Câncer infantojuvenil tem taxa de cura de até 80%

Especialistas alertam para importância de identificar precocemente os sintomas. Campanha estimula doações para a Casa Ronald McDonald do Rio de Janeiro, que faz 25 anos

Casa Ronald McDonald´s comemora 25 anos com campanha de doações (Foto: Divulgação)

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca),câncer já representa a primeira causa de morte por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos, no Brasil. Os óbitos em decorrência da enfermidade representam 8% do total nessa faixa etária. Apesar das estatísticas, se diagnosticados e tratados precocemente, as taxas de cura podem chegar a 80% das crianças e adolescentes acometidos pela doença.

No dia 23 de novembro é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil. A data foi instituída por meio da Lei nº 11.650/2008 com o objetivo, entre outros, de estimular ações educativas e preventivas relacionadas à doença, estimulando a disseminação de informações sobre, por exemplo, como identificar os sintomas, tendo em vista a importância do diagnóstico precoce para aumentar as chances de cura.

No Brasil, o tempo entre a percepção de sintomas e a confirmação diagnóstica do câncer infantil e juvenil é longo e por isso muitos pacientes chegam ao tratamento em fase avançada da doença. De acordo com pesquisa realizada pelo Inca, cerca de 80,8% dos pacientes que iniciaram o tratamento da doença chegaram ao hospital sem diagnóstico.

Na década de 90, as chances de cura do câncer infantojuvenil no Brasil eram de apenas 15%. Hoje, estudos do Inca e do Ministério da Saúde apontam que a taxa de média de cura no Brasil é de 64%. No Brasil, estima-se que a cada ano surgem 12.500 novos casos acometidos pela doença, segundo o Inca. Desse total, cerca de 6.200 crianças são tratadas em hospitais públicos e cerca de 3.800 podem estar morrendo sem ao menos receber o diagnóstico ou ter o tratamento adequado.

Principais sintomas

A cada hora, um novo caso de câncer surge em crianças e jovens no Brasil, mas os seus sintomas podem ser silenciosos, principalmente porque se confundem com outros sinais de doenças comuns da infância, como febre ou dores de crescimento. Assim, os profissionais de saúde precisam ter conhecimento sobre os riscos da enfermidade e saber o encaminhamento adequado para as crianças ou adolescentes que apresentam possíveis sintomas.

A data é importante como alerta para os pais e responsáveis, pois o câncer infantil tem sintomas muito parecidos às tradicionais doenças das crianças, tais como: vermelhidão, febre alta, dor abdominal, manchas arroxeadas, dentre outros sintomas. E quanto mais rápido é o diagnóstico, maiores são as chances de cura, chegando à média de 70% quando o tratamento ocorre em centros especializados, que oferecem métodos modernos de cirurgias, quimioterapia, radioterapia e transplante de medula óssea.

“É preciso reconhecer os principais sinais e sintomas para ampliar as chances de cura das crianças e adolescentes e diminuir também o sofrimento e as sequelas do tratamento. Em crianças, os tipos de câncer mais frequentes são as leucemias. Cerca de 30% das crianças com câncer possuem algum tipo de leucemia, que tem como principais sinais e sintomas: a anemia, palidez de pele e mucosas, que pode vir ou não associada a febre”, explica Carmem Fiori, especialista em Oncologia Pediátrica.
Ela ainda destaca que todos devem se alertar para esses sintomas e, por isso, é muito importante falar mais sobre a doença. “Dores de cabeça muito fortes, por exemplo, podem indicar tumores no sistema nervoso central. Muitas vezes essas dores aparecem intensas e durante a noite, chegando até a acordar a criança. Podem vir acompanhada de náuseas ou vômitos. Algumas vezes a criança acorda, vomita e volta a dormir. Isso não é normal, e deve acender o alerta de que pode ser uma doença mais grave”, orienta a médica.

Tipos mais frequentes

“Os pais ou responsáveis devem estar atentos e procurar avaliação médica se notarem sintomas como palidez, caroços ou inchaços, especialmente se forem indolores e sem febre, perda de peso sem razão aparente, dores de cabeça, principalmente se persistente”, alerta a oncologista do Hospital do Câncer Anchieta, Regina Vidal. A médica chama a atenção para a necessidade de um tratamento que envolva uma equipe multidisciplinar e busque diminuir os efeitos adversos das intervenções.

Os tipos mais frequentes na população infantojuvenil são as leucemias (que atingem os glóbulos brancos), tumores cerebrais e do sistema nervoso central, e linfomas (que se iniciam nos linfócitos – células que fazem parte do sistema imunológico). O diagnóstico é feito por meio de exames laboratoriais, de imagem e realização de biópsia. As opções de tratamento variam caso a caso e podem envolver uma ou mais abordagens terapêuticas como quimioterapia, radioterapia e cirurgia.

O GRAACC, hospital de referência no tratamento oncológico pediátrico e especializado em casos de alta complexidade, conta com a experiência de 28 anos no tratamento de crianças e adolescentes com câncer, oncologistas pediátricos preparados, equipe multiprofissional altamente especializada e uma estrutura completa, possibilitada por doações de pessoas físicas e jurídicas. Em 2018, o Hospital do GRAACC atendeu mais de 4,2 mil crianças e adolescentes com câncer, tendo realizado mais de 38 mil consultas, 2 mil procedimentos cirúrgicos e 19 mil sessões de quimioterapia.

Desafios para aumentar as chances de cura

Os sintomas do câncer infantil e juvenil podem se confundir com doenças comuns da infância. Por isso, os médicos precisam estar capacitados e atentos para suspeitar e realizar o encaminhamento adequado. A especialista também ressalta os principais desafios para ampliar as chances de cura no Brasil.
“A suspeita diagnóstica ainda está aquém do ideal. As vezes a dificuldade no diagnóstico acontece por ser uma doença rara, em que os sintomas se confundem com outras doenças e os próprios médicos não estão capacitados para o diagnóstico precoce do câncer. O que fazemos através do Instituto Ronald McDonald, capacitando profissionais para que eles suspeitem e encaminhem mais rapidamente as crianças com suspeita de câncer, é uma das principais ações que garantem maiores chances de cura e menores sequelas do tratamento”, finaliza.
O Instituto Ronald McDonald investe na ampliação das chances de cura em crianças e adolescentes com câncer no Brasil através do Programa Diagnóstico Precoce, que capacita profissionais da saúde para identificar a doença precocemente. Em 2019, a metodologia do Programa Diagnóstico Precoce possibilitou a ampliação do público capacitado: não só os profissionais da Atenção Básica de Saúde receberão a capacitação, mas também pediatras da rede SUS e privada, estudantes de medicina e outros profissionais que lidam diretamente no cuidado da criança e do adolescente.A carga-horaria do curso é dividida entre Capacitação e Sensibilização e depende do público-alvo a ser alcançado.

“Identificar precocemente o câncer infantojuvenil é determinante para que o tratamento tenha mais chances de apresentar resultados positivos. Os sinais do câncer na infância muitas vezes são imprecisos e por isso é importante que os pais fiquem sempre alertas. O câncer hoje é uma das doenças que mais mata na faixa etária entre 1 e 19 anos”, reforça o superintendente do Instituto Ronald McDonald, Francisco Neves.

Conheça os principais sintomas do câncer infantil e juvenil

· Febre;

· Vômito;

· Constipação;

· Aumento do volume na barriga;

· Tosse;

· Dor de cabeça;

· Crescimento dos gânglios linfáticos (especialmente pescoço, axila e virilha);

· Sangue na urina;

· Palidez da pele e mucosas;

· Roxos na pele sem que haja atrito ou queda;

· Dor óssea/muscular

 

Tratamento com cordão de medula óssea

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) revelam que, nos últimos 20 anos, o número de novos casos de câncer em crianças com idade até 14 anos cresceu 13% no mundo. Nessa faixa etária, os cânceres mais comuns são as leucemias (doença que afeta os glóbulos brancos), os do sistema nervoso central e linfomas (que atinge o sistema linfático).

De acordo com Nelson Tatsui, diretor-técnico do Grupo Criogênesis e Hematologista do HC-FMUSP, habitualmente o câncer infanto-juvenil não apresenta uma causa específica em que se possa atuar preventivamente. “Ao contrário de muitos cânceres em adultos, os casos em crianças e adolescentes não estão ligados ao estilo de vida e a fatores de risco ambientais. Dessa forma, os responsáveis devem estar atentos a quaisquer sinais relacionados a nódulos ou inchaços, convulsões, dores progressivas, febres persistentes, perda de peso ou alterações súbitas de visão, assim como qualquer outro mal-estar persistente”.

Uma importante inovação para o tratamento de alguns tipos da patologia é a utilização do sangue do cordão umbilical, que assim como a medula óssea, é rico em células-tronco que podem originar diversos tipos de tecidos.  “As células-tronco são células ‘mães’, capazes de criar os componentes do sangue humano e do sistema imunológico do corpo. A partir dessas células, formam-se glóbulos vermelhos, que levam o oxigênio aos tecidos; glóbulos brancos, que combatem infecções; e plaquetas, que atua na coagulação”, explica.

Para Tatsui, ter as células-tronco armazenadas é uma forma de prevenção. Além disso, nos casos de família com histórico de doenças graves, sobretudo câncer, é recomendável fazer o congelamento. “É importante destacar que as células-tronco, além de serem compatíveis com o próprio bebê, possuem uma chance aumentada de compatibilidade entre irmãos. Com as células criopreservadas, há maior rapidez no tratamento e diminuição dos riscos de rejeição e efeitos colaterais após o transplante”, finaliza.

Casa que já acolheu 3 mil crianças no Rio recebe doações

A música “Sempre Assim”, do grupo Jota Quest, foi a escolhida para embalar, até o final do ano, a campanha de aniversário da Casa Ronald McDonald do Rio de Janeiro, que está comemorando 25 anos de história. A ação que tem como mote a frase “25 anos Vai ser Sempre Assim” destaca a importância de se manter a qualidade dos serviços oferecidos às famílias, visando à melhoria da qualidade de vida de mais de 3 mil crianças e adolescentes, além da contribuição para o aumento do í­ndice de cura da doença.

A Casa Ronald McDonald do Rio de Janeiro é uma Instituição sem fins lucrativos que tem como missão “dar atenção integral às crianças e adolescentes portadores de câncer e às suas famílias”.  Pioneira na América Latina e no Brasil, tem como função zelar pelos padrões internacionais de instalação e operação, que garantam um excelente atendimento social em benefício da luta contra o câncer infantojuvenil.  Hoje, são mais de 35 mil hospedagens, 188 mil refeições e mais de 13 mil translados ao ano.

Desde que foi criada, a casa já recebeu mais de 3 mil crianças e hoje conta com 57 hóspedes que realizam seus tratamentos nos principais hospitais públicos da cidade, junto aos seus responsáveis. Vindos de diversas regiões do país e até do exterior para fazer tratamento no Rio de Janeiro, os pacientes recebem no local apoio de alimentação, hospedagem, transporte, educação, entretenimento e cursos profissionalizantes. Há ainda Programas complementares de Atenção Integral às famílias, com apoio social e psicossocial.

Grande parte das atividades realizadas é feita por voluntários, pessoas que doam seu tempo e carinho para que todos sejam atendidos naquilo que possuem de mais precioso: a plenitude da vida! Nesta campanha, celebramos vitórias e mostraremos para a sociedade o trabalho desenvolvido, que beneficia milhares de crianças e adolescentes atendidos pela Casa que amor construiu.”, afirma a presidente/voluntária Sonia Neves.

Conheça a história de Sônia Neves, fundadora da Casa

Campanha de doações vai até 31 de dezembro

Para potencializar o volume das doações, a instituição se aproximou de influenciadores digitais e empresas, que tenham interesse em motivar pessoas a contribuírem com a Casa. Para o “Desafio Solidário” foram selecionados sete influenciadores digitais, que estão estimulando seus seguidores a fazer doações no formato de microdoações para a casa.

Qualquer pessoa pode participar e escolher doar, até o dia 31 de dezembro, em nome de um dos times de Influenciadores Digitais no hotsite www.casaronald25anos.com.br/ A proposta é que o influenciador que conseguir mais recursos, seja o líder oficial das campanhas digitais da casa.

Até 21 de dezembro, em parceria com o portal Kickante, a Casa Ronald RJ promove a campanha “KG do Amor”, para impulsionar investimentos de doações em prol do Programa Bolsa de Alimentos. A ação visa angariar recursos até o final do ano de 2019 e garantir 8 meses de distribuição de Bolsas em 2020. https://www.kickante.com.br/casaronaldrj. Para doações online: https://www.casaronald.org.br/doe. 

No dia 7 de dezembro, para celebrar com o público externo, a Casa Ronald vai promover uma Feijoada na quadra da Unidos da Tijuca, no Rio de Janeiro, com convidados do Padre Omar, em parceria com a Ticket Rio e Barra Mídia.

Veja o vídeo da campanha

No vídeo exclusivo, assinado pela agência Kindle e protagonizado por hóspedes e voluntários da Casa Ronald, é mostrado o dia a dia deles na Instituição, reforçado por números que comprovam o resultado de um trabalho bem sucedido. A produção do filme também contou com o apoio da Estúdio Vertical, Evoque Audiovisual, Alphabeto, Pop Gráfica, Agência Cintra, Fotógrafo Ique Esteves (Visual Arts) e Eurobráz Móveis.

O Encontro de Influenciadores, realizado em parceria com o Centro de Convenções Sulamérica, visou arrecadar recursos na doação online e lançar oficialmente a campanha de 25 Anos. O evento contou com a presença de Kaysar Dadour, do casal Papito e Eva, do youtuber Peter Jordan, Leo Stronda, entre outros.

A festa de 25 anos, realizada no dia 24 de outubro, reuniu representantes de empresas parceiras, fundadores e influenciadores que apoiam a instituição, entre eles os atores Luiza Valderato, Marcela Monteiro e Victor Figueiredo, Camila Rossado, Eva ex-participante do BBB, o ex-jogador Juan e a esposa Monick, e os influenciadores Sofia Vallin e Apollo Costa.

Ainda em outubro, a artista Rafa Mon doou seu trabalho para ilustrar o painel de entrada da Casa Ronald e alegrar o dia dos visitantes e das famílias que circulam na instituição. Este projeto de arte beneficente conta com a parceria da empresa Montana Spray Planet.  No dia 26, Vasco e Flamengo realizaram uma partida do Campeonato Carioca com parte do leilão solidário em prol da Casa.

Com assessorias

Por Favor, Compartilhe!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais