a escola, porque a umidade favorece a proliferação do inseto.

Com Assessorias

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.