Vida sem Fumo: menos de 30% dos brasileiros conseguem parar

Pesquisa da Fundação Para um Mundo Livre de Fumo mostra que 72% fracassaram nas tentativas, apesar de 83% reconhecerem os riscos e 69% planejarem parar

Rosayne Macedo

Só quem já fumou, como eu, sabe o quanto é difícil, mas impossível não é (veja meu depoimento aqui). Um estudo que recebemos de Nova Iorque em nossa redação nesta sexta-feira (1) mostra, em números, o que muitas pessoas que sofrem com o tabagismo e seus familiares e amigos sabem na prática. Embora mais de nove entre dez fumantes no Brasil afirmem estar cientes de que fumar é perigoso, 72% não tiveram sucesso em suas tentativas de parar de fumar.

A pesquisa exclusiva da Foundation for a Smoke-Free World (Fundação Para um Mundo Livre de Fumo) sobre o Dia Mundial sem Tabaco, promovido há 30 anos, sempre em 31 de maio, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), revela que 83% dos fumantes relatam que estão “bem informados” sobre o impacto do tabagismo na saúde; 69% dos fumantes disseram que planejam parar e 57% dos que tentaram parar disseram que precisariam de ajuda para conseguir.

Os resultados da pesquisa reforçam a importância de ajudar os fumantes a ter novas opções para largar o vício e seguir uma vida mais saudável. “Os dados mostram o que sabemos há décadas – que muitos fumantes têm o desejo de parar, mas não encontram os meios para isso”, explica Derek Yach, presidente da Fundação e que esteve diretamente envolvido com o desenvolvimento do Tratado Mundial para Controle do Tabaco, o Framework Convention on Tobacco Control (FCTC), além de ter sido Diretor Executivo para doenças não transmissíveis e saúde mental na Organização Mundial de Saúde.

80% dos fumantes vivem em países pobres

O tabaco mata mais de 7 milhões de pessoas todos anos. Aproximadamente 80% dos 1 bilhão de fumantes no mundo vivem em países de baixa e média renda, onde as doenças e morte relacionadas ao tabaco são maiores. Os novos dados da pesquisa da Fundação apontam os desafios de criar um tratamento único que ajude todos os fumantes ao redor do mundo a parar de fumar e deixam claro que eles estão sacrificando o bem-estar físico e econômico, mesmo que muitos deles tenham o desejo de parar.

Desde que o Royal College of Physicians descobriu há 2 anos que a redução de danos tem enorme potencial para prevenir a morte decorrente do uso do tabaco, continuamos a ignorar o fato de que muitos fumantes não querem parar porque obtêm prazer ao fumar. Os avanços em produtos para redução de danos são literalmente uma questão de vida ou morte para essas pessoas”, acrescentou Yach.

Ouvir dos próprios fumantes quais são os desafios

Com 1 bilhão de fumantes no mundo que poderão morrer por conta do cigarro neste século, a tarefa da Fundação é urgente. A entidade financiará pesquisas e apoiará iniciativas colaborativas para acelerar o progresso na redução de danos e mortes por tabagismo em todo o mundo. A Fundação  também está adotando uma nova abordagem para ajudar fumantes a parar ou reduzir os riscos do tabagismo.

Os fumantes estão sendo ouvidos para levantar quais os principais desafios enfrentados diante da decisão de parar. Para atender o Tratado (FCTC), a Fundação está comprometida em financiar uma série de pesquisas que priorizará a descoberta de novos métodos para redução de danos e para deixar de fumar, respondendo de forma mais efetiva às necessidades comportamentais e de saúde dos fumantes que lutam para deixar o tabaco.

Mesmo no Brasil, onde os esforços para parar de fumar foram parcialmente bem-sucedidos, 18,6 milhões de pessoas continuam a ameaçar sua saúde fumando tabaco combustível todos os dias. O Brasil presidiu o Tratado Mundial para Controle do Tabaco na América Latina para implementar e promover as medidas no País. Os países vizinhos devem se beneficiar da experiência brasileira no combate ao fumo com o objetivo de largar e reduzir danos.

Ao comemorar o 30º Dia Mundial Sem Tabaco estou orgulhoso que a Fundação está ao lado dos fumantes para ajudá-los a romper com o vício. É evidente que houve avanços significativos no Brasil, mas ainda há muito trabalho a ser feito”, completa Yach.

Confira os principais números da pesquisa

  • 83% dos fumantes relatam que estão “bem informados” sobre o impacto do tabagismo na saúde.
  • 69% dos fumantes disseram que planejam parar.
  • 57% dos fumantes que tentaram parar disseram que precisariam de ajuda para conseguir.
  • 72% dos que tentaram parar de fumar não conseguiram

SOBRE A FOUNDATION FOR A SMOKE-FREE WORLD

A Foundation for a Smoke-Free World é uma organização independente, sem fins lucrativos, criada para acelerar os esforços globais em reduzir os impactos na saúde e mortes pelo cigarro e tem como objetivo eliminar o tabagismo em todo o mundo. A Fundação concentra-se em aprender com as pesquisas existentes, identificar onde existem lacunas no conhecimento e financiar novas pesquisas para buscar respostas sobre as estratégias mais eficazes para cessação do tabagismo e redução de danos. Também trabalha para garantir que as populações vulneráveis ​​afetadas por essa transformação, especialmente pequenos produtores de tabaco, sejam capazes de fazer a transição para meios de subsistência sustentáveis

Fonte: Foundation for a Smoke-Free World, com Redação

VIDA SEM FUMO

Adolescentes que fumam têm maior risco de doenças crônicas

Dois a cada três fumantes vão morrer pelo uso do cigarro

Câncer de pulmão: quando o prazer dá lugar ao risco de vida

Crianças são as maiores vítimas de quem fuma

Câncer de boca tem relação direta com o cigarro

Os danos estéticos que o cigarro pode causar

Jogadores e clubes de futebol aderem a campanha

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.