Mãe presa por negligenciar filhos pode estar em sofrimento psíquico

Psicanalista Andrea Ladislau analisa caso de mãe presa na Austrália após constatação de que as crianças vivem em casa ‘imunda e desorganizada’

Por Andrea Ladislau*

Uma notícia chocante figura nas mídias recentemente e descortina a rotina familiar de uma mãe e seus filhos pequenos na Austrália, dando conta de a mesma foi presa e acusada de negligência após constatação de que as crianças vivem em meio à uma casa “imunda” e completamente desorganizada.

Roupas e objetos espalhados, restos de comidas em estado de decomposição, mofo pelos móveis e objetos compõem o cenário intenso de desorganização e falta de higiene encontradas na residência.

Entretanto, é de extrema relevância se considerar em que condições se encontra a saúde e integridade mental desta genitora frente a estas constatações, antes de simplesmente serem despejadas acusações e julgamentos.

Conviver inserido em um cenário de insustentável falta de higiene e zelo, sem sombra de dúvidas é, no mínimo, inaceitável. Principalmente quando neste citado ambiente existem incapazes que não possuem de fato condições de fazer valer seus direitos gerais e especiais, criados só para eles, visando o melhor para sua formação, educação, lazer, saúde e segurança.

Porém, antes de dizer: “mais essa mãe é muito porca e desleixada”, “Está acostumada a viver na sujeira”, “não está nem um pouco preocupada com essas crianças e com a limpeza da casa”, enfim… Cabe aqui buscar entender quais as circunstâncias levaram a este retrato residencial.

Em qual condição de sanidade mental se encontra essa mulher? O que a leva, ou o que a faz se sentir “confortável” convivendo com os filhos em um ambiente tomado por lixo e desordem?

É claro que, não se pode negar ou minimizar o fato de que ao se deparar com uma notícia como essa, envolvendo crianças, a comoção acaba sendo inevitável. O primeiro impacto é se chocar e, a grande maioria das pessoas acaba fazendo juízo de valor: o caminho mais curto e fácil dentro de uma sociedade que vive o urgente, o imediato e mais fácil.

No entanto, é preciso propagar a cultura do “não julgamento” imediatista. Antes de apontar dedos e rotular a mãe, suas atitudes e atividades, devemos buscar entender o que ocorre de fato neste contexto. Investigar o que está por trás de toda narrativa, visto que, tanto a psicologia quanto a psicanálise, concordam que ambientes externos de convívio bagunçados ou desorganizados podem denunciar a evidência de um desequilíbrio emocional.

Ou seja, o desajuste mental da “casa material” demonstra a potencialização do sofrimento psíquico da “casa do eu interior”. Neste caso em específico, ainda existe a exposição dessa mãe e de seus filhos à graves infecções no corpo, afetando a saúde física e biológica.

Portanto, essa pluralização da mania de se acusar e julgar, tão expressivos em nossa sociedade atual, acaba por impedir o ser humano de enxergar o sofrimento do outro. Impede a racionalidade e empatia. Negligencia a capacidade humana de acolher, tratar e cuidar, antes de atirar pedras.

Neste contexto, é bem possível que essa mãe possa estar padecendo de algum tipo de transtorno psicológico que venha a justificar uma saúde mental debilitada a ponto de colocar em risco sua família e a si mesma. Uma falha inconsciente que deve ser investigada por profissionais de saúde mental para atestar ou não, a boa capacidade psicológica desta.

Afinal, o ambiente em que vivemos, considerando sua estrutura e organização, é reflexo do ambiente subjetivo e interno de cada indivíduo.

*Andrea Ladislau é pós-graduada em Administração Hospitalar e Psicanálise e doutora em Psicanálise Contemporânea. Possui especialização em Psicopedagogia e Inclusão Digital. É também graduada em Letras e Administração de Empresas, palestrante, membro da Academia Fluminense de Letras e escreve para diversos veículos. Na pandemia, criou no Whatsapp o grupo Reflexões Positivas, para apoio emocional de pessoas do Brasil inteiro.

Contatos: Instagram: @dra.andrealadislau / Telefone: (21) 96804-9353 (Whatsapp)

Andrea Ladislau colabora para a seção Palavra de Especialista uma vez por mês. Dúvidas e sugestões para [email protected]

Leia mais artigos de Andrea Ladislau

 

Carnaval também faz bem para o corpo e para a cabeça
Oscar da vergonha: a comédia acaba onde começa a dor do outro
Você também sofre com a Síndrome da Mulher Maravilha?
Somatização: o grito de socorro da mente refletido no corpo físico
Body Checking: quando o espelho vira um aliado da neurose
Ômicron: como lidar com a positividade que ninguém quer?
O ano termina, nasce outra vez… e o que você fez ou vai fazer?
O legado emocional e afetivo deixado pela pandemia
Felipe Neto e a Síndrome de Burnout associada à depressão
Borderline: a linha tênue entre a euforia e a depressão
Como o câncer de mama impacta a saúde emocional
Entenda a importância da terapia na prevenção do suicídio
Nomofobia: quando a conexão virtual vira síndrome
Síndrome do Pensamento Acelerado: uma nova epidemia
Cancelamento: que cultura é essa que nos dá autoridade para julgar alguém?

 

 

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais