Sapucaí segue sem passaporte sanitário, mas sobra truculência

Mesmo sem exigir comprovante de vacinação nas entradas da Sapucaí, segurança da Liesa age com truculência ao barrar jornalista do ViDA & Ação

Apesar de não exigir comprovante de vacinação para entrada na Sapucaí, Liesa muda regras e segurança impede acesso da imprensa, mas libera pessoas com a mesma credencial (Foto: Rosayne Macedo)

Além da triste ‘tragédia anunciada’ – a morte da menina Raquel, de 11 anos, após ser atingida por um carro alegórico – , o Carnaval fora de época tem sido marcado por atrasos, desorganização e muitas críticas. Apesar da denúncia do Portal ViDA & Ação, a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) – responsável pelos acessos ao Sambódromo – continua desrespeitando as normas sanitárias impostas pela Prefeitura do Rio e não exige a comprovação do esquema completo de vacinação contra a Covid-19 nas entradas para a Passarela do Samba.

Já dentro do Sambódromo, sobram truculência, arbitrariedade e desrespeito à imprensa no livre exercício da profissão, assegurado por lei. Na noite desta quinta-feira (21), a reportagem de ViDA & Ação foi barrada em um dos acessos à área de desfiles – onde na véspera havia entrado e pelo qual outros profissionais com a mesma credencial adentravam. A alegação era de que houve mudanças nas normas internas de acesso, e que o regulamento não permitia o acesso de credenciais verdes à área de Armação das escolas.

Homem identificado como chefe da segurança de cabine de acesso a pista na Sapucaí proíbe acesso de imprensa (Foto: Rosayne Macedo)

Um homem, identificado no crachá da Liesa como Antonio Carlos Ferreira Mace, da supervisão da Atam Consultoria Empresarial, que atuava como chefe da cabine de acesso, julgou que a editora (que escreve esta matéria) não estava trabalhando porque usava alguns adereços e acessórios carnavalescos. Apesar dos inúmeros apelos e da intercessão da assessoria de imprensa da Liesa, a cargo da Approach Comunicação, que buscou contemporizar o episódio, prevaleceu a truculência do funcionário, que dizia ter “mais de 30 anos trabalhando na Sapucaí”.

Claramente, houve a velha máxima de ‘dois pesos e duas medidas’ para equacionar um mesmo problema, esbarrando no livre exercício da profissão de jornalista. Na condição de mulher, mãe e jornalista, me senti desrespeitada, ofendida e humilhada por vários impropérios disparados aos berros por este senhor. Ele e sua equipe liberavam a entrada de outras pessoas com a mesma credencial que eu e me enxotavam da catraca, alegando que estava bloqueando a passagem de outras pessoas. Uma atitude claramente misógina, preconceituosa e que foi endossada por outro profissional que se apresentava como coordenador da segurança e chamou a assessoria de imprensa ao local.

‘Festa das credenciais’

Em sua coluna no Diário do Rio, o jornalista Quintino Gomes Freire voltou a fazer duras críticas ao processo de credenciamento e à desorganização do Carnaval carioca. “Enquanto jornalistas que cobrem a Sapucaí ficaram sem credenciais, gente que nem trabalha no evento ganhou. Afinal, subprefeito, subsecretário e ex algumas coisas precisam ficar andando pelas pistas? O que corre na boca pequena da Prefeitura, é que nunca na história um carnaval foi tão mal organizado pela Riotur. Nem na época do Crivella”.

Correspondentes de TVs estrangeiras também ficaram cerca de 4 horas para retirar as credenciais, e aguardando os coletes verdes, de trânsito livre. “Eu esperei mais de 3 horas. Depois que vc vai até a Riotur, na Cidade das Artes (Barra da Tijuca), na contramão da facilidade, não consegue sair sem resolver. E teve gente que não conseguiu resolver. Tinha credencial com direito a colete verde, trânsito livre, mas não tinham colete para entregar”, criticou um cinegrafista que trabalha para uma TV estrangeira.

Segundo ele, o local era inadequado para que os jornalistas pudessem esperar. “Um corredor e quem ficava no final da Fila tinha que ficar na escada. Quando eu cheguei, fiquei quase no quinto andar. A entrega era no quarto andar. Antigamente, quando era na Praça Pio X , era num auditório, com ar-refrigerado e as credenciais já estavam amparadas e organizadas para serem entregues. Agora não foi bem assim”, lamentou o cinegrafista, que pediu para não ser identificado, temendo represálias em outros eventos comandados pela Riotur.

Leia mais

Morre menina atropelada por carro alegórico na Sapucaí
Carnaval fora de época na Sapucaí começa com grave acidente
Apesar de importante, passaporte vacinal não é exigido na Sapucaí

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais