Rio monitora 47 casos suspeitos de infecção pela variante da Índia

covid_testes_exame-gov-sp Pesquisa também mostrou que 67% dos entrevistados nunca realizaram um teste de Covid-19 (Foto: Gov-SP)

Após a confirmação do primeiro caso, o Estado do Rio de Janeiro monitora 47 pessoas por conta da variante originária da Índia. O único caso positivo colocou em alerta 44 pessoas de duas cidades, Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, e a capital fluminense. Na sexta-feira (4), três homens indianos começaram a serem acompanhados em Campos e estão em isolamento. Até o momento, todas as pessoas em estado de observação testaram negativo para a Covid-19.

O homem de 35 anos que foi infectado pela cepa originária da Índia está obedece quarentena em um hotel na cidade do Rio de Janeiro. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, ele segue sem sintomas graves da doença. Outras 29 pessoas, inclusive funcionários do hotel, estão sendo testadas periodicamente. Já em Campos dos Goytacazes, são 17 monitorados. Três são indianos que vieram ao Brasil a trabalho.

Os homens de 50, 48 e 46 anos estão em isolamento preventivo na cidade do Norte Fluminense. Os testes de RT-PCR feitos pelos indianos deram negativo, mas eles terão que refazer o exame em alguns dias. Outras quatorze pessoas seguem isoladas em Campos. São elas: os dois trabalhadores que tiveram contato com o caso confirmado e os 12 funcionários do hotel onde paciente positivo pernoitou.

Eles foram testados, na terça-feira (1/6) e apresentaram resultado negativo para a Covid19. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) afirmou que segue realizando monitoramento do morador de Campos que testou positivo para a variante indiana e que, até o momento, não houve outra confirmação de contaminação pela cepa originária da Índia.

Missionário que vendia água consagrada como cura é internado

Aliado de Jair Bolsonaro, o missionário R. R. Soares – que chegou a vender uma água consagrada como cura da Covid-19 – foi intubado na noite de sábado (5) devido à doença no hospital Copa Star, um dos mais caros do Rio de Janeiro, onde está internado desde sexta, 4/6. Líder da Igreja Internacional da Graça, o pastor, de 73 anos, é pai do deputado federal Marcos Soares (DEM/RJ), da base governista.

Segundo Soares, fiéis de sua igreja conseguiriam se curar da Covid-19 após beber a suposta água consagrada contra o novo coronavírus. Soares vendeu o líquido garantindo propriedades milagrosas e pediu doações dos fiéis durante o programa SOS da Fé. Ele chegou a criou um placar para mostrar os curados por sua oração. Em vídeos falando sobre o produto, são reproduzidos relatos de supostos curados para mostrar pessoas de diferentes locais do Brasil que adquiriram a água.

Prefeito do Rio pede que cariocas não escolham vacina

Durante a apresentação do 22º Boletim Epidemiológico da Covid-19, o prefeito Eduardo Paes fez um apelo a população da cidade para que não fique escolhendo qual vacina tomar contra o coronavírus. Paes ainda assegurou que todos os imunizantes disponíveis são eficazes contra a doença e pediu que as pessoas acreditem em todas as vacinas. Atualmente, as três vacinas disponibilizadas aos cariocas são CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer.

Todas as vacinas funcionam e funcionam bem. importante tomar as duas doses. Claro que a primeira já dá um efeito, mas a segunda é que consolida. Tem caso de atestado médico pedindo vacina específica. isso não vai acontecer. Tem gente esperando vacina, vamos parar com essa conversa. É importante que acreditem em todas as vacinas”, afirmou Paes.

Igreja da Penha – A partir deste sábado (5), às 8h, a Prefeitura do Rio inaugura mais um posto de vacinação contra a Covid na cidade, o novo local será na Basílica de Nossa Senhora da Penha, na Zona Norte. Segundo o município, as pessoas, não necessariamente precisarão subir os 365 degraus que separam o Largo da Penha até a igreja. Quem for se vacinar tem a opção de usar o bondinho, que vai transportar gratuitamente a população até o topo do santuário.

Justiça Federal autoriza Niterói e Maricá a receberem Sputnik V

Uma decisão da 4ª Vara Federal de Niterói, proferida na sexta-feira (04) pelo juiz Rogério Tobias de Carvalho, determinou que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) libere a importação dos lotes da vacina russa contra a Covid-19, a Sputnik V, para os municípios de Niterói e Maricá, ambos na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. O órgão tem um prazo máximo de 72 horas para acatar a ordem, sob pena de multa diária de R$ 10 mil caso não o faça.

Segundo a decisão judicial, as prefeituras das duas cidades devem seguir à risca todas as exigências necessárias previstas pela Anvisa para que as respectivas importações sejam feitas. Assim que estiverem em território nacional e depois de todos os requisitos da norma serem preenchidos, os lotes da Sputnik V poderão passar pelo despacho aduaneiro, por meio de assinatura do Termo de Guarda e Responsabilidade.

Em nota oficial, a Anvisa confirmou a notificação judicial, informando que “a decisão apenas autoriza a importação da vacina Sputnik V pelos municípios de Niterói e Maricá, mas a sua distribuição e uso está condicionada à prévia aprovação da Anvisa”. O pedido administrativo feitos pelos 2 municípios para distribuição e uso do imunizante está sob análise da Anvisa”, explicou o órgão. Maricá deseja receber cerca de 500 mil doses da Sputnik V. Já sobre Niterói, o número total não foi confirmado.

Segundo a decisão, as vacinas ficarão ”sob a guarda da Secretarias Estaduais de Saúde de Niterói e de Maricá, devendo compor seu estoque estratégico, pronto para ser utilizado, enquanto aguarda a liberação emergencial para uso na população pela Anvisa, ou eventual desdobramento judicial”.

Com Assessorias

Por Favor, Compartilhe!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais