Volta ao mundo para conscientizar sobre a fibrose cística

Iniciativa convoca pessoas do mundo todo a praticar atividade física, como forma de sensibilizar sobre doença genética rara e sem cura

A união faz a força e o Instituto Unidos pela Vida, organização sem fins lucrativos que completa 10 anos em 2021, vai comprovar que a união também dá a volta ao mundo em prol de uma causa, neste caso, para dar visibilidade à fibrose cística, uma doença genética rara e ainda sem cura. Lançado em 9 de agosto, o desafio internacional Volta ao Mundo pela Fibrose Cística vai até 22 de novembro, completando um percurso total de 40 mil km, que corresponde a um giro pelo globo, convocando pessoas de todo o mundo para praticar atividades esportivas.

O objetivo é fazer com que a fibrose cística se torne mais conhecida, para que mais pessoas possam ter acesso ao diagnóstico e ao tratamento precoce. A doença tem como principais sintomas tosse crônica, pneumonia de repetição, diarreia, pólipos nasais, suor mais salgado que o normal e dificuldade para ganhar peso e estatura. Quem tem fibrose cística precisa, como parte de seu tratamento, realizar atividade física para melhorar seu condicionamento cardiorrespiratório e sua capacidade pulmonar.

A iniciativa é aberta a todo público que já pratica ou que pretende começar uma atividade física. O desafio Volta ao Mundo pela Fibrose Cística é uma ação da Equipe de Fibra, que faz parte do Programa de Incentivo à Atividade Física do Instituto Unidos pela Vida e visa incentivar a prática de exercícios físicos entre pessoas com fibrose cística e público geral. Para isso, divulga informações sobre o tema, compartilha exemplos de atletas, promove eventos e participa de provas nacionais e internacionais.

Como participar do desafio

Os interessados podem baixar gratuitamente o aplicativo Equipe de Fibra, que está disponível para Android e iOS, pagar a inscrição que custa R$ 10,90 (o valor será totalmente revertido para ações de conscientização sobre a fibrose cística) e então escolher entre as modalidades de caminhada, corrida, bicicleta ou outros esportes que calculem quilometragem percorrida.

Fica a critério do participante quantas vezes irá praticar a atividade física, não há limites de tempo ou percurso a ser percorrido individualmente, e a pessoa poderá computar seus dados no aplicativo durante todo o período do desafio. Sugere-se que cada participante faça de acordo com sua condição de saúde, respeitando as regras sanitárias da sua região.

Os 100 primeiros colocados no ranking geral, ou seja, que tiverem a maior quilometragem cadastrada, receberão um certificado de participação; os três primeiros colocados no ranking geral e os três primeiros do ranking “Pessoa com FC”, residentes em território brasileiro, receberão também um troféu.

Todas as informações estão disponíveis tanto no aplicativo da Equipe de Fibra quanto no hotsite do desafio, em suas versões em português (www.voltaaomundofc.org.br) inglês (www.aroundtheworldcf.org) e espanhol (www.vueltaalmundofq.org).

Leia mais

Rotina imposta pela Covid-19 é realidade de quem tem fibrose cística
Espírito olímpico movimenta ações solidárias
Teste do Pezinho no SUS passará a identificar até 53 doenças em bebês

 

Por Favor, Compartilhe!

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais