Ator Marcelo Serrado expõe desafios ao enfrentar a Síndrome do Pânico

Síndrome pode afetar homens e mulheres em diversas faixas etárias e em qualquer classe social, diz psicanalista Andrea Ladislau. Confira na seção Palavra de Especialista

Por Andrea Ladislau*

Atores, personalidades públicas, anônimos ou qualquer mortal, pode sofrer com problemas psíquicos e emocionais. Principalmente após a vivência traumática para muitos, que foi o período pandêmico. Tanto que, em entrevista recente o ator Marcelo Serrado, relatou ter enfrentado a Síndrome do Pânico e severas crises de ansiedade.

Mão formigando, medo intenso e coração acelerado, foram sentimentos que passaram a fazer parte da rotina do carioca de 55 anos, que ouvia frases do tipo: “ator, bem sucedido, financeiramente equilibrado, como pode ter Síndrome do Pânico?” Pois é, mas estas escolhas não são nossas. E todos estamos sujeitos a sofrer psiquicamente, visto que as fragilidades emocionais não distinguem anônimos de celebridades, assim como qualquer outro tipo de doença também não.

E como lidar com a ansiedade excessiva e o pânico? O que vem a ser essa síndrome e de que forma ela se manifesta? A Síndrome do Pânico é uma condição em que há crises súbitas de ansiedade, medo e desespero associados a sintomas físicos, como: dor no peito, falta de ar, tontura, formigamentos, tremores, suor excessivo.

A sensação é de morte ou perda do controle. A crise pode acontecer sem motivo aparente ou após um estresse emocional, e depois, gera ansiedade antecipatória (medo de acontecer novamente). O medo de perder o controle da situação faz o indivíduo evitar lugares muito cheios ou fechados. E quando se forçam, acabam desencadeando novas crises que se tornam mais constantes, e atrapalham a realização de atividades simples do cotidiano, como: ir ao mercado, entrar no elevador, andar de ônibus.

Infelizmente, pode aparecer quando menos se espera! A duração da crise varia de pessoa para pessoa, podendo ter picos de 5 até 30 minutos, seguida por uma sensação de esgotamento e cansaço. A busca por um acompanhamento psicoterápico é fundamental para entender quais os gatilhos para início dos sintomas e como controlar os efeitos perturbadores da síndrome.

Existe cura para a doença, embora seja difícil alcançar a cura completa do transtorno, pois a taxa de recaída da síndrome é bastante elevada e a maioria das pessoas volta a sofrer com os ataques.

Os medicamentos e a psicoterapia são os mais recomendados, já que atuam sobre os desequilíbrios bioquímicos que geram os efeitos físicos associados à doença, além de trabalharem os medos, as fobias, a ansiedade e provocar mudanças comportamentais para que o indivíduo aprenda técnicas que possam mudar a sua atitude diante dos ataques de pânico.

Marcelo Serrado buscou ajuda profissional e medicamentosa para enfrentar a Síndrome do Pânico e relata que percebeu a necessidade de falar sobre o assunto, uma vez que muitas pessoas sofrem com este problema e nem sempre sabem como agir.

Encontrou caminhos de libertação através da construção de uma rede de apoio, leituras e hobbies, como a música, para sentir-se mais forte para lutar contra a síndrome. Por ser uma figura pública, ele se viu perdido e angustiado, perturbado pelo elevado grau de estresse, por pensamentos irracionais, pelo medo geral ou medo do desconhecido, chamado de agorafobia, que o impediam de se relacionar com as pessoas a sua volta.

Ou seja, quem sofre com a síndrome de pânico, tendenciosamente, sempre procura estar isolado e sofre com a intensidade das crises.

Enfim, a vulnerabilidade imposta por essa síndrome pode afetar homens e mulheres em diversas faixas etárias e em qualquer classe social. O ideal é, ao perceber o menor sinal de desequilíbrio, buscar ajuda de um profissional de saúde mental que irá, através de ferramentas adequadas, identificar o problema e dar a tratativa correta para que se consiga viver de forma plena, saudável e equilibrada.

*Andrea Ladislau é pós-graduada em Administração Hospitalar e Psicanálise e doutora em Psicanálise Contemporânea. Possui especialização em Psicopedagogia e Inclusão Digital. É também graduada em Letras e Administração de Empresas, palestrante, membro da Academia Fluminense de Letras e escreve para diversos veículos. Na pandemia, criou no Whatsapp o grupo Reflexões Positivas, para apoio emocional de pessoas do Brasil inteiro.

Contatos: Instagram: @dra.andrealadislau / Telefone: (21) 96804-9353 (Whatsapp)

Andrea Ladislau colabora para a seção Palavra de Especialista uma vez por mês. Dúvidas e sugestões para [email protected]

Leia mais artigos de Andrea Ladislau

Klara Castanho: Estupro, múltiplas violências e linchamento virtual em meio à dor
Quando o ciúme deixa de ser saudável e se torna patológico
Mãe presa por negligenciar filhos pode estar em sofrimento psíquico
Carnaval também faz bem para o corpo e para a cabeça
Oscar da vergonha: a comédia acaba onde começa a dor do outro
Você também sofre com a Síndrome da Mulher Maravilha?
Somatização: o grito de socorro da mente refletido no corpo físico
Body Checking: quando o espelho vira um aliado da neurose
Ômicron: como lidar com a positividade que ninguém quer?
O ano termina, nasce outra vez… e o que você fez ou vai fazer?
O legado emocional e afetivo deixado pela pandemia
Felipe Neto e a Síndrome de Burnout associada à depressão
Borderline: a linha tênue entre a euforia e a depressão
Como o câncer de mama impacta a saúde emocional
Entenda a importância da terapia na prevenção do suicídio
Nomofobia: quando a conexão virtual vira síndrome
Síndrome do Pensamento Acelerado: uma nova epidemia
Cancelamento: que cultura é essa que nos dá autoridade para julgar alguém?
2 Comments
  1. […] Ator Marcelo Serrado expõe desafios ao enfrentar a Síndrome do Pânico […]

  2. […] Ator Marcelo Serrado expõe desafios ao enfrentar a Síndrome do Pânico […]

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais