Relacionamento abusivo: quando homens e também mulheres passam dos limites

Rosayne Macedo

relacionamento-abusivo

O termo “relacionamento abusivo” já se incorporou ao vocabulário contemporâneo e engajado. A maioria das vítimas são mulheres que são desrespeitadas ou maltratadas por seus parceiros e acabam se conformando e aceitando esta situação. Mas o relacionamento abusivo tem muitas faces. “Pode haver intimidação, violência física ou verbal, desqualificação do outro, culpa, medo, ameaças e punição. Seja qual for, a tentativa de controle está sempre presente. O fato é que pouco a pouco, a autoconfiança e a autoestima da vítima do abuso vão sendo minadas”, afirma a psicanalista e hipnoterapeuta reikiana Rita Martins.

Mestre em Psicologia e pós-graduada em Pesquisa de Opinião Pública (Uerj), ela explica que o tipo de relacionamento abusivo que envolve exclusivamente a violência verbal tende a ser negligenciado, mas desenvolve no outro um comportamento de sujeição, em que a pessoa começa a achar que os agravos sofridos são, no fundo, demonstrações de cuidado, de afeto e, assim, evita se manifestar em desacordo com a opinião do abusador. E para quem pensa que o agressor é somente o homem está enganado: muitas das vezes, a mulher também é agressora, especialmente em relacionamentos homoafetivos, e tal qual o homem abusador, precisa e deve ser punida.

Como identificar e como evitar

Segundo ela, um relacionamento abusivo sempre se caracteriza por uma relação entre dominante e dominado, com doses frequentes de humilhação, ciúme, posse, controle do outro, isolamento. “Seja qual for o tipo de abuso,  a tentativa de controle está sempre presente. A vítima passa a viver em função do outro, perde sua identidade.Tudo o que ela fala e faz é direcionado ao outro: o que compra, o que cozinha, os filmes que assiste. O outro é seu único assunto”, explica a especialista.

A melhor forma de se prevenir de um relacionamento abusivo é ficar atento aos sinais que já aparecem no início do namoro. “Dificilmente alguém começa levantando a mão. Primeiro levanta-se a voz. O importante é, se você conhece alguém que é vítima de abuso, não a critique. Ela precisa de ajuda, de acolhimento. A terapia também é um ótimo recurso”, destaca Rita.

Lei Maria da Penha

Mesmo após 12 anos da Lei Maria da Penha, sancionada no dia 7 de agosto de 2006, que prevê punição mais severa aos abusadores e a proteção das vítimas, o número de casos de agressão a mulheres é alarmante. Dados da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) mostram que somente no primeiro semestre de 2017 foram atendidas mais de 5 mil mulheres, além de terem sido solicitadas 3.841 medidas protetivas e mais de 4 mil inquéritos.

De acordo com Rita,  a lei foi criada para proteger exclusivamente a mulher, não importando se o agressor é o marido, o companheiro, outro aparentado ou mesmo pessoas com as quais tem convívio social. “Eu conheci uma moça que era espancada pelo marido, mas nunca o denunciou. Com o passar do tempo, seu filho mais velho passou a agredi-la e também agredir a namorada dele e a cunhada”, lembra. Segundo ela, quando o agressor é outra mulher, no caso dos relacionamentos homossexuais, a lei se aplica da mesma forma. “A agressão oriunda de uma relação pessoal é passível de punição independentemente da orientação sexual”, ressalta.

10 frases comuns neste tipo de relacionamento:

1 – Eu falo essas coisas porque você me tira do sério. Eu não queria ter lhe xingado, nem gritado, mas você provocou.
2 – Você acha que tem corpo para usar esse tipo de roupa?
3 – Você acha que alguém mais vai dar valor para alguém como você? Só eu mesmo!
4 – Você deveria levantar as mãos para o céu de ter ao seu lado alguém como eu. O que tem de gente dando em cima de mim, você não
tem ideia.
5 – Você tem que fazer o que eu mando. Eu sei o que é melhor para você.
6 – Quando eu disser para fazer algo, não faça perguntas, simplesmente faça. Quem cuida de você sou eu.
7 – Meus amigos estarão todos na festa. Vê se não abrir a boca e falar besteira. É melhor ficar só quieta e sorrir, porque bonita
você é, mas não nasceu para pensar.
8 – Apesar de termos a mesma idade, você parece muito mais velha. Está a cada dia mais feia, acabada.
9 – Esse dinheirinho que você ganha com seu trabalho, não é nada. Nunca irá conseguir uma promoção. Sempre empreguinhos medianos.
10 – Nem tenta que não vai conseguir. Isso é coisa para gente determinada.

Leia também:

10 dicas para superar relacionamentos abusivos

https://vidaeacao.com.br/10-dicas-para-ser-uma-mulher-bem-resolvida/

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.