Depois de Paquetá, é a vez da Ilha Grande: vacinação em massa para turismo consciente

2.888 moradores com 18 anos ou mais foram vacinados. Estudo epidemiológico avaliará reações adversas e resposta imunológica após 30 dias

Moradora da Ilha Grande recebe vacina da Janssen contra a Covid-19 (Foto: Wagner Gusmão / Angra News)

A paradisíaca Ilha Grande, na Costa Verde do Estado do Rio de Janeiro, recebeu neste sábado (10/7), um mutirão de vacinação em massa contra a Covid-19. Ao todo, 2.888 moradores da ilha com 18 anos ou mais foram imunizados com a vacina Janssen, de dose única. A ação promovida pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), em conjunto com a Prefeitura de Angra dos Reis, é semelhante à realizada na Ilha de Paquetá, numa parceria da Prefeitura do Rio com a Fiocruz (veja aqui).

A “VacinAÇÃO Ilha Grande” será acompanhada de um estudo epidemiológico para monitorar a imunização em massa, ou seja, se 30 dias após a ação a população desenvolveu resposta imunológica, e também monitorar possíveis efeitos adversos entre sete e 30 dias após a vacinação. Será avaliada ainda a frequência de casos de Covid-19 na população da Ilha Grande, em comparação com o número de casos do município, antes e depois da vacinação.

A vacinação de toda a população com 18 anos ou mais nos permitirá avaliar os efeitos da vacina, assim como a resposta imunológica da população. Em 30 dias, realizaremos teste sorológico nas pessoas imunizadas para fazermos avaliação do cenário”, explicou o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe. 

O governador Claudio Castro (à esquerda) acompanhou a vacinação na Ilha Grande (Foto: Carlos Magno/GovRJ)

Na Vila do Abraão, o principal povoado da ilha, o governador Claudio Castro participou do início do projeto VacinAção Ilha Grande. “Queremos toda a população do estado vacinada para que nossa vida volte ao normal. Aqui, além de proteger todos, também estamos incentivando o turismo consciente. Precisamos vacinar, tomar a segunda dose e não escolher vacina” , afirmou.

Para o prefeito de Angra, Fernando Jordão, a iniciativa é um marco para o Estado do Rio. “Vacinar todas as pessoas daqui representa a proteção da população e o retorno da economia. Essa iniciativa também repercute no Brasil e no mundo, já que a ilha é patrimônio mundial da Unesco“, disse.

Equipe da Saúde chega para vacinação em massa na Ilha Grande (Foto: Carlos Magno/SES-RJ)

Mais de 270 mil doses distribuídas no estado

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) realizou nesta sexta-feira e sábado (dias 9 e 10), a entrega de 274.024 doses de vacinas contra a Covid-19 aos 92 municípios do estado. Ao todo, são distribuídas 172.824 doses da Pfizer para primeira aplicação, e 101.200 doses da vacina CoronaVac, divididas para primeira e segunda aplicação, ou seja, 50.600 para D1 e 50.600 para D2.

Os municípios do Rio de Janeiro e São Gonçalo fizeram a retirada, nesta sexta-feira (09.07), diretamente na Coordenação Geral de Armazenagem (CGA) da SES, em Niterói. A partir das 7h deste sábado (10.07), retiram as vacinas no CGA os municípios de Niterói, Itaboraí e Maricá, e saem também do local os comboios de vans e caminhões para entregar os imunizantes aos municípios das regiões Metropolitana I e II, Médio Paraíba, Serrana, Centro Sul e Baixada Litorânea, com escolta da Polícia Militar.

Às 8h, três helicópteros levarão as vacinas para as regiões da Costa Verde, Norte e Noroeste, sendo uma aeronave da Saúde, uma do Governo do Estado e uma do Corpo de Bombeiros. A SES esclarece que não há previsão de doses extras para garantir a 2ª dose da Coronavac caso o município use todas as doses como D1. Todo o volume de distribuição é feito de forma proporcional e igualitária.

A SES também ressalta a necessidade da priorização da repescagem de pessoas dos grupos prioritários já atendidos pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) nas distribuições anteriores, dando continuidade à campanha conforme recomendações da terceira edição do Calendário Único de Vacinação do Estado do Rio de Janeiro.

A cada remessa de vacinas enviada aos municípios, se aproxima o alcance da imunização coletiva. Mas, para isso, é necessário que a população retorne aos postos para a segunda dose”, afirma o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe.

Calendário Único – A Secretaria de Estado de Saúde (SES) publicou no dia 2 a terceira edição do Calendário Único de Vacinação contra Covid-19 do Estado. A nova edição acelera as datas de vacinação dos grupos por faixa etária, prevendo o término da aplicação da primeira dose até o fim de agosto. O Calendário Único em vigor foi pactuado com o Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems), com o objetivo de padronizar as ações de imunização nos 92 municípios do estado.

O calendário respeita as especificidades de cada município. Assim, algumas cidades podem estar um pouco mais adiantadas que outras, mas há uma faixa etária a ser vacinada em períodos específicos. Novas pactuações poderão ser realizadas conforme a velocidade da chegada das vacinas ao estado.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais