Incentivo ao aleitamento materno em todo o mundo

De 1° a 7 de agosto, a Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM) é celebrada todos os anos em mais de 170 países

As mães precisam seguir alguns requisitos para realizar as doações, como apresentar exame de pré-natal, não podem ser fumantes, usuárias de drogas ou de bebidas alcoólicas (Foto: IFF/Fiocruz)

De 1° a 7 de agosto, a Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM) é celebrada todos os anos em mais de 170 países, como iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e de seus parceiros, a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação (WABA) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A mobilização tem com objetivo promover a amamentação como alimento natural por excelência para melhorar a saúde dos bebês do mundo. Para chamar a atenção para a data e reforçar a conscientização da sociedade, o Castelo Mourisco, sede da Fiocruz no Rio de Janeiro (RJ), será iluminado de dourado durante as noites dos dias 2 e 3 de agosto.

Agosto Dourado: Castelo Mourisco da Fiocruz será iluminado de dourado nos dias 2 e 3 de agosto em alusão a Semana Mundial do Aleitamento Materno (Foto: Fiocruz)

No Brasil, desde 2017, o apoio à amamentação não se promove apenas durante a SMAM, e sim durante todo o mês, seguindo a Lei Nº 13.435, que instituiu o mês de agosto como Mês do Aleitamento Materno, conhecido como Agosto Dourado, devido à cor que simboliza o padrão ouro de qualidade do leite humano. A Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (rBLH) e o Banco de Leite Humano (BLH) do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) se juntam à campanha.

“O leite materno é o melhor alimento durante os primeiros seis meses de vida, pois tem tudo o que o bebê precisa, inclusive água, protege a criança de infecções respiratórias e diarreia, reduz o risco de desenvolver hipertensão, diabetes e obesidade na vida adulta, e, dependendo do peso do recém-nascido, apenas 1ml já é o suficiente para nutri-lo a cada refeição”, informa a coordenadora da rBLH e do BLH do IFF/Fiocruz, Danielle Aparecida da Silva.

O leite humano é considerado o alimento mais económico, renovável, ecológico e seguro que existe, não precisa de embalagem, não contamina e nem deixa desperdício. “A amamentação mantém uma conexão profunda entre a saúde e os ecossistemas do planeta, resultando em um dos melhores investimentos para reduzir a mortalidade infantil, melhorar a saúde e o desenvolvimento social e econômico das populações”, explica Danielle.

Embora a amamentação seja tradicionalmente considerada domínio da mãe, quando os pais, famílias e a sociedade a apoiam, as taxas de amamentação aumentam. “Adotar uma abordagem inclusiva sobre o aleitamento materno que agregue pais, amigos, familiares, colegas de trabalho e comunidade é fundamental para criar um entorno propício, que permita às mães amamentar de forma otimizada”, destaca ela.

O Brasil conta com políticas inclusivas na área de aleitamento materno, para além da licença-maternidade e a licença-paternidade, a fim de incentivar a amamentação. “Desde 2008, o Programa Empresa Cidadã estende tal licença em até seis meses, período indicado pela OMS para o aleitamento materno exclusivo, mas, infelizmente, este projeto ainda não alcançou 100% das empresas em nosso país.

Outras políticas que favorecem a amamentação, como a Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC), os Bancos de Leite Humano (BLHs), a Unidade Básica Amiga da Amamentação (IUBAM), a Rede Amamenta e Alimenta e a Mulher Trabalhadora que Amamenta, permitem que a informação e locais de apoio estejam próximos à mãe e às suas famílias para facilitar que a amamentação ocorra da forma exclusiva recomendada”, esclarece Danielle.

Campanhas de doação de leite materno

A alternativa para os bebês prematuros ou com condições crônicas de saúde é se alimentar com o leite materno doado. Por isso, o BLH do IFF/Fiocruz realiza regularmente campanhas que visam aumentar o número de doadoras, estoques de leite e frascos de vidro com tampa de plástico, essenciais para o armazenamento do leite doado, para atender os recém-nascidos internados na Unidade de Terapia (UTI) Neonatal, especialmente durante os períodos de festas e férias, quando o volume de leite materno coletado costuma diminuir.

Confira os dados atualizados da rBLH de janeiro a junho de 2022:

Covid-19: aleitamento materno é seguro

No contexto da pandemia de Covid-19, a mulher deve continuar amamentando o seu bebê, mesmo que tenha tido contato com alguém infectado.

“Em caso de a mãe apresentar alguns sintomas gripais, deverá seguir os protocolos de higiene antes de amamentar e usar máscara durante a amamentação do seu bebê. Independente do período que estamos passando, é necessário apoiar as mulheres amamentarem, pois já comprovamos que os nutrientes do leite materno, inclusive, previnem doenças não transmissíveis”, ressalta Danielle.

Mais informações:

]WhatsApp do BLH do IFF/Fiocruz: (21) 98508-6576
Telefones: 0800 026 8877 / (21) 2554-1703
Portal: www.rblh.fiocruz.br

Fonte: Agência Fiocruz

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais