Ser pai fica mais fácil: como vencer o medo da infertilidade

Em 30% dos casos de dificuldades para engravidar a responsabilidade é do homem devido à queda na qualidade do sêmen. Conheça formas de tratar e prevenir

Redação

Ao contrário da maternidade, a paternidade tardia sempre foi vista de forma comum. É que o relógio biológico dos homens produz sêmen independente da faixa etária, diferente das mulheres, que precisam se atentar à idade em relação à qualidade e quantidade de óvulos. Porém, com o avançar dos anos, a qualidade do sêmen também pode piorar, assim como sua produção.

Foi-se o tempo em que a relação entre envelhecimento e a incapacidade de ter filhos era apenas ligada à mulher. Em 30% dos casos o problema da infertilidade do casal está na saúde dos homens. Diversos estudos indicam que, conforme o homem vai ficando mais velho, a testosterona (hormônio sexual masculino) vai diminuindo. Dessa forma, junto com os problemas associados à ovulação e às trompas, as alterações do sêmen encontram-se como uma das principais causas da infertilidade.

É importante frisar que o homem é tão responsável quanto a mulher quando o assunto é  infertilidade. Em até metade dos casos, o fator masculino está presente. Em 10% dos casais inférteis não descobrimos uma causa específica. Dos outros 90%, um terço  é sobre um fator feminino isolado, um terço sobre o fator masculino e outro um terço é uma associação de fatores, tanto feminino, quanto masculino. Tanto o homem quanto a mulher precisam ser examinados em caso de infertilidade”, afirma o médico especialista em reprodução humana Matheus Roque. 

De acordo com Silvio Pires, urologista da Criogênesis, de fato a idade interfere na fertilidade do homem, mas de maneira menos incisiva que na mulher. “Na grande maioria dos casos, essa queda não altera a fertilidade, apenas a frequência de espermatozoide produzido e a quantidade de líquido ejaculado, mas nada que seja tão significativo a ponto de deixá-lo infértil”, esclarece.

Uso de drogas e álcool influencia

Atualmente sabemos que a qualidade do sêmen diminui com a idade, principalmente após os 45 anos. O especialista ainda comenta que, apesar de a infertilidade masculina ser desconhecida, na maioria das vezes, o uso de drogas e álcool são indutores. Outros pontos importantes que devem ser avaliados, uma vez que podem interferir na qualidade do sêmen, são obesidade, tabagismo, presença de varicocele e o uso de substâncias e medicações, dentre as quais se destacam os anabolizantes e derivados de testosterona.

“Outros fatores também podem desencadear o problema, como por exemplo, a exposição a substâncias tóxicas, como medicamentos usados em quimioterapia e a radiação ionizante. Além disso, infecções que levam à inflamação dos testículos também podem estar envolvidas, como exemplo a varicocele, outra importante causa de alteração da função testicular”, informa o dr Pires.

Na maioria das vezes não conseguimos detectar a causa das alterações apresentadas pelos homens. Contudo, é necessário realizar uma investigação para se afastar alterações genéticas, como a Síndrome de Klinefelter, ou as microdeleções do cromossomo Y e doenças como a fibrose cística, o hipotireoidismo e a caxumba, por exemplo.

Idade interfere menos no homem

Uma pesquisa liderada pela especialista em biologia reprodutiva Laura Dodge, do Centro Médico Diaconisa Beth Israel e da Escola de Medicina de Harvard, dos Estados Unidos, analisou entre 2000 e 2014 mais de 19 mil ciclos de fertilização in vitro em 7.753 casais. Eles dividiram os casos em quatro faixas etárias para as mulheres – menos de 30 anos, 30 a 35 anos, 35 a 40 anos e 40 a 42 anos – e cinco para os homens – as mesmas quatro delas, com uma adicional de acima de 42 anos.

Nos casais em que a mulher estava na faixa de 40 a 42 anos, a taxa foi menor, com a idade do parceiro aparentemente não tendo nenhuma influência no resultado. Nas demais faixas etárias das mulheres, no entanto, a idade do homem teve uma grande influência na taxa de nascimentos, que caiu à medida que eles eram mais velhos.

Esses fatores normalmente não estão relacionados a alterações cromossômicas do embrião, como no caso da maternidade tardia. Mas, o avanço de idade dos homens está associado ao maior risco de autismo e doenças psiquiátricas como esquizofrenia e depressão. Então imagina-se que homens acima dos 50 anos de idade apresentem esses riscos aumentados”, comenta Matheus Roque.

Homens podem congelar espermatozóides

Para os homens que preferem postergar a paternidade, uma opção para impedir que as mutações genéticas interfiram em uma gestação é o congelamento de espermatozoides. “As amostras são congeladas em um meio crioprotetor – que impede a formação de cristais e reduz os danos que o congelamento causa às células – e mantidas em nitrogênio líquido à temperatura de -196ºC, podendo permanecer congeladas por tempo indeterminado”, explica Dr. Silvio.

Roque também informa que homens que vão se submeter ao tratamento de câncer, tendo que passar por quimioterapia ou radioterapia, ou que passarão por alguma cirurgia na região testicular ou próstata, ou ainda se foi diagnosticado com varicocele, doença que piora a qualidade do sêmen, podem fazer esse procedimento pensando na preservação da qualidade do sêmen, sem um limite de idade.

Tumores nos testículos, linfoma, leucemia ou outros tipos de câncer podem causar alterações na produção de espermatozoides ou mesmo alguma lesão à função testicular, também interferindo na fertilidade. Portanto, é imprescindível congelar o material antes de iniciar o tratamento, pois este sêmen pode, com consideráveis taxas de sucesso, ser utilizado futuramente para tratamento de reprodução assistida (inseminação intrauterina ou fertilização in-vitro (FIV)) possibilitando a paternidade”, finaliza o urologista.

Congelamento de óvulos após os 30

Já para as mulheres que querem ser mães após o 30 anos de idade mas ainda não estão tentando engravidar , o congelamento de óvulos é um procedimento 100% recomendado pelos médicos, já que preserva a fertilidade e autonomia na escolha da idade de se ter uma gestação, aumentando as chances de gravidez no futuro, caso esta mulher não engravide naturalmente. Além de diminuir os riscos de aborto e  síndromes cromossômicas.Mas e no caso dos homens? Conforme aponta Roque, o congelamento de sêmen pode ser uma alternativa sim, mas apenas em casos específicos.

“Ele não é indicado com a mesma relevância como o da mulher, que todo homem deveria congelar pensando no fator idade. O homem,  teoricamente, não tem uma contraindicação para tentar engravidar sua parceira, pois independente da idade, ele produz espermatozoides e pode ser pai de maneira natural ou com tratamentos. Mas o indicado é que ele tenha um acompanhamento médico periódico e, caso demonstre qualquer modificação na qualidade do sêmen, é indicado que faça o procedimento”, ressalta oo especialista.

Se o casal está tentando engravidar sem sucesso por mais de um ano, ou então mais de 6 meses com a idade da mulher a partir dos 36 anos é preciso procurar auxílio médico, pois há alterações corrigíveis que podemos descobrir e potencializar as chances de gravidez do casal”, comenta.

Causas da infertilidade masculina

• Nem todos os espermatozoides são capazes de fecundar o óvulo. Muitos deles apresentam alterações de forma e motilidade. De acordo com os parâmetros atuais de avaliação seminal, a Organização Mundial da Saúde, uma amostra de sêmen normal deveria apresentar uma concentração de pelo menos 15milhões de espermatozoides por mL de ejaculado e esses devem apresentar uma motilidade progressiva de pelo menos 32%.

• O tabagismo pode causar a redução da qualidade do sêmen, além de provocar distúrbios hormonais. Além disso, a má alimentação, falta de exercícios físicos e a obesidade podem contribuir para a infertilidade masculina diminuindo a qualidade do sêmen e aumentando o grau de fragmentação do DNA dos espermatozoides.

• A varicocele, caracterizada pela dilatação das veias na região testicular, também está associada à diminuição da mobilidade e a produção de espermatozoides, principalmente nos casos onde a dilatação venosa é detectada ao exame clínico do homem

• A zoospermia é uma situação em que nenhum espermatozoide é detectado no sémen ejaculado do indivíduo. Ela pode ser de origem obstrutiva, como por exemplo ocorre nas cirurgias de vasectomia, obstrução traumática, problema congênito ou infeccioso. Contudo, também pode ter origem não obstrutiva, nesse caso, é necessário avaliar se o testículo está funcionando, ou em falência, assim como condições que cursam com ejaculações retrógradas, isto é, quando o sêmen vai para a bexiga, ao invés da uretra.

• O uso de drogas e anabolizantes, além do contato com agrotóxicos pode contribuir para um agravamento da infertilidade. Além disso, há diversas doenças genéticas que podem causá-la. Contudo, na maioria dos casos de infertilidade de origem masculina, ainda não conseguimos definir uma causa para ela.

• Outros fatores podem tornar o homem infértil. O envelhecimento é um exemplo, pois provoca alterações que levam a uma redução na produção de espermatozoides e de esperma. Conforme dito acima, os parâmetros seminais tendem a piorar a partir dos 45 anos.

Tratamentos indicados

No caso específico dos homens, há diversos tratamentos disponíveis, devendo procurar o mais adequado de acordo com a alteração apresentada.

>inseminação intra uterina,

>fertilização in vitro;

>fertilização por ICSI;

>PESA – punção aspirativa de espermatozoides do Epididimo;

>TESE e microTESE- técnica de aspiração de espermatozoides do testículo

Da Redação, com Assessorias

In the news
Leia Mais