Rotina de autocuidado ajuda na saúde da pele, cabelo e unhas das mulheres

Problemas com pele, cabelo e unha são principais queixas em consultórios dermatológicos, especialmente na gravidez. Veja como cuidar

gravidez

Num país onde a exposição ao sol e aos outros fatores climáticos faz parte da rotina e a desigualdade social faz com que nem todos tenham acesso ao saneamento ou à alimentação adequada, os cuidados com a saúde feminina devem ser redobrados. No Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher (28 de maio), neste mês das mães, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) ressalta as necessidades específicas desse grupo que forma a maioria da população brasileira, em especial às mães e futuras mamães.

As mulheres enfrentam múltiplos desafios. Se desdobram em papeis em casa, cuidando da família; no trabalho, onde devem apresentar resultados; e na vida em sociedade, ocupando espaço cada vez mais importante. Contudo, precisam dedicar tempo para si também, dando atenção a sua saúde e bem-estar. Neste contexto, nós precisamos estar atentas ao nosso corpo por inteiro, sempre cuidando de nossa pele, cabelos e unhas”, destaca Claudia Alcântara, secretária geral da SBD. De acordo com ela, os problemas nestas áreas de manifestam de diferentes formas.

Perda de cabelos é uma das principais queixas

Acne, melasma e queda de cabelo são exemplos de manifestações de alta prevalência que, apesar de corriqueiras, podem impactar na vida de muitas mulheres. De acordo com a presidente do Departamento de Cabelos e Unhas da SBD, Fabiane Andrade Mulinari Brenner, a perda significativa de cabelo está entre as principais reclamações ouvidas por especialistas dentro dos consultórios. Segundo ela, pesquisas científicas sobre o tema vêm revelando a repercussão desse problema na qualidade de vida das pacientes.

Muitas daquelas que sofrem com o rareamento dos fios capilares acabam vivenciando conflitos sociais bastante dolorosos. A autoimagem, sobretudo para a mulher, é fundamental na construção da autoconfiança e autoestima. Diversas vezes, uma queda mais acentuada de fios pode desencadear problemas que afetam a saúde mental da paciente, levando a quadros de depressão, interferindo no casamento, sociabilidade e vida profissional”, diz.

Segundo a especialista, tanto a queda acentuada de cabelo quanto o rareamento dos fios são considerados sinais de alerta. Nesses casos, a mulher deve procurar um dermatologista para receber orientações sobre as opções de tratamento disponíveis. Atualmente, existem produtos de uso tópico e diário, que estimulam o crescimento adequado dos fios, e ainda medicamentos sistêmicos, que bloqueiam a ação do hormônio masculino e podem ser receitados pelo dermatologista. Além disso, é recomendada uma investigação de problemas correlacionados, como distúrbios de tireoide, deficiência de nutrientes, entre outros.

Alopecia – A calvície feminina pode ser desencadeada por diversos fatores, como desregulação hormonal, síndrome do ovário policístico ou até mesmo menopausa. Na maioria dos casos, a doença está relacionada a fatores hereditários e à atuação do hormônio masculino, sendo assim denominada de alopecia androgenética. A condição modifica o ciclo natural de desenvolvimento dos folículos pilosos, provocando o afinamento dos fios ao longo do tempo.

Depois que um fio de cabelo cai, o folículo capilar inicia a produção de um novo fio com as mesmas características de espessura e cor do anterior. Em pacientes com alopecia androgenética, esses novos fios vêm cada vez mais finos. Esse processo de miniaturização é o que torna o cabelo progressivamente mais ralo, até deixar o couro cabeludo aparente”, explica Fabiane Brenner.

Queda capilar pós-parto: por que e como cuidar?

Durante a gestação, muitas mulheres experimentam uma fase de intensas transformações e algumas delas são sentidas nos cabelos, que ficam extremamente brilhantes, densos, proteicos e com crescimento acima da média. A a dermatologista Letícia Bortolini, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, explica que isso ocorre durante a gestação por conta do estímulo dos hormônios femininos nos cabelos, que ficam em “fase anágena”, ou seja, de crescimento.

Então toda gestante, a não ser aquelas com deficiência de ferro, anemia ferropriva, deficiência de ácido fólico ou ainda de vitamina D, tem uma qualidade capilar de excelência assim como o crescimento da unha que acompanha a questão capilar. No entanto, no período pós-parto há uma grande preocupação com a queda dos fios. Esse fenômeno é chamado de eflúvio telógeno pós-gestacional, com queda intensa dos fios”, comenta.

De acordo com a médica, enquanto na gestação o aumento dos hormônios femininos provoca uma vasodilatação para o bulbo capilar trazendo mais oxigênio e nutrientes, mantendo os fios na fase de crescimento por longo período, no pós-parto acontece uma diminuição acentuada dos hormônios femininos, o que favorece a queda.

Este quadro pode começar principalmente nos primeiros quatro a seis meses. “Há uma baixa dos hormônios femininos no pós-parto e no pós-cesárea pelo próprio estresse do período pós-cirúrgico e muitas vezes com casos em que a paciente não dorme o suficiente e não se alimenta como deveria, além da questão da amamentação, o quadro de estresse físico e emocional com alteração hormonal pode levar à queda capilar”, afirma a Dra. Letícia. “Uma recomendação importante é a introdução de vitaminas para melhorar a performance e nutrição capilar no último trimestre”, afirma.

Segundo a dermatologista, essa é uma característica importante a ser pensada, observada e prevenida. “Se isso não for feito, nós podemos entrar imediatamente com altas dosagens de vitaminas, checar os níveis férricos e as questões relacionadas aos hormônios femininos e a tireoide, a vitamina D, zinco e o ácido fólico; e fazer o uso de substâncias específicas se elas tiverem carência ou a reposição de um aporte nutricional que seja específico para a parte capilar.”

Com relação à suplementação nutricional para o cabelo, já no terceiro trimestre, a médica explica que podem ser usadas substâncias como biotina, cistina, ornitina, Exsynutriment, Bio-Arct, colágeno peptídeo, taurina, arginina, metionina e reposição de ferro e zinco, além de ácido fólico. Além disso, alguns cuidados tópicos podem ser colocados em prática, como a utilização de loções. “E, no consultório, após o nascimento, podem ser usados tratamentos como microagulhamento, laser fracionado não ablativo e a técnica de Microinfusão de Medicamentos na pele (MMP), que é excelente e de resultados rápidos para melhorar a queda”, finaliza a médica.

Acne na mulher adulta: atenção ao excesso de cosméticos

O impacto de manifestações indesejadas na pele também é motivo de transtorno para muitas mulheres, como ressalta a assessora do Departamento de Cosmiatria da SBD, Maria Paulina Villarejo Kede. Segundo ela, inúmeras pacientes relatam rotinas exaustivas de uso de maquiagem para esconder problemas como a acne e o melasma. “A preocupação em disfarçar aquilo que o espelho insiste em revelar ocupa um tempo considerável no dia a dia de muitas mulheres, especialmente quando a manifestação afeta o rosto. Nesses casos, é nítida a repercussão negativa na autoestima”, afirma.

Para evitar transtornos, o acompanhamento com o dermatologista é fundamental, uma vez que prevenção e terapêutica precoce são as principais ferramentas para garantir a saúde da pele. A acne, que além de afetar os adolescentes também é verificada em muitas mulheres adultas, é um exemplo de doença inflamatória que deve ser tratada precocemente, sobretudo para impedir o surgimento de cicatrizes e preservar a saúde mental das pacientes.

De acordo com Maria Paulina, no geral, o aparecimento súbito de acne ou a piora do quadro na mulher adulta têm relação com alterações hormonais. Outra causa comum é o uso excessivo de cosméticos, que também ocasiona o aparecimento de cravos pretos e brancos. “O tratamento varia de acordo com o grau da acne e a extensão do acometimento. Há opções de produtos tópicos, que controlam a oleosidade e a inflamação, bem como promovem renovação celular, e ainda medicamentos orais, alguns deles a base de antibióticos. O tratamento hormonal é indicado apenas em alguns casos. De todo modo, é imprescindível agendar uma consulta”, explica a especialista.

Melasma afeta mais as grávidas

Já as manchas escuras que surgem principalmente na face das mulheres – nomeadas como melasma – também podem ser amenizadas, por meio de cremes clareadores e de procedimentos estéticos, como microagulhamentos, peelings e uso de lasers, em especial os do tipo Q-switched. Além disso, independentemente do tratamento realizado, o uso diário de protetores solares com cor é essencial para controlar esse problema.

O melasma é caracterizado por manchas que apresentam distribuição característica na testa, têmporas, nariz e regiões das maçãs e supralabial do rosto. Elas também podem se apresentar no corpo, principalmente no colo e nos braços. No geral, a manifestação é causada pela exposição solar associada à influência de hormônios gestacionais e de hormônios contidos em anticoncepcionais. Há ainda fatores genéticos envolvidos nesse processo”, informa Paulina.

As mulheres grávidas costumam ser afetadas pelo melasma, pois nesse período há aumento de pigmentações em várias áreas do corpo, principalmente no rosto. Para evitar esse tipo de mancha, recomenda-se fazer a fotoproteção diária com filtro solar com fator de proteção 30 (Fps 30). Essa é uma das recomendações da coordenadora do Departamento de Cosmiatria Dermatológica da SBD, Edileia Bagatin.

A especialista orienta que as gestantes de pele mais morena devem usar filtro solar que tenha cor (cor de base) por terem maior risco de ficar com manchas escuras. “Muitas mulheres não têm o hábito de associar protetor solar e maquiagem. Mas, na prevenção do melasma, é importante que utilizem esse tipo de filtro no rosto, uma vez que também confere proteção contra a luz visível”, complementa.

Pele mais seca na gestação

 Outro detalhe, explica Edileia, é que, às vezes, as gestantes morenas ficam com a pele mais seca, principalmente no abdômen. “Por isso, no banho deve-se usar sabonete suave (preferencialmente os líquidos), não esfregar demais a pele com buchas, e usar hidratante à base de ceramidas para a pele todos os dias após o banho”, recomenda.

De acordo com Edileia, não há contraindicação em relação ao uso de produtos tópicos, tais como cremes, hidratantes, filtros solares, loções de limpeza, durante o período de gestação. Já em relação aos produtos para tratar manchas, envelhecimento e rugas, por exemplo, existem algumas controvérsias sobre o uso do ácido retinóico.

Na verdade, existem evidências de que não há riscos para as grávidas. Contudo, ainda existem pessoas que questionam. Como a gravidez não é para sempre, vale a pena, talvez, suspender produtos que tenham essa substância para que não haja um erro de interpretação médica caso a criança apresente algum problema de saúde, como uma língua geográfica. Sabemos que não é verdade, que não há riscos, mas há controvérsias e nesses casos é melhor então suspender o uso durante a gravidez”.

Estrias no abdômen? Pode ser a genética

Um problema comum, que pode acontecer durante a gestação são as estrias no abdômen. Mulheres com antecedentes familiares (mãe ou irmãs com estrias) ou que tiveram estrias durante a puberdade estão mais suscetíveis. Edileia ressalta que não há como evitar totalmente as estrias. Contudo, dá algumas recomendações para a redução do problema, tais como a hidratação da pele com cremes à base de ceramidas e evitar o uso de óleos hidratantes.

Outra importante dica é evitar o estiramento exagerado da barriga, como ocorre com as mulheres que, porventura, acabam engordando muito. Mesmo as mulheres com forte predisposição genética, ainda que não engordem muito, estas também acabam tendo estrias e não há como evitar que isso aconteça”, salienta.

Cuidados com a região das mamas no puerpério

 No período pós-parto, a especialista orienta que é preciso ter cuidado com produtos aplicados na área das mamas, pois geralmente as mulheres se encontram no período de lactação. “Contudo, é preciso reforçar que nenhum produto de uso tópico vai interferir ou ocasionar algum tipo de problema no leite materno”, frisa Edileia.

Ela observa que após a gravidez pode-se usar quaisquer produtos de uso tópico sem ter a preocupação de causar algum dano à saúde do recém-nascido. Segundo conta, as gestantes que apresentam manchas devem começar o tratamento o mais precocemente possível.

In the news
Leia Mais