A cultura do estupro que normaliza o abuso e a violência sexual no país

‘Psicopata? Doente mental? Estuprador em série? O que importa agora é o ato criminoso, e suas consequências devastadoras’, diz psicanalista

Por Andrea Ladislau*

O caso do médico anestesista que estuprou uma mulher grávida, no momento do parto, no Rio de Janeiro, é mais um episódio que escancara uma já conhecida fragilidade social que fortalece a cultura do estupro no Brasil. Uma cultura distorcida que parece não estar preocupada em ensinar, desde os mais jovens, a não estuprar, a não cometer abusos ou toxicidades contra quem quer que seja. Mas apenas propaga rasos ensinamentos de como não sofrer o estupro. Rasos, pois cada vez mais, os noticiários se enchem de histórias tristes como essa.

Muitos estão em uma busca desesperada de tentar rotular o criminoso com um diagnóstico: psicopata? Doente mental? Psicótico? Estuprador em série? Mas, o que muitos não se dão conta é que, não é possível, fechar um diagnóstico subjetivo desta natureza, apenas com estes elementos.

É preciso um trabalho profissional, investigativo do ponto de vista da saúde mental, de forma mais minuciosa para concluir se existe algum tipo de enquadramento psíquico. No entanto, essa não deveria ser a principal preocupação, pois qualquer definição psíquica agora, só vai servir para minimizar uma pena judicial. O que importa, no entanto, é o ato criminoso, o estupro em si e as consequências devastadoras deixadas como marcas irreversíveis em todas as vítimas desse caso que chocou todo o país.

Infelizmente, a nossa realidade é cruel. Estatísticas mostram a crescente dos relatos de estupros, de todas as naturezas. Seja dentro das casas das vítimas, ou mesmo nas ruas, em eventos, em locais de trabalho ou mesmo, como foi esse fato, em instituições de saúde. O que demonstra a importância de políticas de proteção mais robustas, padronização de regimes éticos e de seguranças internas eficazes dentro de todos os ambientes, no sentido de evitar que possam ser marcados por traços de crueldade e perversidade que, certamente, provocam, nas vítimas, mudanças severas em sua percepção de valores e na forma como possam lidar com suas dores e com o mundo a sua volta, possibilitando ainda, o transporte do trauma para toda sua trajetória de vida.

Dentro deste contexto, se faz urgente o fortalecimento dos cuidados e da escuta ativa direcionados as vítimas deste crime, muitas vezes silencioso, que anula o sorriso e rouba a vivacidade de quem é atacado, ferindo e provocando sensação de culpa, inferioridade, fobias, além de dores físicas e na alma. Essas vivências traumáticas podem ser irreparáveis. Já que, os reflexos do abuso sexual e do estupro, afetam diretamente o psicológico através dos traumas sofridos.

Enfim, o caso do anestesista estuprador possuí uma dinâmica de perversões ilimitadas, que se manifesta como um horror contínuo para as vítimas que foram ceifadas de forma cruel e sórdida pelo perverso e desumano abusador. Sem sombra de dúvidas, muitas variáveis e complexidades envolvidas acusam o dano psíquico estabelecido nas mulheres vitimadas por esse indivíduo, que deveria defender a vida e, no entanto, atentou contra ela.

Que ele pague por sua violência e que a sociedade seja mais severa na tratativa de crimes desta natureza, estabelecendo maior segurança e políticas de proteção para os cidadãos de bem. Além disso, que seja propiciado a essas mulheres o acompanhamento e amparo psicológico, médico e social adequado, na tentativa de resgatar a autoestima e a confiança em dias melhores.

*Andrea Ladislau é pós-graduada em Administração Hospitalar e Psicanálise e doutora em Psicanálise Contemporânea. Possui especialização em Psicopedagogia e Inclusão Digital. É também graduada em Letras e Administração de Empresas, palestrante, membro da Academia Fluminense de Letras e escreve para diversos veículos. Na pandemia, criou no Whatsapp o grupo Reflexões Positivas, para apoio emocional de pessoas do Brasil inteiro.

Contatos: Instagram: @dra.andrealadislau / Telefone: (21) 96804-9353 (Whatsapp)

Andrea Ladislau colabora para a seção Palavra de Especialista toda quarta-feira. Dúvidas e sugestões para [email protected]

Leia mais artigos de Andrea Ladislau

Dia do amigo: amizade saudável X saúde mental equilibrada
Violência obstétrica: a saúde mental da mulher afetada pelo parto traumático
Ator Marcelo Serrado expõe desafios ao enfrentar a Síndrome do Pânico
Klara Castanho: Estupro, múltiplas violências e linchamento virtual em meio à dor
Quando o ciúme deixa de ser saudável e se torna patológico
Mãe presa por negligenciar filhos pode estar em sofrimento psíquico
Carnaval também faz bem para o corpo e para a cabeça
Oscar da vergonha: a comédia acaba onde começa a dor do outro
Você também sofre com a Síndrome da Mulher Maravilha?
Somatização: o grito de socorro da mente refletido no corpo físico
Body Checking: quando o espelho vira um aliado da neurose
Ômicron: como lidar com a positividade que ninguém quer?
O ano termina, nasce outra vez… e o que você fez ou vai fazer?
O legado emocional e afetivo deixado pela pandemia
Felipe Neto e a Síndrome de Burnout associada à depressão
Borderline: a linha tênue entre a euforia e a depressão
Como o câncer de mama impacta a saúde emocional
Entenda a importância da terapia na prevenção do suicídio
Nomofobia: quando a conexão virtual vira síndrome
Síndrome do Pensamento Acelerado: uma nova epidemia
Cancelamento: que cultura é essa que nos dá autoridade para julgar alguém?
2 Comments
  1. […] A cultura do estupro que normaliza o abuso e a violência sexual no país […]

  2. […] A cultura do estupro que normaliza o abuso e a violência sexual no país […]

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

In the news
Leia Mais