Preconceito impede homens de procurar um médico enquanto é tempo

Especialistas alertam para baixa procura de homens por exames de check-up no mês dedicado à conscientização

Redação

Apesar de a igualdade de gênero ser pauta recorrente em diversos debates, sabemos que o machismo ainda perdura em alguns pensamentos e, além dos malefícios sociais, muitas vezes essa falta de conhecimento pode afetar a saúde masculina. Segundo pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, 31% dos homens brasileiros não têm o hábito de ir ao médico e, quando o fazem, 70% tiveram a influência da mulher ou de filhos.

É fácil perceber que homens vão menos ao médico do que mulheres, e quando vão costumam estar acompanhados da mãe, irmã ou esposa. Levantamento feito pela Doctoralia, maior plataforma de agendamento de consultas do mundo, apontou que eles representam apenas 24% dos acessos a sua página, enquanto elas são responsáveis pelos outros 76% (120 milhões de cliques), comprovando a discrepância existente quando o assunto é prevenção.

Como sabemos, uma rotina preventiva com exames periódicos, seguindo orientações com base no histórico pessoal e familiar de cada um, é essencial para evitar surpresas desagradáveis. “Geralmente os homens procuram o médico quando há algum incômodo persistente, não existe uma cultura de consultas rotineiras”, afirma Flávio Iizuka, urologista membro da plataforma Doctoralia.

Diagnóstico precoce é essencial

O urologista Gabriel Oliveira, do Hospital Haroldo Juaçaba – que faz parte do grupo ICC -, reforça que a grande possibilidade de sucesso está no diagnóstico precoce, que pode aumentar em 90% as chances de cura. “É uma doença silenciosa e no início não gera sintomas, por isso o que temos de fazer é procurar esses indícios”, ressalta.

A recomendação da Sociedade Brasileira de Urologia é que a partir de 50 anos todos os homens devem começar o acompanhamento com urologista. Já aqueles que apresentam fatores de risco como histórico familiar, obesidade e ser da raça negra, deve começar os cuidados aos 45 anos por meio de exames de sangue frequentes e toque retal”, disse Gabriel Oliveira.

Uma vez que o câncer de próstata é assintomático no início, se atentar à rotina de exames preventivos é essencial. “Quando há histórico familiar da doença, é necessário realizar a análise sanguínea para medir os níveis de PSA (Antígeno Prostático Específico), proteína que pode indicar a presença do tumor ou alguma outra alteração na próstata, junto ao exame de toque, anualmente, a partir dos 45 anos de idade”, explica Dr Flávio.

Para homens negros, mesmo sem hereditariedade, a regra é a mesma, “não se sabe ao certo o porquê, mas a incidência da doença dentro desse grupo é em média três vezes maior”, pontua o médico. Os demais devem iniciar esse check up a partir dos 50 anos.

Além disso, o sexo masculino precisa cuidar melhor da saúde como um todo. “Se atentar à alimentação, com dietas saudáveis e balanceadas, não pode ser exclusividade da parceira, das irmãs ou amigas. Os homens também se beneficiam e muito desses hábitos saudáveis, que são de suma importância para prevenir o aparecimento de tumores e outras doenças”, finaliza o Dr. Iizuka.

Prevenção e tratamento

 São estimados 68 mil novos casos de câncer de próstata no Brasil em 2019, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). O tumor é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma), sendo o responsável por cerca de 15 mil óbitos em 2017.

O câncer de próstata pode estar relacionado com o histórico familiar, idade e obesidade. Segundo o Inca, homens acima de 65 anos são os mais diagnosticados com o tumor. De acordo com o Ministério da Saúde, este tipo de câncer geralmente tem evolução lenta e não ameaça a vida do homem. Porém, em alguns casos, pode ocorrer o efeito metástase, fazendo com que o tumor cresça rapidamente e se espalhe para outros órgãos. 

Mundialmente, o mês de novembro reforça a importância de exames que detectem esse tipo de câncer em fase precoce. O Novembro Azul é marcado por diversas iniciativas e popularizou a luta contra a doença. Praticar exercícios físicos e evitar o uso constante de álcool e cigarro pode ajudar na prevenção do câncer de próstata, mas existem outros fatores de risco como o envelhecimento e a hereditariedade que são inertes aos cuidados do homem.

É importante, ainda, manter uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, além de diminuir o consumo de alimentos ricos em gordura – principalmente os de origem de animal. Praticar atividades físicas, evitar o consumo de bebidas alcoólicas e não fumar são hábitos que também ajudam a prevenir o câncer.

Veja mais sobre a série Novembro Azul 2020:

Pandemia prejudica diagnóstico de câncer de próstata entre brasileiros

Câncer de próstata: exame preventivo dura 15 segundos e é indolor

Alimentação saudável ajuda a prevenir o câncer de próstata

Risco de depressão é 77% maior entre pacientes de câncer de próstata

Novo exame pode ajudar no diagnóstico preciso do câncer de próstata

Dança pode auxiliar no bem-estar de pacientes com câncer de próstata

Nova técnica de radioterapia promete mais eficácia em câncer de próstata

Preconceito impede homens de procurar um médico enquanto é tempo

Sinais do câncer de próstata

Causado pelo surgimento de tumores na glândula prostática, o câncer de próstata, em sua fase inicial, tem evolução silenciosa. Ainda há, por parte da população masculina, um grande tabu em relação ao tema, fazendo com que muitos deles não realizem os exames anuais a partir dos 50 anos. A campanha Novembro Azul tem como objetivo mudar esta realidade.

Em alguns casos, principalmente nos estágios iniciais, a doença é assintomática. Porém, os homens devem estar atentos aos sintomas, como as manifestações ligadas à urina, por exemplo sangue, dificuldade e diminuição do jato. Os pacientes devem sempre procurar um urologista e, se for o caso, iniciar a investigação da doença com os exames de rastreio”, finaliza Campana.

Como o câncer de próstata é assintomático, ou seja, não há qualquer sinal de que o indivíduo tenha o tumor antes que ele chegue a um nível crítico, é fundamental a realização de exames para a detecção precoce e o tratamento adequado”, ressalta o urologista Adriano Cardoso Pinto.

De acordo com o especialista, é essencial que homens, a partir dos 45 anos ou que possuem histórico familiar, realizem anualmente o exame de toque retal e/ou o exame de sangue para avaliar a dosagem de PSA (Antígeno Prostático Específico). Para ajudar na prevenção e no diagnóstico da doença, realizar o exame para a detecção é fundamental, assim como a adoção de hábitos saudáveis, através de uma alimentação equilibrada e atividades físicas regulares.

O urologista lista importantes sinais de alerta para a doença:

– Dores pélvicas;

– Dificuldade para urinar;

– Necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite;

– Diminuição do jato de urina;

– Inchaço nas pernas;

– Sangramento retal.

Pacote para homens – Atento a esta realidade, o Bronstein criou um pacote exclusivo para os homens, de forma que quem busca exames particulares possa se cuidar e aproveitar um valor mais acessível no conjunto de testes. Com este check-up, é possível identificar alterações na saúde para ampliar as chances de cura ou controle de eventuais questões.

Com Assessorias