Diversidade na paternidade: com quantos pais se faz uma família?

Live do #PapodePandemia traz histórias incríveis de SuperAção de dois pais: Cezar Sant´Anna, homem trans, e Beto Souza, homem cis gay

Cézar é pai da adolescente Fernanda, de 14 anos, gerada por ele antes da transição (Foto: Divulgação)

A recente polêmica em torno da participação de Thammy Miranda em uma campanha da Natura para o Dia dos Pais dividiu opiniões nas redes sociais. Uma pesquisa mostrou que 70% são a favor da escolha do ator transgênero para representar os pais na data dedicada a eles. E você, o que pensa a respeito? Homens trans ou gays não podem ser considerados pais, mesmo quando geram os próprios filhos, por diferentes métodos conceptivos, ou ainda quando os adotam ou criam? Afinal, com quantos pais se faz uma família?

Para celebrar a diversidade na paternidade, neste sábado (8/8), véspera do Dia dos Pais, a jornalista Rosayne Macedo conversa no #PapodePandemia com o closer e ativista de Direitos LGBTI Cézar Sant’ Anna, homem trans e pai de Fernanda, uma adolescente de 14 anos gerada antes de sua transição. Outro convidado é o empresário e DJ Beto Souza, homem cis gay, pai dos gêmeos Valentin e Natalie, de 5 anos, concebidos com sêmen dele e de seu ex-companheiro em uma barriga de aluguel nos Estados Unidos.

Confira o bate papo virtual no Facebook do Portal ViDA & Ação.

Queremos rediscutir o papel dos pais no contexto atual, que exige de todos nós o respeito à diversidade e a todas as formas de afeto e acolhimento. Com tantas crianças desamparadas, que sofrem abusos dentro de casa, ainda cabe ainda esse tipo de preconceito? Afinal, o que define a paternidade?”, questiona Rosayne, que é mãe – muitas vezes ‘pãe’ – da Maria Clara, de 14 anos, autora dos cards que ilustram a série #PapodePandemia.

Live do #PapodePandemia discute a diversidade na paternidade neste sábado, véspera do Dia dos Pais (Arte: Clarinha)

Sobre os convidados

Cézar Sant´Anna, nascido em São Paulo há 32 anos como Beatriz, gerou Fernanda, hoje com 14. Em 2015, ele decidiu iniciar seu processo de transição: retirou os seios, fez tratamento hormonal e assumiu sua nova identidade social. Cezar hoje é envolvido com a militância sobre a causa trans e desde 2017 realiza palestras sobre os direitos LGBT, família e paternidade trans, os desafios sociais da transexualidade. Em 2018, foi vencedor na categoria de melhor filme no Festival de Cannes com True Colors, em que representa ele mesmo, acompanhado de um ator mirim.

Em 2014, Roberto de Souza, o Beto, e seu então marido Marco Aurélio Dias passaram uma temporada nos Estados Unidos para realizar um sonho: ser pais biológicos, ao mesmo tempo, de um filho de ambos. Na inseminação artificial numa barriga de aluguel, usando sêmen do casal de empresários, nasceram os gêmeos Valentin e Natalie. As certidões de nascimento dos filhos como cidadãos americanos — feitas ainda no hospital, em San Diego, trazem Marco e Beto como pais. Com isso, ao chegar no Brasil, não precisaram de uma decisão judicial para ter a paternidade reconhecida – em outros casos, o segundo pai aparece como adotivo.

Beto Souza com os filhos Valentin e Natalie: o amor ultrapassa fronteiras (Foto: Divulgação)

Como ressignificar a paternidade

Para Rosayne, nesses tempos de tanto sofrimento e falta de empatia, é preciso refletir e ressignificar a paternidade sob diferentes pontos de vista, como genitores, provedores, tutores… “E os pais que não assumem seu papel de educadores na vida de uma criança ou adolescente? E aqueles que não se preocupam em prover o mínimo para seus filhos, cumprindo seu dever de protetores, mais do que genitores? E os que não cumprem determinação judicial da pensão alimentícia, impondo às mulheres o dever de prover a subsistência dos filhos, que deve ser uma obrigação dos dois?”, reflete.

Além de levantar o debate e ouvir opiniões, a live faz uma homenagem aos diferentes modelos de paternidade que podem – e devem – ser incentivados, especialmente em um país onde há tantas crianças e adolescentes aguardando numa fila de adoção e outras tantas sem o registro do campo ‘pai’ em sua filiação na certidão de nascimento ou na carteira de identidade. “Lembramos ainda que nestes tempos de pandemia muitos pais estão redescobrindo ou resgatando seu papel junto aos filhos, o que é muito importante para o fortalecimento desse vínculo afetivo”, afirma a jornalista.

O amor não tem gênero: confira o curta que conquistou Cannes

Sobre a apresentadora

Jornalizada especializada em Saúde há mais de 6 anos, Rosayne Macedo é empreendedora, consultora, palestrante e mãe da Clarinha, uma adolescente de 14 anos. Fundou e dirige desde 2010 a TAO Inteligência em Comunicação, especializada em produção de conteúdo, projetos digitais e eventos. Em 5 de junho de 2016, Dia Mundial do Meio Ambiente, criou o blog ViDA & Ação, projeto autoral inicialmente hospedado no Dia Online, que se tornou um site independente em agosto de 2017.

Rosayne é pós-graduada em Comunicação Empresarial e com MBA em Gestão do Conhecimento e Inteligência Empresarial (MBKM/Crie/Coppe/UFRJ), com especializações em Jornalismo de Políticas Públicas Sociais (UFRJ), Coaching e Marketing Digital, entre outras. Nas áreas de Saúde e Bem-Estar e Sustentabilidade, foi editora-assistente, colunista e blogueira no jornal O Dia; repórter da revista Pense Leve, editora das revistas Mundo Verde e Esporte & Vida e consultora em Comunicação pela Opas (Organização Pan-Americana de Saúde).

Projeto surgiu em junho, no quarto aniversário do ViDA & Ação

O #PapodePandemia é um projeto criado em junho de 2020, por ocasião do quarto aniversário do Portal ViDA & Ação, voltado para os temas de saúde, bem-estar, qualidade de vida e sustentabilidade. A proposta é promover conversas virtuais semanalmente sobre temas importantes da atualidade de uma maneira mais simples, leve e descontraída, durante o período de enfrentamento da pandemia mundial do novo coronavírus.

Além de especialistas em diferentes áreas, o projeto traz histórias incríveis pessoas comuns que contam suas experiências de SuperAção em diferentes contextos. Apresentadas pela jornalista Rosayne Macedo, editora do Portal ViDA & Ação, as lives contam com a participação do público por meio de mensagens em tempo real.

Os encontros são promovidos pela plataforma StreamYard, sendo transmitidos ao vivo pelo Facebook e ficam disponíveis na íntegra também no canal do site no Youtube, com uma edição especial no IGTV do perfil @vidaeacao, além de contar com ampla divulgação nas redes sociais e em grupos especializados nos temas afins no Facebook e Whatsapp, com apoio do grupo JornalistasRJ. Para sugestões de pauta, envie email para papodepandemia@vidaeacao.com.br.

Veja as edições anteriores do nosso Papo de Pandemia

LIVE 1 – 5 de junho de 2020

Como ser sustentável em tempos de pandemia

LIVE 2 – 13 de junho de 2020

Pandemia ou pandemônio: como evitar conflitos familiares

LIVE 3 – 20 de junho de 2020

Como controlar a ansiedade com hipnose a distância

LIVE 4 – 27 de junho de 2020

Álcool e Outras Drogas: Apoio ou Ilusão? 

LIVE 5 – 4 de julho de 2020

Lindas, Empoderadas e Sem Limites

LIVE 6 – 11 de julho de 2020

Da ‘gripezinha’ aos 70 mil mortos: a realidade sem máscaras

LIVE 7 – 18 de julho de 2020

Adolescentes confinados, mentes aborrecidas ou criativas

LIVE 8 – 25 de julho de 2020

Os riscos da volta às aulas com o fim do isolamento

LIVE 9 – 01 de agosto de 2020

A cura do câncer tem pressa: como evitar uma epidemia na pós-pandemia

LIVE 10 – 05 de agosto de 2020

As lições do ex-ministro que enfrentou a epidemia de H1N1