Crime por transfobia denunciado por ViDA & Ação é tema de debate

Motivados pelo assassinato de Michelly, travesti de 16 anos, em Itaperuna (RJ), jornalistas, ativistas do movimento LGTI e de direitos humanos e autoridades públicas se encontram nesta terça (24)

Família de Michelly (ou Miguel) faz homenagem
Miguel-Michelly
Michelly, de 16 anos, morreu com cinco tiros num ponto de prostituição em Itaperuna (Foto: Álbum de Família)

A professora Patrícia Macedo Rodrigues, de 35 anos, está de férias, mas não descansa. Nem conseguirá enquanto não ver atrás das grandes os bandidos que executaram covardemente Michelly Silveira, de 16 anos, na noite de 7 de julho, num ponto de prostituição de travestis em Itaperuna, Noroeste Fluminense. A mãe não se conforma com o crime, que tem claras conotações de transfobia: Michelly era o nome social adotado por Luís Miguel Macedo Rodrigues, morto com cinco tiros por dois homens que conseguiram escapar numa motocicleta. Na cidade, circulam informações de que o crime teria sido motivado por uma discussão, gravada em vídeo, em que a travesti cobra dívida de R$ 50 de um programa a um suposto cliente. A família temia pela segurança de Michelly e vinha lutando para tirá-la das ruas (leia mais aqui).

Nesta terça-feira (24), um primeiro sinal de que Patrícia pode ter esperanças de justiça será dado a 360 quilômetros do local do crime. Jornalistas, ativistas do movimento LGTI e de direitos humanos e autoridades públicas vão se reunir na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro para discutir não só o tratamento preconceituoso dado por segmentos da imprensa regional a casos como este, mas como as vítimas e seus familiares são tratados pela sociedade em geral, incluindo agentes públicos de segurança.

Estão confirmados, dentre outros, Marcelo Chalréo, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ)Kátia Soares, coordenadora do Centro de Cidadania LGBT Capital (representando Ernani Alexandre Ferreira, superintendente de Políticas Públicas do programa estadual Rio Sem Homofobia); e Lívia Casseres, defensora pública do Núcleo de Defesa da Diversidade (Nudiversis).

Também vão participar, entre outros, Andrea Brazil, presidente da Associação de Travestis e Pessoas Transexuais do Estado (Astra RJ); Indianare Siqueira, presidente da Casa Nem; Luciano Soares, mestre em Saúde Pública pela Fiocruz;  os médicos Márcio Meirelles, Sebastião Amoedo e Acyr Gonçalo, do Observatório da Saúde, e os jornalistas Felipe Martins, editor de LGBTi da Revista Forum; Wilson Pinheiro, editor do Portal Comunicação Colorida; Rosayne Macedo, editora de ViDA & Ação; Elza Calazans, do Observatório de Saúde; Marcio Anastácio, assessor do deputado Jean Willys, e Felipe Martins, da Target  Comunicação. A roda de conversa será comandada pelas jornalistas Malu Fernandes e Lúcia Guerra, diretoras do Sindicato.

Sensação de medo e impotência

“O Miguel (Patrícia chama Michelly pelo nome do batismo) era um menino muito verdadeiro. Sempre falava a verdade. Ele reconhecia seus erros e queria deixar a rua. Falou isso para o pai dias antes de ser morto. Estava cansado dessa vida e queria mudar, voltar a estudar, ter uma vida normal”, conta Patrícia, lembrando que a família respeitava sua nova identidade sexual. A professora está ainda muito abalada emocionalmente e sob poder de medicação.

Patrícia, que vive com o marido e mais dois filhos – um deles de 5 anos – em São Francisco de Itabapoana, no litoral norte-fluminense, não poderá estar presente para acompanhar os debates. “Mas espero que essa mobilização toda nos ajude a ter uma resposta. Queremos que o crime seja investigado e os culpados, condenados e punidos com o rigor da lei. O que fizeram foi muita covardia. Até hoje não consigo entender”, disse ela.

“Vamos colocar toda a equipe do Centro de Cidadania da Capital à disposição do caso da Michelly e seus familiares”, disse Ernane Alexandre, que está acompanhando o caso junto à 143º DP (Itaperuna). O presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, Marcelo Chalréo, também está acompanhando de perto o caso e se se colocou à disposição da família. O deputado federal Jean Willis, líder da bancada LGBTI no Congresso Nacional, também designou assessores para colaborar com as iniciativas. O objetivo é que o crime seja esclarecido o mais rápido possível e os suspeitos sejam detidos, investigados e, se considerados culpados, sejam punidos.