Parasitoses não escolhem faixa etária nem classe social

Durante 17 dias, movimento Brasil Sem Parasitose levará atendimentos gratuitos em unidade móvel, além de oferecer orientações para prevenção

Redação

Engana-se quem pensa que verminose é coisa só de criança ou de quem vive em comunidade carente. Embora mais prevalentes em regiões carentes de saneamento básico, as parasitoses atingem todas as camadas socioeconômicas da população, nas diversas faixas etárias. Pessoas com hábitos adequados de higiene pessoal e domiciliar, fora de regiões mais expostas, também podem se infectar, seja na rua, em casa, no trabalho, etc.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as parasitoses são as doenças mais comuns do mundo. No Brasil, elas afetam em torno de 36% da população, no caso das crianças, esse número sobe para 55%. Entre os cerca de 15 mil pacientes atendidos em 14 cidades percorridas pelo movimento Brasil Sem Parasitose no ano passado as principais queixas foram dores abdominais e cólicas (48%); azia (43%); barriga constantemente inchada (38%) e diarreia (31%).

Para ajudar a combater o problema, a terceira jornada do Movimento Brasil Sem Parasitose passará por cinco estados brasileiros – São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro. A ação, realizada pela Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG) com apoio da FQM Farmatem como objetivo atender, informar e orientar a população sobre tratamentos e cuidados para reduzir a ocorrência das doenças parasitológicas e suas consequências.

Caminhão adaptado como consultório

Os médicos gastroenterologistas e pediatras realizarão os atendimentos e orientações em um caminhão de 52 m², adaptado com três consultórios com capacidade total para cerca de 200 atendimentos por dia, os quais serão realizados por meio de entrega de senhas. Em sua terceira edição, o MBSP deste ano comecará na cidade de Guarulhos, nos dias 17 e 19 de julho, finalizando em agosto no Rio de Janeiro. A ação terá duração de 17 dias.

Na primeira etapa, o paciente responderá um questionário sobre os padrões de saneamento básico, higiene pessoal e familiar, hábitos de vida e o histórico clínico. Em seguidapassará por uma triagem realizada por enfermeiros e, depois do atendimento com os médicos, será direcionado para uma sala temática educativa, onde receberá orientações práticas sobre hábitos de higiene pessoal e doméstica, dadas por uma equipe de agentes de saúde.

“As parasitoses são doenças simples e fáceis de serem tratadas, mas são pouco valorizadas, mesmo com grande incidência na população de um modo geral. É um problema de saúde pública e um dos mais graves que temos no mundo. Essa ação serve para valorizar e lembrar o médico da importância delas e aplicar um tratamento maciço”, explica o presidente da FBG, Flávio Quilici.

Os principais temas abordados serão a importância de hábitos de higiene pessoal e doméstico para evitar a transmissão de parasitas e a importância do tratamento antiparasitário realizado por médicos. O Movimento também apresentará à população quais são as patologias tratadas pelo médico gastroenterologista e que acometem o sistema digestório (boca, estômago, esôfago e intestinos), tais como refluxo esofágico, gastrite, úlceras, prisão de ventre, diarreias, infecções intestinais, entre outras.

O QUE SÃO PARASITOSES INTESTINAIS?

São infecções causadas por parasitas intestinais, que podem ser helmintos ou protozoários, e estão diretamente relacionadas às condições de higiene, saneamento básico, educação e habitação da população, principalmente em locais onde essas condições são precárias.

QUAIS AS FORMAS DE TRANSMISSÃO?

As parasitoses podem ser adquiridas de duas formas: por meio da contaminação oral (a partir da ingestão dos ovos ou cistos dos parasitas) ou através da penetração de larvas na pele (quando entramos em contato com as larvas de determinados parasitas encontradas no solo).

A reprodução dos parasitas acontece por meio de ovos, que geram uma larva em seu interior. Portanto, quando a larva permanece dentro do ovo só existe uma maneira de infectar um novo hospedeiro, que é pela ingestão de alimentos, água e mãos contaminadas em contato com a boca.

Quando as larvas de determinados parasitas (Ancilostomídeos, S. stercoralis) se encontram no ambiente, no lixo ou nas fezes de animais, por exemplo, a transmissão pode ocorrer através da pele, que entra em contato com essas larvas quando andamos descalços ou manuseamos o lixo de forma inadequada.

QUAIS OS SINTOMAS MAIS FREQUENTES?

Os sintomas mais frequentes das parasitoses intestinais são: dores abdominais, diarreia, gases, falta de apetite, perda de peso, náuseas e vômitos, tosse, febre, falta de ar, anemia, coceira no ânus, vontade de comer coisas diferentes como terra, areia e tijolo.

Os riscos à saúde provocados se estendem além dos intestinos, dependendo do tipo de cada parasita, e pode causar anemia, desnutrição, doenças pulmonares, hepáticas, ginecológicas, neurológicas, pancreáticas, etc.

COMO EVITAR E TRATAR?

Para evitar a contaminação no seu dia a dia é necessário tomar alguns cuidados, como proteger os alimentos de insetos e poeira, cuidar da higiene diária do corpo e, principalmente, das mãos e das roupas íntimas e de cama. O tratamento é feito por medicamentos específicos, além de orientação para a prevenção e mudança de hábitos oferecidos pelo médico especialista.

A prevenção, o tratamento e o controle de verminoses podem ser feitos a partir da adoção de medidas simples no cotidiano familiar e domiciliar, como o hábito de lavar as mãos frequentemente, higienizar adequadamente os alimentos antes do consumo e evitar andar descalço, principalmente em regiões com esgoto e lixo a céu aberto.

CRONOGRAMA

Neste ano, a Unidade Móvel passará por seis estados brasileiros entre os meses de julho e agosto. Para mais informações acesse o site www.brasilsemparasitose.com.br.

Guarulhos/SP – 17 a 19/07
Belo Horizonte/MG – 24 a 26/07
Recife/PE – 01 a 03/08
Salvador/BA – 07 a 09/08
Rio de Janeiro/RJ – 16/08 e 21 a 24/08

Fonte: Brasil Sem Parasitose

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.