Jejum ajuda a desintoxicar, emagrecer e se purificar

Rosayne Macedo

jejum

Quando eu era criança, sempre escutava a Vó Rosa, católica fervorosa, dizer que iria jejuar durante longas horas ou um dia inteiro para alcançar uma ‘graça’ concedida  por Deus ou algum santo de sua devoção. De fato, o ato de jejuar, comum entre cristãos especialmente na Semana Santa, sempre esteve mais ligado a crenças religiosas, como cumprimento de uma penitência. Mas quem nunca pensou em ficar de jejum durante horas a fio para compensar os excessos ou tentar entrar naquela calça jeans sem fazer tanto esforço na hora da festa? Afinal, será que jejuar ajuda mesmo a emagrecer? Por quanto tempo é possível se privar de alimentos, sem que isso faça mal à saúde?

A coach nutricional Patrícia Barreto, recomenda o ato de jejuar, não meramente com objetivo de  emagrecimento, mas como uma poderosa ferramenta terapêutica capaz de eliminar do corpo substâncias e toxinas que ingerimos diariamente por meio dos alimentos, medicamentos, cosméticos e poluição. Segundo ela, o jejum está rompendo as barreiras religiosas e chegando a um público cada vez mais diversificado. Isso porque os benefícios que a pratica oferece vão muito além das preconizadas pelas religiões.

“A princípio o jejum pode parecer um desafio para a maioria das pessoas, pois a cultura ocidental recomenda a alimentação a cada duas ou três horas, mas é possível sim de se realizar”, ressalta Patrícia, que recentemente passou pela experiência de jejuar por 21 dias seguidos, bebendo apenas água. A coach, que realiza consultoria em nutrição e desintoxicação, ressalta, entretanto, que a prática de jejum para desintoxicação não visa ao emagrecimento, ou seja, não é uma dieta, mas uma forma de se purificar em todos os níveis: corpo, mente e espirito. O emagrecimento é apenas uma consequência.

“Não existem relatos de malefícios causados pela prática do jejum, porém, todos conhecem os inúmeros problemas causados pela alimentação excessiva e industrializada. Doenças como pressão alta, diabetes, doenças cardiovasculares e câncer estão diretamente ligadas à nossa alimentação e estilo de vida. Estamos comendo muito e o tempo todo, não fornecemos ao organismo o descanso necessário à cura e reparação celular”, completa a coach, que teve dois livros publicados recentemente ‘Detox e Saúde: Guia Completo de Desintoxicação e Saúde’ e ‘102 Receitas Detox para uma Vida Saudável’.

Uma forma de regular o hormônio da fome

Entre os maiores benefícios do jejum, já comprovados cientificamente, estão o rejuvenescimento, perda de peso, equilíbrio nos níveis de triglicerídeos, melhora no sistema imunológico, redução de inflamações e dos danos causados pelos radicais livres, eliminação de toxinas e substâncias prejudiciais ao corpo e a normalização dos níveis de ‘grelina’ – o hormônio da fome.

Para se ter uma ideia, o HGH –Human Growt Human ou Hormônio do Crescimento – também conhecido como hormônio da juventude, tem sua produção diminuída com o passar dos anos. Em jejum, essa produção volta a crescer chegando a apresentar um aumento de 1300% nas mulheres e de 2000% nos homens, o que equivale a retroceder entre 10 e 15 anos na escala cronológica. Uma fonte de rejuvenescimento e saúde.

A prática do jejum também se mostrou muito benéfica ao sistema imunológico. Um estudo realizado pela Universidade da Califórnia demonstrou que um jejum de apenas três dias é capaz de regenerar todo o sistema imunológico. O jejum também estimula o cérebro a liberar uma determinada proteína, conhecida como BDNF – Brain Derived Neurotrophic Factor – que ativam as células-troncos cerebrais na produção de novos neurônios. A cada dois dias de jejum, esta proteína aumenta entre 50 a 400%.

Conheça algumas formas de jejuar

Para quem deseja iniciar a prática, pode optar por um jejum de 12 horas, deixando, por exemplo, de jantar. Há ainda a possibilidade de realizar o jejum de 24 horas, em que você escolhe um dia por semana em que não irá ingerir nada sólido. Ou ainda, optar pelo jejum de 36 horas, onde você para de comer às 22 horas de um dia e volta a se alimentar às 10 horas da manhã do terceiro dia. Por exemplo, você para de comer às 22 horas da sexta-feira, permanece sem comer no sábado, e volta a se alimentar às 10 horas do domingo.

E, por fim, pode escolher realizar o jejum alternado ou jejum do dia seguinte. Você come naturalmente em um dia e jejua no dia seguinte, desta forma, em uma semana, você terá jejuado durante três dias. Este tipo de jejum é realizado por pessoas que já estão acostumadas a praticar o jejum por certo período de tempo.

“É imprescindível que você ingira muita água nos dias em que estiver em jejum para auxiliar seu corpo no processo de eliminação das toxinas. Você pode ingerir também chás e sucos verdes (de verduras) não adoçados à vontade. Outro fator que não pode ser desconsiderado é a importância de uma alimentação nutritiva quando você sair do jejum. Seu corpo estará faminto de nutrientes, então você precisa fornecer uma alimentação adequada proveniente da mãe-terra, à base de frutas, legumes, verduras, nozes e sementes”, explica Patrícia.

Atividade física e mental deve ser evitada

O jejum não se trata apenas de um processo de limpeza física, mas também de limpeza mental, emocional e espiritual. Portanto, quando estiver jejuando, é importante permanecer em repouso, com pouca atividade física e mental. Não pratique jejum se tiver que ir trabalhar, dirigir, estudar, se exercitar ou realizar qualquer outro tipo de atividade.

Há pessoas que realizam jejum de 30 dias, 60 dias e até de quatro meses. Porém, Patrícia alerta para a necessidade de buscar um local especializado para quem opta por um período maior em jejum. “Um jejum não deve ser realizado de modo aventureiro e sem supervisão profissional. Um período prolongado exige um local especializado capaz de verificar e manter sob controle suas condições físicas avaliando diariamente aquilo que está dentro da normalidade e o que não está”, explica.

 

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.