Hipnose na novela: o que é real, o que é ficção

Rosayne Macedo

 

o_outro_lado_do_paraiso_laura

Na novela ‘O Outro Lado do Paraíso‘, sessões de hipnose aplicadas por Adriana, uma advogada com formação em Coaching, levam a jovem Laura a reviver a dor do abuso sexual pelo padrasto, em meio a cenas que misturam surrealismo e forte emoção. E com isso a personagem consegue forças para denunciá-lo por tamanho sofrimento. Mas o que é real e o que é ficção nessa abordagem? Para a a psicóloga e hipnóloga Miriam de Farias, o quadro apresentado na novela parece ser de TEPT – Transtorno de Estresse pós-Traumático, que é um transtorno de ansiedade, e a hipnose realmente é uma técnica eficaz que pode ajudar a tratar o problema.

“Através da hipnose com técnicas de regressão de memória podemos investigar para saber a origem do sofrimento e o conteúdo emocional que aparecer será tratado. É um tema sensível, mas centenas de mulheres ainda sofrem abusos físicos, psicológicos e emocionais diariamente”, afirma a especialista. Para superar relacionamentos abusivos e situações traumáticas, psicólogos aplicam técnicas de hipnose clínica para ajudar as pacientes a superarem casos de estresse pós-traumático, que afetam principalmente sua estrutura psicológica.

O TEPT ocorre quando a pessoa passa por alguma situação traumática em que coloque em risco ou perigo a sua própria vida, ou quando vivencia alguma cena real, e até mesmo um relato de uma situação traumática com a presença de muito medo ou pavor. “Tal situação geralmente provoca uma sensação de impotência ou horror. O indivíduo submetido ao TEPT desenvolve um quadro de evitação em relação ao ocorrido”, conta a psicóloga.

Segundo ela, isso se dá porque ele sente como se estivesse experimentando a situação traumática outra vez. Ocorrem flashes com a presença de pensamentos invasivos e lembranças persistentes, muitos sonhos e até pesadelos sobre o fato, levando o paciente a reviver a experiência traumática. “O indivíduo muitas vezes acorda assustado. Na verdade, ele fica preso à experiência traumática como se tudo fosse acontecer novamente a qualquer momento. Tudo isso causa muito sofrimento físico, mental e principalmente emocional, podendo gerar sequelas para o resto da vida de uma pessoa”.

Ainda de acordo com Miriam, a Hipnose é uma técnica muito eficaz no tratamento do Estresse Pós-Traumático. O recomendado é uma sessão de psicoterapia por semana para minimizar os sintomas, e assim melhorar a qualidade de vida das pessoas que passaram por uma situação onde sofreram eminente perigo. O TEPT está acompanhado muitas vezes de outros sintomas tais como a depressão, o pânico e a insônia, dentre outros transtornos de ansiedade.

Em artigo exclusivo para ViDA & Ação, Miriam de Farias explica os riscos do tratamento aplicado por profissionais não qualificados. “Para fazer hipnose clínica e tratar as questões de origem emocional, somente psicólogos especializados ou habilitados em hipnose estão autorizados e preparados”, ressalta. Confira na íntegra:

“Não dá para acreditar que qualquer pessoa que faça hipnose pode nos ‘curar'”

Por Miriam de Farias*

Assim como procuramos um médico para tratar a dor física e um dentista no tratamento dentário, quando estamos sofrendo de questões emocionais devemos procurar ajuda de um psicólogo. Somente ele tem conhecimento e estudo suficiente para entender e compreender o que se passa conosco, e, assim, ajudar-nos a superar o problema. É o psicólogo que vai fazer uma escuta sem julgamento de valor, mantendo o sigilo, com todo o cuidado, acolhendo-nos em momentos difíceis e, na relação terapêutica, criar condições adequadas para que o paciente vislumbre novas possibilidades de vida e, dessa forma, consiga sair do sofrimento e da dor vivida.

Como especialista em hipnose clínica, sei que há muitos mitos acerca da prática da hipnose. Um deles é acreditar que qualquer pessoa que faça hipnose pode nos “curar”. É importante esclarecer à população que, para fazer hipnose clínica e tratar as questões de origem emocional, somente psicólogos especializados ou habilitados em hipnose estão autorizados e preparados.

A hipnose é aplicada por psicólogos como recurso auxiliar na sua prática clínica. A terapia com hipnose é uma prática médica que tem o respaldo do CFP – Conselho Federal de Psicologia. Há toda uma abordagem da psicopatologia, fisiologia e neurologia. Sem esses conhecimentos aprofundados, praticar hipnose clínica para tratar questões emocionais, principalmente nas práticas de regressão de memória, poderá levar ao agravamento de casos.

Tratar questões referentes à sexualidade humana, como o abuso sexual, não é tão simples como se imagina, existe uma complexidade, a pessoa convive com um sofrimento profundo e, somente um psicólogo com conhecimentos em sexualidade humana, tem recursos técnicos para acolher, ouvir e tratar a dor de quem passa por uma situação de abuso, violência ou estupro. É um tema tão delicado, que o próprio paciente tem dificuldades para falar sobre o assunto.

Para nos livrarmos logo do sofrimento, muitas vezes, buscamos respostas imediatas. Como psicóloga e hipnóloga, recomendo que você se previna, não se exponha ou coloque a sua vida nas mãos de pessoas que não têm qualificação profissional para esse propósito. Ao procurar um tratamento com hipnose, antes de tudo, procure saber se o profissional tem formação em psicologia. Fazer hipnose clínica para qualquer tratamento psicológico ou sexual com pessoas que não são qualificadas, poderá potencializar o sofrimento e agravar o quadro.

 

  • Miriam Pontes de Farias (CRP 05/25815) é psicóloga com pós-graduação em hipnose clínica, palestrante, conferencista internacional, organiza e ministra cursos e workshop de hipnose. Saiba mais no site www.miriamhipnose.com

 

In the news
Leia Mais